Mallandro confirma que vai usar fio dental caso Flu seja rebaixado

Mallandro confirma que vai usar fio dental caso Flu seja rebaixado

A paixão pelo futebol tem explicação genética

Não é pegadinha. O ator e humorista Sérgio Mallandro está mesmo disposto a cumprir a promessa de andar de fio dental pela orla de Copacabana, se o Fluminense for rebaixado para a Série B. A aposta, lançada no Twitter para seus mais de 395 mil seguidores, foi ontem confirmada pelo tricolor, em carne e osso:

- Se meu time cair, vou ter que usar a calcinha, ué. Aposta é aposta. Mas estou confiante no Fluminense. Não vai cair, não. O negócio é toda a torcida dizer o seguinte, na hora do jogo contra o Bahia: ?Rá, yeah yeah?, três vezes. E, em seguida, ?salci fufu nunca?, também três vezes. Vai dar sorte - garantiu Mallandro, transformando em mantra seus mais famosos bordões.

Não confundir, porém, ?salci fufu? com ?salci Flu Flu?. Ou haverá o risco de a mandinga do humorista se transformar em pesadelo. Contra Mallandro, já basta o desfalque de Fred, um de seus ídolos mais recentes.

- Se o Fred estivesse inteiro, não tinha pra ninguém. Ele é um guerreiro. É meu grande ídolo, junto a outros do passado: o ponta Wilton, que fez aquele gol de mão (na final do torneio Roberto Gomes Pedrosa, em 1968), Samarone, Rivelino e Félix.

A paixão pelo futebol tem explicação genética: o avô, Vicente, foi goleiro do Botafogo; e o pai, Edgar, era um ponta-direita do Fluminense, que deu ao pequeno Sérgio um ultimato como herança:

- Ele disse: ?Brother, não tem parada. Teu irmão mais velho já é botafoguense por causa do avô. Você vai ser tricolor de qualquer jeito?. Meu pai me ensinou a jogar futebol. Joguei no Piraquê e no Clube Naval e, aos 14 anos, quando cheguei ao Fluminense, minha mãe (Leila) me obrigou a parar de jogar bola - lembrou Mallandro.

Aos 45 anos, o pai de Sérgio Mallandro morreu, vítima de um enfarte. O amor pelo Tricolor, porém, resistiu a acidentes de percurso como a péssima campanha do time em 2013.

- O Fluminense vai vencer o Bahia por 2 a 0. O Leandro Euzébio faz um. O outro vai ser do Jean ou do Diguinho. Vasco e Criciúma vão cair. E o fio dental não será usado. Rá!

Os compromissos televisivos tiraram Mallandro dos estádios de futebol. Hoje, ele vive entre o Rio de Janeiro e São Paulo, de volta à velha rotina iniciada no início da década de 80, quando o apresentador Sílvio Santos descobriu seu valor. De tanto frequentar a ponte aérea, o humorista abriu um espaço no coração para o Corinthians:

- Tenho muitos amigos corintianos. O Andres Sanchez é um deles. Passei a ter simpatia pelo Corinthians, mas a gente tem que torcer pelo time de berço - disse Mallandro.

No domingo, o amor de berço estará entrando em campo, na Fonte Nova. E Sérgio Mallandro correrá o risco de descobrir os dois lados do sucesso. O homem que vendeu, em 82, um milhão de discos com a música ?Vem fazer glu glu?, poderá parar na boca do povo e na tevê... pagando uma aposta, de fio dental!

- O Flu não cai. Salci fufu nunca, salci fufu nunca, salci fufu nunca!

Fonte: Extra