Travesti de Salve Jorge sobre mudança de sexo: "Meu sonho"

Travesti de Salve Jorge sobre mudança de sexo: "Meu sonho"

No ar em "Salve Jorge", ela pretende operar ainda em 2013.

Em seu primeiro papel na TV em horário nobre, a travesti Patricia Araújo vive uma nova fase profissinal e pessoal. Disposta a "limpar" sua imagem e deixar para trás seu passado, a atriz e modelo relembrou, em entrevista, o período em que se prostituiu e fez filmes adultos, falou sobre sua vida e seus planos. "O que vivi serve de lição para o presente e futuro, não quero cometer os mesmos erros. Fui uma das travestis que mais ganhou dinheiro com prostituição, mas não era feliz", afirma.



Prostituição e filmes eróticos

Falar sobre o passado não é algo confortável para Patricia. Segundo a atriz e modelo, todo mundo tem uma história que não gosta de relembrar e com ela não é diferente. "O passado ficou no passado. Todo mundo tem um e eu apaguei o meu com uma borracha. Era uma transex de luxo e todos os homens queriam me conhecer, não só para ter sexo, mas para viajar, jantar... Fiz dois filmes porque era muito novinha e ingênua, mas faz muito tempo. Já recebi convites para fazer de novo até com Alexandre Frota, mas não aceitei. Não quero falar sobre o que já passou", diz a morena.

Sucesso entre os homens, Patricia conta que desde sempre chamou atenção. "Na balada, sempre fiquei com os mais gatos. No meio da prostituição fiz sucesso pois sou bonita e pareço muito com uma mulher de verdade. Até hoje eles me procuram e me ligam enlouquecidos, incluindo famosos lindos e casados. Mas tô tranquila, passei por uma época em que a conta bancária estava boa, mas eu estava depressiva. Penso no dinheiro que eu poderia estar ganhando e todos os dias sofro a tentação. Mas sou forte. Quando deito para dormir e penso que não fiz é gratificante, uma conquista. Estou há quase um ano sem me prostituir e hoje tenho paz", afirma a modelo.

Desde então, Patricia se mantém fazendo presenças vips em eventos e com o dinheiro que recebe do aluguel de um dos seus apartamentos em Copacabana, na Zona Sul do Rio. "Eu não posso negar que se eu trabalhasse em um lugar comum não conseguiria ter a estabilidade que tive. Tenho dois apartamentos, carro e tudo o que eu preciso. Ganhei muito dinheiro com isso e tem várias tentando há anos e não conseguem. Fui a uma igreja e pedi a Deus para me ajudar a parar. Juntei uma boa grana, mas mesmo tendo um padrão de vida bom e atendendo clientes de alto nível, aquilo não me fazia bem".

Carreira de atriz

Formada há quatro anos em Artes Cênicas, nas primeiras gravações de "Salve Jorge - na trama, Patricia dá vida a uma travesti traficada - a emoção foi grande devido às cenas fortes e drámaticas. "Relembrei do período que fiz programa quando morava fora. É duro, triste, uma vida difícil de verdade. A cena que ligo para a família mexeu bastante comigo. É uma experiência que não recomendo para ninguém. Quando acabou a gravação, chorei bastante", conta.

O convite para participar da novela veio da autora Glória Perez, que conheceu a modelo durante um carnaval. "Foi uma surpresa muito boa. Quando cheguei ao Projac e vi que estava dividindo camarim com a Dira Paes e a Claudia Raia, me deu um frio na barriga. Sou fã delas e contei com o apoio do elenco e de toda equipe durante as gravações", diz Patricia.

Nascida na Ilha do Governador, no Rio, Patricia conta que pensa em voltar a morar no bairro para ficar mais perto da família. "Minha família mora lá até hoje. Penso em comprar uma casa lá e sair de Copacabana. Meus pais são velhinhos e estão doentes, quero estar mais perto. Minha mãe é minha maior fã. Na casa dela tem um quarto cheio de fotos minhas de quando fui miss e desfilava", conta a atriz, que pretende se dedicar à carreira artística e se manter no Brasil: "Dividi um bom tempo da minha vida entre Londres e aqui. Agora quero ficar no meu país e me dedicar a carreira. Depois da novela, espero que portas se abram. Quero entrar com tudo, fazer seriado, filme e teatro".

Fonte: EGO