2009 foi o ano da descoberta de Sarah pelo restante do País

Vinda das ruas de Teresina, no Piauí, a judoca, ídolo em seu estado, fez de 2009 o ano de sua descoberta pelo restante do país

A menina que lutava com meninos e treinava escondida dos pais hoje colhe os frutos de não se amedrontar diante dos desafios. Seja nos tatames ou na rotina de adolescente de 19 anos, Sarah Menezes já não é apenas uma promessa em um esporte que prima pelo histórico de medalhas e alegrias para o Brasil.

Vinda das ruas de Teresina, no Piauí, a judoca, ídolo em seu estado, fez de 2009 o ano de sua descoberta pelo restante do país. Depois de sete medalhas internacionais e do bicampeonato mundial júnior na categoria ligeiro (até 48kg), Sarah fechou a temporada com o Prêmio Brasil Olímpico, nesta segunda-feira, no Maracanãzinho. Com 46% dos votos do público, a piauiense superou Poliana Okimoto (maratonas aquáticas) e Natália Falavigna (taekwondo) para ficar com o título de melhor atleta feminina do ano.

- Estou muito feliz por ter concorrido com as duas melhores atletas do esporte brasileiro ? afirmou Sarah ao subir no palco do Maracanãzinho.

Em seguida, ela sorriu, sacou uma folha de papel e leu o restante do discurso, com uma longa lista de agradecimentos.

- Se estou sendo considerada a melhor atleta é porque tive suporte para chegar aonde cheguei.

A campanha de Sarah em 2009 reflete a consagração da judoca. Depois de disputar as Olimpíadas de Pequim com apenas 18 anos, ela começou a temporada com bagagem para fazer bonito nos tatames neste ano. No primeiro semestre, foram duas medalhas de ouro nas etapas de Lisboa e Madri da Copa do Mundo. Antes disso, já havia sido bronze no Pan-Americano de Buenos Aires e prata na Copa do Mundo em Belo Horizonte, além de um bronze no Grand Slam do Rio de Janeiro.

Com tantas medalhas, Sarah foi para o Mundial de judô, em Roterdã, na Holanda como uma das maiores promessas de conquistas para o Brasil. O pódio não veio e ela terminou em quinto lugar, mas a piauiense conquistou a melhor posição para o país na disputa, um quinto lugar.

A consagração, no entanto, veio no segundo semestre desta temporada. Sarah deu ao Brasil o bicampeonato do Mundial júnior, no mês de outubro, em Paris, ao derrotar na final a japonesa Hiromi Endo. Com o título, ela se tornou a primeira brasileira a vencer a competição duas vezes. O resultado encheu a judoca de confiança para ir além.

- Já caiu a ficha. Sou bicampeã mundial júnior. Agora, meu objetivo é ser campeã do Mundial sênior ? disse, após o título.

Há duas semanas, levou mais uma medalha: o bronze no Grand Slam de Tóquio. Com tantas conquistas, a idolatria de Sarah só fez crescer no Piauí em 2009. Já virou tema de música e foi homenageada com um selo por sua participação nos Jogos de Pequim. Na volta do Mundial Júnior, desfilou em céu aberto no carro do Corpo dos Bombeiros. Mas a vontade da judoca não para por aí. O foco já está em Londres, para os jogos de 2012.

- O objetivo é estar sempre no pódio, principalmente nas Olimpíadas.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com