Aldo vence americano e ganha cinturão dos pesos-penas para Brasil

Provoca McGregor responsável por sua perda do cinturão em dezembro

José Aldo foi o único campeão brasileiro no UFC entre maio de 2014, quando Renan Barão foi destronado no peso-galo, e março de 2015, quando Rafael dos Anjos conquistou o título do peso-leve. Nada mais justo, então, que o lutador manauara fosse o homem a recuperar um cinturão - ainda que interino - para o Brasil, dois dias após Dos Anjos perder o seu para Eddie Alvarez. O lutador da Nova União venceu o americano Franke Edgar por decisão unânime (49-46, 49-46, 48-47) neste sábado, no card principal do UFC 200, em Las Vegas (EUA), para conquistar o título interino dos pesos-penas e uma revanche contra o irlandês Conor McGregor, atual campeão linear da categoria e responsável pela traumática perda do cinturão em dezembro do ano passado.

O "Notório" assistiu de pé, ao lado do octógono, à atuação do brasileiro, que voltou a lutar como acostumou seus fãs durante seu reinado no peso-pena: de forma estratégica, no controle da distância e certeiro nos contragolpes. Basicamente, foi José Aldo novamente, em vez do lutador ávido para atacar o adversário rapidamente que foi no fatídico nocaute sofrido em 13s contra McGregor. Com a confiança recuperada pela atuação dominante, Aldo não perdeu a oportunidade de provocar o arquirrival ao final da luta.

- Confio nele, amo ele. Frankie é um grande adversário, tem um wrestling muito bom, eu o respeito. Mas eu só tenho um objetivo: é vencer este m***. Ele não vai ter a mesma sorte que teve da outra vez - disse José Aldo. O irlandês, de seu assento, fez cara de não ter se impressionado muito e pareceu aberto à revanche contra o brasileiro.

José Aldo ergue o número 1 ao final da luta contra Frankie Edgar: brasileiro atuou de forma segur
José Aldo ergue o número 1 ao final da luta contra Frankie Edgar

Aldo começou o combate cauteloso, estudando a movimentação de Edgar e controlando a distância. Aos poucos, o americano foi encontrando o caminho para golpear, através de chutes baixos. O brasileiro respondeu com boas combinações em cima, e rechaçou a primeira entrada em queda do adversário. Aldo teve um bom momento no minuto final, ao conectar um jab e direto. Ele também encaixou uma joelhada dura, mais um cruzado de esquerda em cheio que levou Edgar a knockdown.

Edgar seguiu ditando o ritmo no segundo round, mas acertava poucos golpes. Aldo acertou mais uma joelhada numa entrada de queda e saiu da frente do americano como um toureiro. O supercílio direito de Edgar começou a sangrar como resultado da joelhada. O americano, contudo, não desacelerou, e acertou dois bons cruzados de direita. Mesmo assim, Aldo seguia dominando a distância, e rechaçou mais duas entradas de queda com facilidade. Ambos acertaram bons cruzados, e o manauara tentou garantir a pontuação do round com mais uma joelhada voadora e uma chuva de jabs nos segundos finais.

A luta prosseguia, mas Edgar parecia ficar mais rápido. Ele começou o terceiro round acertando bons jabs e cruzados, e ficou ainda mais incisivo nas entradas de queda. Aldo defendeu e se manteve em pé, mas rapidamente se viu em desvantagem no período. Uma combinação de jab e direto de Edgar balançou o brasileiro, que no entanto circulou bem e evitou que o americano aproveitasse o bom momento. Aldo encontrou espaço para um diretaço de direita, e Edgar respondeu com um cruzado. Logo o americano estava buscando derrubar de novo, e levou outra joelhada no rosto. Aldo ainda acertou uma joelhada e um chute baixo no final do assalto.

Instruído pelo técnico Dedé Pederneiras, José Aldo voltou a se movimentar bem no quarto round, dificultando que Edgar o encontrasse com seus jabs. O americano passou a fintar ataques nas pernas para socar em cima e chutar baixo. A estratégia funcionou, e o ex-campeão dos leves passou a golpear mais. Aldo, porém, acertou um bom cruzado de direita, e seu córner, sentindo a virada de momento, o incentivou a "pegar agora". O brasileiro acertou boas combinações e deixou o rosto do americano bem marcado, sangrando dos dois lados. Seu segundo knockdown da noite veio com um jab quando o adversário tentava um chute à meia altura.

No intervalo, Dedé ordenou: "Dois chutes nessa p*** dessa perna dele". Aldo obedeceu imediatamente e abriu o round final com um chute baixo. Ele seguiu a ação com uma série de jabs e voltou a controlar a distância. Um cruzado de esquerda balançou Edgar, e o manauara ganhou confiança. Soltou chute alto, acertou mais cruzados, tentou um upper. Confortável na liderança, Aldo passou a administrar o combate, apenas contragolpeando, até faltar cerca de 1m30s, quando seus córneres passaram a incentivá-lo a acelerar. Ele bambeou o americano com uma joelhada, mas o lutador da Nova União não se arriscou: apenas se movimentou e evitou sofrer um golpe de surpresa que pudesse nocauteá-lo. Quando a sirene soou, o brasileiro comemorou, com a certeza que voltaria a ter um cinturão na cintura novamente. Ao ser entrevistado após a vitória, Aldo dedicou o triunfo a Dedé.

- Não luto pelo UFC, luto pelo meu técnico. Este cara é tudo, ele é meu pai. Perdi meu pai, mas ganhei ele. Eu não fiz nada, foi ele quem fez - comentou o lutador, que abraçou o técnico com a expressão emocionada.


osé Aldo recebe o cinturão interino das mãos de Dana White
José Aldo recebe o cinturão interino das mãos de Dana White


Fonte: G1