Amputado por trem, brasileiro Talisson Glock quebra recorde

O crescimento na carreira ficou evidente na quinta-feira, no Mundial Paralímpico de Montreal


Amputado por trem, brasileiro de 18 anos quebra recorde e anima para 2016
Talisson Henrique Glock tem 18 anos, pratica natação há nove, mas só há quatro passou a competir, o que o levou a ser chamado para integrar a Seleção Brasileira dois anos atrás. Todos esses números podem ser redirecionados a apenas um, icônico, para o qual o atleta, vítima de um acidente com um trem na infância, mantém o foco: 2016. O jovem nadador se tornou uma das esperanças para a Paralimpíada do Rio de Janeiro.

O crescimento na carreira ficou evidente na quinta-feira, no Mundial Paralímpico de Montreal, onde conseguiu a medalha de prata nos 200 m medley S6, prova que deve ser sua principal em 2016. Para isso, quebrou o recorde das Américas duas vezes ? primeiro nas eliminatórias, depois na final -, com 2min44s85. ?Vou continuar treinando para essa prova, que é uma das minhas melhores. A outra é os 100 m costas. Estou entrando para o borboleta também?, disse, animado.

Talisson começou a praticar natação aos 9 anos de idade porque sua mãe, preocupado, não o queria enfurnado dentro de casa após um acidente com um trem em Joinville, cidade onde nasceu e cresceu. O garoto foi atropelado nas proximidades da escola e teve braço e perna direita amputados. Não se sabe ao certo o que aconteceu. ?Eu não lembro. Só posso falar o que minha mãe me conta?.

Vaidosa "ao máximo", nadadora adapta prótese para usar com salto Vaidosa "ao máximo", nadadora adapta prótese para usar com salto

Ela foi alertada do ocorrido por um amigo de Talisson, que o viu preso entre os trilos e o trem ao sair da escola, localizada ao lado da ferrovia. ?Quando minha mãe chegou, o trem ainda estava em cima de mim. Passaram oito vagões em cima do meu corpo?, explicou o atleta, que perdeu muito sangue e só não morreu pela rapidez da equipe do PA 24 horas (Pronto Atendimento) da cidade.

Talisson ficou 23 dias internado, e depois, em casa, começou a fazer uma recuperação que definiu como ?rápida?. Quanto à natação, o talento apareceu rapidamente também. ?Vi que levava jeito e, um ano depois, já estava no Estadual, no Brasileiro?, contou. Atualmente, já não mora mais próximo à ferrovia: faz parte do Time São Paulo, mas treina no Rio de Janeiro. ?É meio indefinido?, afirmou, aos risos. O que se espera é que, em 2016, esteja mesmo na cidade carioca para a Paralimpíada, já que alimenta chance de medalha de ouro: ?acredito que dê, sim?.

Fonte: Terra, www.terra.com.br