Após denúncia de contrabando, Sheik se defende: "Bandido não"

Após denúncia de contrabando, Sheik se defende: "Bandido não"

Atacante do Corinthians comenta acusação, se preocupa com repercussão e explica o motivo dos atrasos que fizeram Tite sacá-lo da equipe titular.

A última semana não foi das melhores para Emerson Sheik. Heroi do Corinthians na conquista da Taça Libertadores da América, o atacante chegou atrasado a dois treinamentos, foi sacado do time titular pelo técnico Tite e de quebra ainda recebeu a notícia de que o Ministério Público Federal o denunciou à Justiça por contrabando de veículos - o jogador alvinegro é investigado desde o ano passado pela Polícia Federal.

Segundo o inquérito, Emerson Sheik adquiriu, de forma ilegal, dois carros no exterior a preços bem abaixo do valor de mercado (uma BMW X6 e um Chevrolet Camaro). Os dois veículos foram vendidos a Diguinho, do Fluminense. O volante do time carioca, aliás, também sofre a mesma acusação por parte do MPF.

Em entrevista, o atacante corintiano diz ter certeza de que provará a sua inocência nesse caso.

- Sabe o que não é legal? É você ser acusado de alguma coisa que não fez. Mas cabe aos meus advogados provarem que não fiz. Eu confio que a justiça brasileira não vai falhar. Minha história de vida diz isso. Eu tive a oportunidade de entrar num mercado e pegar algo para comer quando garoto, mas não fiz. Agora depois de ser grande, de ser pai, eu vou me envolver com uma coisa dessas? - declarou, durante conversa em um restaurante na região dos Jardins, na capital paulista.

Além de provar sua inocência, Sheik está preocupado com a repercussão dessa acusação na vida dos seus filhos, que vivem com a mãe no Rio de Janeiro.

- Pensar que meus filhos podem ver algo na internet me incomoda muito. Penso que um dia pode chegar um desorientado, na frente dos meus filhos, e dizer ?esse cara aí é um bandido?. Eu não sou bandido! Eu não fiz nada e vou provar. Aprendi desde cedo que temos de lutar pelo que é nosso e não tirar nada de ninguém - acrescentou o jogador do Timão.

A denúncia do Ministério Público Federal veio logo depois de o atacante ser punido por Tite com a saída do time titular por conta de dois atrasos em treinamentos. A explicação do atacante é que ele levou uma ?pedalada? da babá das crianças ? no último fim de semana ele foi ao Rio de Janeiro buscar os filhos para passar uns dias com ele na sua casa em São Paulo.

- Eu aproveitei dois dias (os que atrasou) para ficar com as crianças. Eles moram no Rio de Janeiro com a mãe. Tinha de buscá-los, voltar para São Paulo e ir ao treinamento. Mas fiquei sem babá. Levei uma pedalada da babá nos dois dias. Não tinha como deixar meus filhos sozinhos em casa. Eu passei isso para o Tite e ele, que é um cara família, entendeu perfeitamente. Mas ele deixou bem claro para mim que eu estava saindo do time pelo atraso. Não fui o primeiro. Isso já tinha acontecido anteriormente com outros atletas - explicou Emerson.

Ainda sem repetir o bom futebol que o consagrou no Timão no ano passado, Sheik garante que não perdeu a ambição por títulos. Caso contrário...

- Eu não vejo (o momento) como difícil, mas algumas pessoas, sim. O meu momento não é o mesmo da Libertadores do ano passado, que é a imagem que todo mundo tem. Mas eu ainda tenho fome de títulos.

O dia que não tiver mais isso, eu vou para casa ficar com meus filhos, desfrutar a vida, deixar a concentração. Adoro o que faço e com prazer. A obsessão por títulos continua - finalizou o jogador.

Neste domingo, o Corinthians tem um clássico com o Santos, no estádio do Morumbi, pela décima rodada do Campeonato Paulista. A tendência é que Sheik jogue de titular, já que o técnico estuda poupar jogadores para o duelo com o mexicano Tijuana, pela Libertadores, no meio da semana. O atacante, aliás, fez uma aposta com o santista Neymar para essa partida.

Fonte: GloboEsporte