Após polêmica de ingressos, Corinthians chama São Paulo de elitista e arrogante

Os alvinegros já sabiam que teriam apenas 10% da carga de bilhetes.

O Corinthians voltou a revidar um comunicado da diretoria do São Paulo em relação à polêmica dos ingressos para o clássico de domingo. Só que dessa vez de maneira mais veemente. Tudo porque a direção tricolor anunciou que os alvinegros já sabiam desde sexta-feira que teriam apenas 10% da carga de bilhetes.

- A diretoria de marketing vem batalhando para que prevaleçam os princípios da lógica econômica na sua relação com os outros clubes. Mas estará sempre ao lado da Fiel, repudiando posturas elitistas de dirigentes arrogantes, típicas de times de pequenas torcidas, carentes, talvez, daquilo que abunda no Timão: o apoio irrestrito, a presença maciça da Fiel, em todos os momentos importantes de sua gloriosa história - disse a nota oficial divulgada pelo Corinthians.

A alegação do Timão é que na sexta-feira, quando soube pela imprensa da decisão são-paulina, recebeu um telefonema do marketing do clube do Morumbi. Na conversa, segundo nota alvinegra, o São Paulo informou que a criação de um setor vip, de uma empresa de cartões de crédito, impediria a liberação de mais bilhetes.

De lá para cá, a direção do Corinthians diz ter tentado, com esforço, conseguir o máximo possível de entradas para a Fiel. Mas não foi atendido pelo rival. Fato que desagradou e irritou demasiadamente a cúpula alvinegra.

- Infelizmente, os esforços fracassaram. Ao impor um constrangimento desta dimensão à maior torcida da cidade, o São Paulo rompe com uma tradição consagrada, que tanto contribuía para a beleza das partidas entre as grandes equipes - complementa a nota oficial da tarde desta terça-feira.

Na segunda-feira, o Timão já havia falado a respeito, também por intermédio de nota oficial. Nela, a direção alvinegra disse que temia problemas por conta dessa decisão tricolor, chamou o rival de egoísta e anunciou retaliação, que será mandar os próximos clássicos no Pacaembu, adotando o sistema de ceder 10% da carga.

Fonte: Globo Esporte