Após polêmica, Ecclestone diz que adoraria ver uma mulher na F1

Dirigente foi alvo de críticas por declarações machistas

Dias depois de causar polêmica ao afirmar não acreditar que mulheres tenham “condições físicas” de guiar um Fórmula 1 e que elas “não seriam levadas a sério”, Bernie Ecclestone deu uma entrevista à revista inglesa “Autosport” buscando explicar seu ponto de vista. O chefão da F1 garantiu que torce para que o sexo feminino seja em breve representado no grid da maior categoria do automobilismo mundial:

- Deixa eu ser claro. Eu adoraria ver uma mulher na Fórmula 1. Absolutamente, 100%. Uma vez, fui perguntado “se houvesse um patrocinador que quisesses colocar 100 milhões em uma equipe para ter duas pilotas mulheres, o que eu falaria?”. Eu disse: “Ficaria muito feliz em botava mais 20 milhões para isso acontecer”. Mas as pessoas esquecem de noticiar essas coisas. Graças a Deus eu não ligo para esse tipo de notícia.

Há décadas à frente dos direitos comerciais da Fórmula 1, o dirigente de 85 anos afirma que sempre incentivou a chegada de pilotas à categoria. 

- Eu ofereci mais ajuda do que qualquer um para mulheres na F1, e ainda faço isso. O que todas as outras pessoas fazem é falar e mais nada. Toda mulher que aparece desejando chegar à F1 e tem talento, eu tento e falo com as equipes para dar uma oportunidade.

Nos últimos anos, três mulheres estiveram ao volante de um carro da categoria, mas nenhuma delas chegou a disputar corridas. A escocesa Susie Wolff foi a que mais se aproximou, ao participar de treinos livres com a Williams. A suíça Simona de Silvestro guiou uma Sauber em testes. Já a espanhola María de Villota sofreu um acidente em um teste com a Marussia e acabou morrendo um ano depois em decorrência das lesões.

Wolff foi a sexta mulher a andar de um fim de semana de Grande Prêmio de F1. Duas delas disputaram corridas oficiais: Maria-Teresa de Filippis, a primeira a competir, e Lella Lombardi, a única a pontuar. Outras três, Divina Galica, Desiré Wilson e Giovanna Amati, participaram de treinos classificatórios, mas em uma época em que nem todos do grid se qualificavam para a corrida, não chegaram a conseguir vaga para as provas. 


Ecclestone na Espanha (Crédito: Getty)
Ecclestone na Espanha (Crédito: Getty)


Fonte: Com informações do GloboEsporte.com