Apostas entre jogadores esquentam amistoso entre Brasil e Itália em Londres

Dez jogadores selecionados para o confronto vestem a camisa de algum time italiano

Jogar contra a Itália é novidade para todos os convocados por Dunga para o amistoso da seleção brasileira nesta terça-feira, dia 10, no Emirates Stadium, em Londres. E, para metade da equipe, perder para os italianos pode significar muita dor de cabeça e até prejuízo.

Dez jogadores selecionados para o confronto na capital inglesa vestem a camisa de algum time italiano e enfrentarão companheiros de clube quando entrarem em campo com a camisa do Brasil.

Além da aposta do atacante Robinho, do inglês Manchester City, que prometeu ao zagueiro e capitão da Itália Fabio Cannavaro, seu ex-companheiro no espanhol Real Madrid, marcar um gol, o lateral-direito Maicon tem um compromisso com o também zagueiro Marco Materazzi. Mesmo não tendo sido convocado pelo técnico italiano Marcelo Lippi para o amistoso de Londres, Materazzi desafiou seu colega no Internazionale de Milão:

- Quem perder vai ter que doar cestas básicas para comunidades carentes. Será uma experiência bacana, que eu nunca vivi, de jogar contra o país do clube em que eu defendo, espero que dê tudo certo para a seleção brasileira - disse Maicon.

Apesar de tentar desconversar sobre a rivalidade, o goleiro Julio Cesar, outro brasileiro do Inter, não fez apostas, mas também pensa em como será a volta para casa:

- Mais do que na rivalidade, temos é que pensar em começar bem o ano de 2009 com a seleção brasileira. A Itália é uma seleção muito forte, é a atual campeã do mundo, e uma vitória nos dará uma confiança muito grande. O importante é fazer bem o nosso papel para não ter que ouvir muito quando voltamos para a Itália - disse o goleiro.

Avaliando ter atingido 80% da sua forma, o atacante Adriano, terceiro convocado do Inter de Milão, foi outro a mencionar as provocações com os companheiros italianos de clube:

- Brincamos um com o outro, dizendo que vamos ganhar, mas sabemos que somos muito importantes para a seleção brasileira e eles, para a seleção italiana. Conhecemos a maneira deles de jogar, e tentamos nos aproveitar disso. E, com certeza, queremos voltar para lá com uma vitória porque também é importante para nós. Mas é uma rivalidade saudável, nada demais - explicou.

Fonte: Globo Esporte