Botafogo tira o Palmeiras da Libertadores

A vitória do Cruzeiro por 2 a 1 sobre o Santos rebaixou o Palmeiras para a quinta posição, com os mesmos 62 pontos dos mineiros

A partida reunia duas equipes em situação complicada, dentro de suas realidades. Mas foi o Botafogo que saiu de campo em êxtase com a vitória por 2 a 1, neste domingo, no Engenhão. Não era a comemoração de um título, como poderia acontecer com o Palmeiras, mas a permanência na Primeira Divisão. E, com o resultado, foi o time paulista que deixou o campo vivendo um drama, pois a derrota significou o fim do sonho de uma vaga na Libertadores no ano que vem.

A vitória do Cruzeiro por 2 a 1 sobre o Santos rebaixou o Palmeiras para a quinta posição, com os mesmos 62 pontos dos mineiros, mas uma vitória a menos. Assim, após liderar o Campeonato Brasileiro durante 19 rodadas, o Palmeiras terá de se contentar com a Copa Sul-Americana no ano que vem. Já os botafoguenses, que estiveram na zona da degola por 21 rodadas, terminaram o jogo consagrados como heróis.

Ambiente tenso para os dois times

Como era de se esperar, a partida começou em clima tenso, depois da festa de fogos e fumaça colorida feita pelos torcedores do Botafogo na entrada dos jogadores em campo. Apesar do conforto da arquibancada, o time da casa mostrou uma atitude inicial de extrema desatenção, que o Palmeiras tentou aproveitar chegando com perigo.

Diego Souza teve a primeira boa chance do jogo, cabeceando para fora, e Deyvid Sacconi também assustou num chute que obrigou Jefferson a fazer boa defesa. O Botafogo não conseguia acertar sua marcação e era obrigado a cometer faltas próximas de sua grande área, mas o Palmeiras não conseguia transformá-las em gols.

Enquanto no Engenhão a tensão era grande, o Internacional vencia com folga o Santo André, e o Flamengo empatava com o Grêmio. Os resultados impediam o título do Palmeiras, que parecia sentir a responsabilidade e, aos poucos, foi cedendo espaços para o Botafogo. Foram do Alvinegro, inclusive, as chances mais claras do primeiro tempo. Aos 37 minutos, Lucio Flavio recebeu cruzamento de Jobson e, livre, dentro da pequena área, cabeceou para fora. Aos 45, foi a vez de Reinaldo ficar frente a frente com Marcos e chutar em cima do goleiro.

A essa altura, era evidente a tática do Palmeiras de segurar o jogo e se garantir na Libertadores do ano que vem. Ao se dirigir para o vestiário no intervalo, o goleiro palmeirense Marcos deixou clara a estratégia da equipe no Engenhão:

- Não interessa quem vai ser campeão. Interessa que nós cheguemos numa boa colocação para escaparmos da pré-Libertadores - disse.

Botafogo, enfim, aproveita suas chances

O início do segundo tempo parecia uma repetição do primeiro. O Botafogo começou em câmera lenta, e o Palmeiras com maior domínio da partida. Mas a diferença é que, desta vez, o time da casa conseguiu aproveitar a oportunidade que teve. Lucio Flavio cobrou falta sofrida por Alessandro, e Wellington subiu mais do que a marcação, cabeceou e abriu o placar aos 11 minutos.

Imediatamente, Muricy Ramalho, que havia iniciado a segunda etapa com o volante Sandro Silva no lugar do meia ofensivo Deyvid Sacconi, viu-se obrigado a novamente investir na ofensividade do Palmeiras. Por isso, tirou Edmílson de campo e promoveu a entrada do atacante Robert. Mas, neste momento, era o Botafogo, empurrado por sua torcida, que mais ameaçava.

O resultado não demorou a aparecer. Aos 20 minutos, Renato, na base da trombada, ganhou da marcação dentro da grande área. A defesa do Palmeiras parou e apenas viu o meia tocar com categoria para Jobson, que apareceu em velocidade, tocar no canto direito de Marcos, fazendo 2 a 0 aos 20 minutos.

Já abatido após o primeiro gol do Botafogo, o Palmeiras mostrou-se inofensivo quando o time da casa ampliou o placar. A equipe de Muricy Ramalho, mesmo sem saber que quase no mesmo momento o Cruzeiro vencia o Santos e tirava seu lugar na Libertadores do ano que vem, não conseguia articular jogadas ofensivas, enquanto o Alvinegro se fechava para garantir a vantagem. Cada desarme era comemorado como um gol por jogadores e torcedores botafoguenses.

Alguns torcedores palmeirenses deixaram mais cedo o Engenhão, inconformados com o resultado, e ainda perderam o gol de honra: Robert, dentro da área, chutou no cantinho, aos 46 minutos. O time acordou e ainda ensaiou uma estratégia desesperada de ataque, mas não conseguiu o empate - que lhe daria de volta a vaga na Libertadores. O Botafogo segurou o 2 a 1 no placar e a sua permanência na elite do futebol brasileiro.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com