Apesar de perder para o Botafogo, São Paulo segue líder

Com gol de Jobson aos 44 min do segundo tempo, Alvinegro segue fora da zona de perigo

Uma vitória dramática, que faz jus ao ditado de que algumas coisas somente acontecem com ele. Com um gol de Jobson aos 44 minutos do segundo tempo, o Botafogo se manteve vivo no Campeonato Brasileiro ao vencer por 3 a 2 o São Paulo, neste domingo, no Engenhão. Com o resultado, o time alvinegro permanece fora da zona de rebaixamento, e o São Paulo corre o risco de perder a liderança da competição.

Até os 44 minutos da segunda etapa, o Botafogo estava na zona de rebaixamento, devido à vitória por 3 a 0 do Fluminense sobre o Goiás. No entanto, o gol de Jobson mantém a equipe na 16ª posição, com os mesmos 44 pontos de Coritiba e Atlético-PR, seu próximo adversário, em Curitiba. Já o São Paulo, que permanece com 62 pontos, pode cair para o segundo lugar se o Flamengo vencer o Goiás, ainda neste domingo, no Maracanã. O Tricolor enfrenta o time esmeraldino no Serra Dourada, na próxima rodada.

Sem se importar com a alta temperatura que fazia no Rio de Janeiro, o Botafogo começou a partida imprimindo alta velocidade para cima do São Paulo. Numa disposição que nem de longe lembrava a apática atuação contra o Barueri, o Alvinegro apostava também na troca de passes para desarticular o ferrolho defensivo do adversário.

O São Paulo mal teve tempo de entrar no jogo e logo sofreu o gol. Pouco depois de o técnico Estevam Soares trocar o lado do posicionamento de seus atacantes, Jobson recebeu a bola pelo lado esquerdo, passou por Renato Silva e, da entrada da área, acertou um chute no ângulo esquerdo de Rogério Ceni, que sequer pulou, fazendo 1 a 0 aos 14 minutos.

Mas apesar da paciência e do apoio de sua torcida, pouco vistos ao longo da temporada, o Botafogo mostrou logo uma acomodação com a vantagem adquirida. Ao mesmo tempo que recuou, o São Paulo, diante da necessidade da vitória, avançou sua marcação e passou a tomar conta das ações ofensivas, seja nos contra-ataques ou bolas aéreas.

Nervoso, o Botafogo usava o recurso do chutão para afastar o perigo. Além disso, contava com a demorada reposição de bola das gandulas, que deixaram revoltado o sempre sereno técnico Ricardo Gomes. Enquanto isso, Arouca, Junior Cesar e Jorge Wagner investiam nos avanços pelo lado esquerdo, nas costas de Alessandro.

Foi num contra-ataque que o São Paulo criou sua primeira chance de perigo no primeiro tempo, aos 42 minutos. Depois de uma tentativa errada de corte de Leandro Guerreiro, Marlos avançou desde o seu campo defensivo e arriscou de fora da área, mas Jefferson voou para fazer grande defesa em seu ângulo direito.

O Botafogo, no entanto, teve uma oportunidade ainda mais clara aos 45, deixando de ir para o intervalo com uma vantagem mais confortável. Jobson recebeu passe dentro da área e, frente a frente com Rogério Ceni, chutou de forma bisonha, desperdiçando uma chance muito mais simples do que o gol que marcara no início da partida.


Mas se o Alvinegro se preocupava com o relógio, já pensando no intervalo, o São Paulo insistia no ataque, aproveitando o nervosismo e a insegurança do adversário. E logo depois de Miranda acertar a trave num chute de fora da área, Junior Cesar cruzou pelo lado esquerdo e Washington subiu mais do que Wellington para cabecear e empatar a partida, aos 50 minutos.

O segundo tempo começou com Victor Simões no lugar de Reinaldo, que novamente sentiu a coxa esquerda. Apesar da necessidade da vitória, o Botafogo mostrou displicência, e foi se aproveitando dela que o São Paulo alcançou a virada, aos 11 minutos. Após uma cobrança rápida de lateral, a defesa alvinegra cochilou e Washington recebeu. Ele rolou para Jorge Wagner, que chutou para fazer 2 a 1.

Foi então que o Botafogo acordou e logo igualou o placar. Jobson avançou pela esquerda e venceu a marcação são-paulina usando sua habilidade. Ele tocou para trás e, após confusão na área, a bola sobrou limpa para Renato, que tocou de cabeça para o gol, aos 13 minutos. Os jogadores do São Paulo reclamaram muito, pedindo impedimento, mas o zagueiro Renato Silva dava condição legal para o Alvinegro.

Já com o jogo novamente equilibrado, o Botafogo passou a ter uma vantagem importante aos 25 minutos, quando Richarlyson cometeu falta por trás em Victor Simões e, como já tinha recebido cartão amarelo, foi expulso. A esta altura, todo o Engenhão já sabia da vitória parcial do Fluminense sobre o Sport, que colocava a equipe na zona de rebaixamento. O Alvinegro passou a atuar ainda mais avançado e começou a deixar espaços para o São Paulo, que carimbou uma bola no travessão aos 29 minutos, com Hernanes.

O drama alvinegro parecia maior aos 38 minutos, quando Juninho foi expulso, mas a salvação do Botafogo veio novamente dos pés de Jobson, que recebeu lançamento, após desvio de Victor Simões, limpou um marcador, entrou cara a cara com Rogério Ceni e mandou uma bomba para o gol, aos 44 minutos, garantindo a vitória. Na comemoração, o atacante tirou a camisa e foi expulso, assim como Rodrigo Dantas, por falta violenta em Zé Luis já nos descontos.

Fonte: g1, www.g1.com.br