Campeonato Brasileiro: Corinthians leva um susto, reage e empata por 2 a 2 com o Ceará

Campeonato Brasileiro: Corinthians leva um susto, reage e empata por 2 a 2 com o Ceará

No início do que se esperava ser uma sequência fácil no Campeonato Brasileiro

No início do que se esperava ser uma sequência fácil no Campeonato Brasileiro, tudo o que o Corinthians não teve, neste sábado, foi tranquilidade. Diante do Ceará, no Pacaembu, saiu em desvantagem de dois gols no placar, mas reagiu e acabou deixando a torcida ao menos mais feliz com o empate por 2 a 2. Marcelo Nicácio e Magno Alves fizeram para os visitantes, enquanto os corintianos marcaram com Paulinho e Defederico.

Como o Fluminense empatou com o Grêmio Prudente jogando fora de casa, a diferença entre as duas equipes permanece igual, com o Corinthians em segundo lugar com 49 pontos. O Flu tem 52. Já o Ceará tem 32 pontos e aguarda os demais resultados da rodada 27.

A partida entre corintianos e cearenses teve contornos dramáticos para as duas torcidas. O time da casa esperava uma vitória, se possível por goleada, mas se viu diante de um adversário que soube se fechar na defesa e teve no experiente Magno Alves, na frente, um veneno para a ainda muito exposta retaguarda de Adílson Batista.

Assim, com Magno se aproveitando de espaços e da lentidão de Paulo André em seu combate, surgiram dois gols para o Ceará. No primeiro, ele serviu Marcelo Nicácio, enquanto no segundo fez tudo sozinho. O Corinthians, que pressionava sem ameaçar tanto, buscou a igualdade com dois jogadores reservas: Paulinho, eleito o substituto de Elias, e Defederico, em lance de sorte e esperteza. Tivesse a partida mais 10 minutos, o gol corintiano era provável em uma tarde onde o imprevisível, é verdade, foi quem mais deu as cartas.

O Corinthians volta a jogar na próxima quarta-feira, às 21h50 (de Brasília), contra o Atlético-MG na Arena do Jacaré. No mesmo dia e no mesmo horário, o Ceará recebe o Internacional no Castelão.

Primeiro tempo tenso no Pacaembu

A expectativa de um jogo de ataque contra defesa para Corinthians e Ceará, na prática, se confirmou. E na primeira etapa, no Pacaembu, foi a equipe visitante que se mostrou muito mais competente na proposta de jogo que levou para São Paulo: firme, bem posicionada e sem se permitir qualquer desvio, a representação cearense justificou a condição de um dos melhores sistemas defensivos do Campeonato Brasileiro.

O Corinthians, por sua vez, não teve, nos 45 minutos iniciais, o mesmo envolvimento ofensivo que tem caracterizado a equipe desde a chegada de Adílson Batista. O treinador resolveu adiantar Paulinho como substituto de Elias, suspenso, e posicionou Edu como volante. Na zaga, ainda preservou William, mantendo Thiago Heleno e Paulo André como dupla de defesa.

O resultado das alterações foi um Corinthians entregue à marcação na frente, sem penetração dos volantes e capaz de grandes emoções na defesa. Após começar a partida em ritmo lento, a equipe de Adílson esboçava criar chances: Jorge Henrique passou a Bruno César, que teve a chance de concluir, mas bateu nas mãos de Michel Alves.

Os corintianos se animavam em campo, mas o público do Pacaembu viu mesmo é a equipe do Ceará abrir o placar. Em contragolpe, o time visitante pegou a defesa do Corinthians escancarada. Roberto Carlos bateu falta no ataque e deixou dois zagueiros para marcar dois atacantes. Rápido e inteligente, Magno Alves driblou Paulo André e passou a Marcelo Nicácio, que tocou por baixo de Julio Cesar e inaugurou o marcador aos 16min.

O gol do Ceará trouxe intranquilidade ao ambiente que parecia propício para vitória do Corinthians, que só trocava passes, sem sucesso, para fugir da marcação rival. O único bom momento veio aos 33min, quando Edu clareou lindo passe para Iarley. O atacante, porém, bateu fraco e facilitou a vida de Michel Alves.

Segundo tempo com curvas dramáticas

Atrás da virada na etapa final, Adílson Batista fez o óbvio e trocou Edu por Danilo, que foi jogar aberto à esquerda do ataque. A alteração serviu para abrir espaços na defesa do Ceará, com Bruno César mais à direita e apenas Iarley centralizado. Aos poucos, o Corinthians foi criando oportunidades.

Antes dos 15min, já havia tido boa chance com Iarley, que escorregou na hora da conclusão, com Thiago Heleno, de cabeça após escanteio, e com Jucilei, que invadiu a área, passou por vários marcadores e bateu para fora.

Quando o Corinthians parecia se aproximar do empate, um novo balde de água fria passou pelo Pacaembu. Mais uma vez de aproveitando da defesa aberta, Magno Alves apareceu às costas de Alessandro, driblou Paulo André e chutou no canto, sem chances para Julio Cesar aos 20min.

A reação corintiana foi instantânea. Logo depois de Adílson trocar Alessandro por Defederico e ouvir alguns gritos de burro, Bruno César passou por um marcador e tocou para Paulinho, que apareceu livre no meio da defesa, passou por Michel Alves e trouxe esperança ao time da casa.

O Corinthians seguiu em cima do Ceará atrás do empate e mesmo pressionando o adversário, encontrava poucas oportunidades de gols. Um lance de sorte, porém, trouxe alegria à torcida da casa. Em falta da direita, Defederico cobrou, a bola passou por todos, inclusive o goleiro Michel Alves, e morreu na rede aos 37min.

Fonte: Terra, www.terra.com.br