Com carrasco em alta, o México quer ser "a rocha" no caminho do Brasil

Com carrasco em alta, o México quer ser "a rocha" no caminho do Brasil

Peralta e outros jogadores do México estavam na final das Olimpíadas de Londres em 2012. Técnico diz que não será apenas pedra no sapato,mas uma rocha

No dia 11 de agosto de 2012, uma cena chamou atenção: Neymar com a cabeça enterrada na grama do estádio de Wembley, em Londres. Era o fim do sonho. O inédito ouro olímpico ganhou tom prata com gosto de decepção. Minutos antes, o México vencera a seleção de Mano Menezes por 2 a 1, com direito a gol aos 29 segundos. Os mexicanos - repetidas vezes até hoje - evocam aquele jogo com orgulho.

E cinco atuais titulares da equipe de Felipão estavam presentes na ocasião: Thiago Silva, Marcelo, Oscar, Hulk (reserva que entrou na vaga de Alex Sandro na final) e ele, Neymar, já astro daquela equipe. O atacante Oribe Peralta ? titular da atual seleção que marcou na estreia diante de Camarões ? fez os dois gols do triunfo. E, se depender do técnico Miguel Herrera, a sua seleção será mais do que uma pedra no caminho brasileiro.

O carrasco olímpico chega para enfrentar o Brasil em alta. Titular que deixou Chicharito no banco de reservas, Oribe Peralta foi o herói da vitória por 1 a 0 sobre Camarões, na estreia da Copa, quando teve boa atuação. Já são nove gols em sete jogos oficiais pela Tri. Peralta é chamado de ?el hermoso? (belo), pela imprensa mexicana;

- É possível vencer, como já aconteceu em outras ocasiões ? disse o jogador Hector Herrera depois da vitória sobre Camarões. Ele estava no grupo olímpico de 2012.

Dos 23 convocados do México para a Copa, nove estiveram em campo na final de 2012: o goleiro Corona (hoje Ochoa é o titular), Salcido, Miguel Ponce, Diego Reyes, Hector Hererra, Fabian, Raul Jimenez, Peralta e Aquino. Giovani dos Santos, lesionado, não enfrentou o Brasil.

- Fico triste de ter perdido aquele jogo. Era uma medalha de ouro que o Brasil nunca conquistou e perdemos na final. Sabemos que o México é muito bom. Sempre trouxe dificuldades para a Seleção e não será diferente no próximo jogo. Espero que a nossa Seleção nas próximas Olimpíadas conquiste o ouro ? lembrou Oscar, titular em 2012 e no momento também.

A rocha no sapato também de Felipão

Em fevereiro, durante seminário da Fifa realizado com a presença dos treinadores de todas as 32 seleções que participam da Copa do Mundo, em Florianópolis, o técnico Miguel Herrera trocou um dedo de prosa com Felipão, fez foto, postou na rede social e, ao retornar ao México, declarou a imprensa local:

- Conversamos com o Felipão e ele nos fez o comentário de que somos uma pedra no sapato do Brasil. Procuraremos não ser uma pedrinha, mas uma rocha.

Em 2001, Felipão estava no comando da seleção brasileira quando sofreu uma derrota para o México na Copa América: 1 a 0 na fase de grupos, quando também perdeu para Honduras (2 a 0). Depois, quando comandava Portugal, venceu por 2 a 0. Mas o treinador brasileiro sempre demonstrou extremo respeito ao rival.

Mesmo que não tenha sido na mesma moeda dourada, o troco veio no ano passado, quando o Brasil venceu o México por 2 a 0 na Copa das Confederações. Neymar e Jô fizeram os gols, com Felipão já no banco. As duas seleções se enfrentam às 16h de terça-feira, no Castelão, em Fortaleza.


Com carrasco em alta, México quer ser a rocha no caminho do Brasil

Com a prata no peito, Oscar, Neymar e Hulk exibem semblantes desolados após a derrota para o México (Foto: Getty Images)

Fonte: Globo Esporte