Com show coletivo, e não só de Messi, Barcelona vence o Real e assume a ponta

Com show coletivo, e não só de Messi, Barcelona vence o Real e assume a ponta

Além de assegurar os vitais três pontos, o Barça conseguiu um feito inédito na história

Com um show coletivo, e não apenas de Messi, o Barcelona levou a melhor no clássico diante do Real Madrid. Claro, o argentino teve participação fundamental, abrindo o placar na vitória de 2 a 0 no duelo válido pela 31ª rodada do Espanhol. No entanto, Xavi, que deu duas lindas assistências, Pedro e Valdés também colaboraram bastante. Com o resultado, o clube catalão chegou aos 80 pontos, tomou a liderança do torneio que pertencia ao arquirrival (que estacionou nos 77) e ficou muito próximo de conquistar o bicampeonato nacional.

Além de assegurar os vitais três pontos, o Barça conseguiu um feito inédito na história: encaixou dois triunfos seguidos sobre o Real em pleno estádio Santiago Bernabéu. Na temporada passada, vencera por 6 a 2. Além disso, acabou com uma série de 12 triunfos consecutivos do Real e com a invencibilidade merengue em casa na competição.



Já Messi, com o gol marcado neste sábado, chegou aos 27 tentos e segue artilheiro absoluto do Espanhol. O detalhe é que, sozinho, o hermano balançou as redes mais vezes que Cristiano Ronaldo e Kaká juntos. A dupla do Real, que custou mais de ? 160 milhões, anotou 25. Outro detalhe é que, desde que Messi se profissionalizou (temporada 2003/3004), o Barça venceu quatro vezes na casa do Real em seis duelos realizados.

Guardiola surpreenda na escalação

Sem Ibrahimovic, machucado, o técnico Pep Guardiola surpreendeu a todos e deixou o tradicional esquema 4-3-3 e colocou o time no 4-4-2, deslocando Daniel Alves para a meia (mas encostando nos atacantes Messi e Pedro) e deixando o veterano francês Henry no banco. Puyol deixou a zaga e foi improvisado na lateral direita.



Com essa formação menos ofensiva, quem chegou primeiro foi o Real Madrid. Atuando no meio de campo, Marcelo deu um drible da vaca em Busquets e cruzou rasteiro para área. Milito se antecipou e cortou para escanteio.

O Real, que não contou com o brasileiro Kaká (ele se recupera de uma lesão muscular) seguiu ditando o ritmo, marcando no campo de defesa adversário e com bastante afinco. No entanto, os merengues não conseguiam arrematar a gol, mas pelo menos arrancavam aplausos da torcida com belas jogadas, como uma caneta de Cristiano Ronaldo em Busquets.

Pênalti não marcado a favor do Barça

No entanto, na primeira investida do Barça, Messi mostrou seu cartão de visitas aos 12 minutos. O argentino recebeu passe pela ponta direita, entrou na área e, ao driblar Albiol, foi derrubado pelo defensor espanhol. O árbitro Mejuto González, longe do lance, ignorou e mandou o jogo seguir.

A jogada assustou o Real, que deixou de marcar sob pressão e passou a dar espaços ao rival que deu o primeiro chute na partida com Daniel Alves em cobrança de falta. A bola, no entanto, parou longe, nas arquibancadas. Aos 22, veio o primeiro tiro do Real com o volante Xabi Alonso.

Se criavam poucas oportunidades de gol, Real e Barça faziam um jogo extremamente disputado e, em alguns momentos, violento. Tanto que, com 30 minutos, quatro cartões amarelos já haviam sido distribuídos .



Golaço de Messi

E no meio da acirrada peleja, o talento do Barça acabou falando mais alto aos 32. Messi tocou para Xavi que devolveu de maneira espetacular. O argentino dominou no peito, tirou Albiol e, com o pé direito - que não é o bom -, tocou na saída de Casillas. Gol do Barcelona e silêncio no Bernabéu. Ou quase. Os pouco mais de 1.000 torcedores culés que foram ao estádio festejavam como loucos no anel superior.

Com a desvantagem no placar, o Real partiu em busca do empate, que quase chegou aos 37 minutos. Após jogada ensaiada, Xabi Alonso, sozinho na pequena área, cabeceou por cima do gol.

Apesar do marcador desfavorável, o técnico Manuel Pellegrini manteve a mesma equipe que iniciou a partida no segundo tempo. O Real, sem o mesmo ímpeto da etapa inicial, tentava encurralar o Barça que, com um ótimo toque de bola, saía para o jogo sem problemas.

Xavi, o garçom

Cristiano Ronaldo, parecendo sentir dores na perna esquerda, não produzia muito e o restante da equipe sentia a falta de uma referência no ataque.

Sem ter nada com isso, o Barcelona chegou ao segundo gol sem dificuldades. Xavi, mais uma vez, deu passe perfeito para Pedro. A revelação catalã ganhou de Arbeloa e, de chapa, bateu no canto direito de Casillas aos dez minutos.

O revés não abalou tanto o Real Madrid, que criou ótimas chances de diminuir o marcador. Mas Valdés, em dia inspirado, mostrou segurança fazendo grandes defesas. Numa delas, salvou um gol certo de Van der Vaart.

Com o passar o tempo, os anfitriões diminuíram o ritmo e ainda escaparam de uma goleada. Messi, em duas oportunidades, teve a chance de ampliar - em ambas após passes de Xavi. Casilla, titular da seleção da Espanha, salvou a pátria do Real que amargou sua quarta derrota no Espanhol.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com