Parabéns, Corinthians! Time completa 100 anos

Parabéns, Corinthians! Time completa 100 anos

Nesta quarta-feira, a segunda maior torcida do Brasil comemora o centenário alvinegro. Falta apenas o título do Brasileirão para coroar

Chegou a hora de dizer: parabéns, Corinthians! Nesta quarta-feira, 1º de setembro de 2010, o segundo clube mais popular do Brasil completa 100 anos. Ao lado daquela nação que chamam de Fiel, o Timão conquistou muitas glórias e deu ao país histórias lindas de paixão e amor à camisa alvinegra. Até porque, no time do povo, o lema é nunca abandonar. E esse bando de loucos jamais fez isso. O que eles pedem sempre é apenas para não parar. E isso nunca aconteceu.

Tudo começou em 1º de setembro de 1910 sob a luz de um lampião, na esquina das ruas Cônego Martins e dos Imigrantes (atual José Paulino). Lá, cinco jovens apaixonados por futebol tiveram a ideia de fundar um clube que fosse do povo, opondo-se às elites vigentes na época. Os operários Joaquim Ambrósio e Antônio Pereira, pintores de parede, Rafael Perrone, sapateiro, Anselmo Correia, motorista, e Carlos Silva, trabalhador braçal, foram os primeiros "loucos do bando".

Além deles, os irmãos Miguel e Salvador Battaglia participaram do início. Miguel foi eleito o primeiro presidente, enquanto Salvador cedeu sua barbearia para as primeiras reuniões da nova agremiação. O nome foi inspirado nos ingleses do Corinthian-Casuals, que passaram pelo país na época.

Idolatria alvinegra

Ao longo de sua história centenária, o Corinthians colecionou ídolos de todos os estilos. Atualmente, os principais são os galácticos Ronaldo e Roberto Carlos. Mas já teve o polêmico Marcelinho Carioca, o raçudo Tevez, o politizado Sócrates, entre outros. Mas para o jornalista e historiador do Timão, Celso Unzelte, a lista é outra.

Sócrates e Marcelinho estão na lista dos dez maiores ídolos para ele. Mas Tevez, Ronaldo e Roberto Carlos não. Completam o time do jornalista Neco, Luizinho, Baltazar, Cláudio, Rivellino, Teleco, Basílio e Neto. Outros muitos jogadores passaram com destaque pelo Timão, mas às vezes o fato de jogar no rival interfere. A maioria dos ídolos vem das categorias de base, que hoje possuem boa estrutura para os jovens jogadores, candidatos a craques.

Aqui tem um bando de loucos...

Jogar fora ou em casa nunca fez muita diferença para o Corinthians. Seja no Pacaembu, Morumbi ou Maracanã, a torcida sempre esteve presente, até mesmo em momentos pouco favoráveis, como as derrotas na Libertadores e a queda para a Série B. As glórias, porém, evidenciaram ainda mais toda a paixão que os alvinegros carregam pelo time.

Exemplos não faltam. Em 1976, estima-se que cerca de 50 mil corintianos participaram da ?invasão? do Maracanã, contra o Fluminense, pelas semifinais do Campeonato Brasileiro. De carro, ônibus ou avião, a Fiel transformou o Rio de Janeiro em um reduto paulista, coroado com a (claro!) sofrida classificação nos pênaltis.

Um ano depois, mais de 138 mil pessoas abarrotaram o Morumbi durante as finais do Paulistão, contra a Ponte Preta, vendo o fim do jejum de 23 anos sem títulos. Recentemente, a Fiel não abandonou a equipe no momento mais complicado de sua história: o rebaixamento. Durante todo o ano de 2008, a torcida mostrou sua força ao andar por todo o país ao lado do time, ajudando a reconduzi-lo à elite.

O local da fundação é lembrado por um marco, uma espécie de obelisco, que passa quase sem ser notado por quem passa pelo bairro. Com uma marcante identidade nacional, o Timão logo fez frente aos grandes Paulistano, Germânia e São Paulo Athletic. O time do povo já marcou território nos seus primeiros anos de vida.

E a centésima conquista?

Faltaram apenas três títulos para o Corinthians completar 100 anos com 100 conquistas. De 1910 até agora, o clube do Parque São Jorge levantou 97 taças, contando campeonatos nacionais, internacionais, estaduais e outros torneios. De qualquer maneira, o currículo alvinegro faz inveja a muitos clubes.

O primeiro torneio conquistado pelo Timão foi o Campeonato Paulista de 1914 e o último a Copa do Brasil de 2009. Nesse intervalo muita coisa aconteceu. Quatro brasileiros, 26 estaduais, um Mundial... Mas também um amargo jejum de 23 anos sem soltar o tão prazeroso grito de ?é campeão, é campeão, é campeão?.

A longa fila, porém, virou até tema de filme. Na verdade, o que foi às telas de cinema foi a maneira como o Timão conquistou o Paulista de 1977, acabando com o jejum. Foi no estádio do Morumbi, em duelo com a Ponte Preta, e com um gol de Basílio, até hoje idolatrado pelos corintianos.

Torcer, porém, não foi o único papel da torcida. Criada em 1969, a Gaviões da Fiel procurou participar ativamente da política do clube. Apesar de alguns problemas relacionados à violência fora dos gramados, a torcida teve papel determinante na transformação iniciada no clube em 2007. Na ocasião, o grupo encabeçou um movimento que culminou na renúncia do presidente Alberto Dualib, num dos capítulos mais simbólicos da política corintiana, que já teve nomes como Vicente Matheus.

Sonho mais perto da realidade

Mais do que simplesmente completar 100 anos, o Corinthians ganhou motivos de sobra para comemorar com o anúncio da construção do estádio do clube, em Itaquera, Zona Leste de São Paulo. Durante anos, dirigentes e torcedores foram motivos das mais variadas piadas sobre o tema. Entre os rivais Santos, São Paulo e Palmeiras, o Timão era o único que ainda não possuía sua casa própria.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com