The Ultimate Fighter: Sarafian nocauteia Serginho com joelhada voadora e vai à final

The Ultimate Fighter: Sarafian nocauteia Serginho com joelhada voadora e vai à final

Na presença de Ganso e Marcos, Belfort vence disputa de pênaltis contra Wanderlei.

Com uma sensacional joelhada voadora, Daniel Sarafian, do time verde, nocauteou no primeiro round Serginho Moraes, do time azul, e carimbou a primeira vaga na final peso-médio do The Ultimate Fighter Brasil - Em busca de Campeões, que será disputada no UFC 147, no dia 23 de junho, no Mineirinho, em Belo Horizonte (veja o golpe no vídeo ao lado). O nocaute deste domingo foi o primeiro dentro da casa, que desde a formação das equipes só havia visto vitórias por finalização, decisão dos jurados ou desistência. Sarafian agora aguarda a segunda semifinal da categoria, entre Cezar Mutante e Thiago Bodão, para conhecer seu adversário na decisão.

Além do movimentado combate, o episódio contou também com o "Desafio dos Técnicos", e o time verde conquistou mais uma vitória. Com as presenças ilustres do ex-goleiro Marcos e do meia Paulo Henrique Ganso, Vitor Belfort derrotou Wanderlei Silva por 7 a 5 em uma divertida disputa de pênaltis. E uma brincadeira que começou com o intuito de forjar uma briga na frente de Belfort acabou em confusão entre Gasparzinho e Rodrigo Damm, que trocaram empurrões.

O episódio: "boleiros" do MMA

O clima tenso das lutas deu lugar a momentos de descontração no episódio deste domingo. Em vez de muito suor, trabalho e treino, os participantes largaram o octógono e seguiram o presidente do UFC, Dana White, até um campo de futebol. Lá, Vitor Belfort e Wanderlei Silva disputariam o "Desafio dos Técnicos". Cada um teria direito a dez chutes a gol na marca do pênalti. No fim, o vencedor seria aquele que tivesse convertido mais cobranças. O prêmio era animador: R$ 45 mil para o treinador vencedor, e R$ 2 mil para cada integrante da equipe vencedora.

- É a minha parte favorita da competição. É o dia em que os lutadores podem relaxar, e toda a pressão fica em cima dos treinadores. Em todas as edições anteriores do The Ultimate Fighter o desafio foi a parte mais divertida.

Antes do início do duelo, White anunciou a participação de duas estrelas do futebol brasileiro: o ex-goleiro Marcos, que marcou época no Palmeiras, e o meia Paulo Henrique Ganso, do Santos. Eles tiveram alguns minutos para trabalhar a técnica tanto nos chutes quanto embaixo das traves.

- Quando eu vi o Wanderlei dando o primeiro chute na bola, já fiquei meio preocupado. Ele não sabia chutar - brincou Wagner Galeto.

Enquanto dava dicas para o "Cachorro Louco", Marcos também brincou ao comparar o futebol ao MMA:

- A gente que é profissional do negócio vê diferente, mas os caras são do MMA, né? O que eles fizerem está bem feito. O que eles fizerem já está bom demais (risos).

Com Marcos de árbitro, Vitor, que já jogou futebol nas categorias de base do CFZ, começou chutando e perdeu. Mas Wanderlei também perdeu na sequência. A disputa permaneceu empatada até a sétima cobrança de ambos, quando Wand chutou no travessão, e Vitor abriu 5 a 4. No nono tiro a gol, o treinador do time azul fez a defesa, mas desperdiçou em seguida a chance do empate. Na última cobrança, Vitor precisava marcar para garantir a vitória. E foi o que aconteceu, fechando o placar em 7 a 5, para a comemoração do time verde. Gasparzinho, como sempre mais exaltado, até levantou e carregou no ombro a ring girl Brittney Palmer pelo campo.

- Deus sabe o que faz. De repente o cara está precisando mais de dinheiro do que eu. Então, foi até bom ter ido para ele. Eu não fiquei triste. Que faça bom proveito - ironizou Wanderlei Silva.

Encarada feroz na pesagem

Brincadeiras à parte, era hora de voltar as atenções para o mundo deles. E a luta da vez era a primeira semifinal da divisão peso-médio do programa, entre Daniel Sarafian, do time verde, e Serginho Moraes, ex-time verde e agora do time azul. Os lutadores treinaram de olho na disputa e fecharam a boca para bater o limite de peso da categoria (84,4kg).

- O Serginho Moraes é um atleta com excelência no jiu-jítsu. Se for para o chão, já era. De um jeito ou de outro ele vai pegar - opinou Marcos Vina.

Apesar de garantir que sempre tem muita vontade de vencer, Serginho revelou que sente medo antes de qualquer luta:

- Eu sou um dos caras que mais têm medo de lutar. Sempre tenho medo de enfrentar qualquer adversário. Mas é aquele medo positivo, que me deixa esperto com chute, com soco, com queda. É um medo bom para mim.

Muito confiante, Sarafian falou sobre a principal característica de Serginho:

- Eu não penso que ele é melhor do que eu no jiu-jítsu. Penso que não vou deixar que ele imprima o jogo que quer. Estou batalhando, então não vou entregar, não vou vender barato. Para ganhar de mim vai ter que vir fervendo, porque vai ser guerra. Eu vou onde sou forte e é o defeito do Serginho. Vou ficar na trocação com ele.

Na pesagem oficial, Serginho foi o primeiro a subir na balança e marcou 84,2kg. Sarafian, por sua vez, pesou os mesmos 84,2kg. Na hora da encarada, a amizade entre os dois ficou de lado e deu lugar a uma troca de olhares raivosa. Tanto que Vitor Belfort precisou entrar em ação para afastá-los, antes de um aperto de mão cordial.

No dia da luta, o time verde recebeu a visita do peso-meio-médio do UFC Demian Maia, que é parceiro de treinos e mentor de Daniel Sarafian fora da casa. Wanderlei, que dois episódios atrás havia recebido a visita exclusiva de Anderson Silva no time azul, reclamou com bom humor:

- A visita do Demian aqui na casa foi muito boa, é um grande amigo nosso, mas na hora que o vi com a camisa verde eu falei: "Ô, Demian?!". Aí ele falou: "Pô, professor, é que o Sarafian é meu aluno". E eu falei: "Ah, então está bom".

Demian aproveitou para elogiar as qualidades do pupilo e amigo:

- O Daniel faz sparring comigo e é duríssimo. Ele poderia fazer bem sparring com qualquer lutador do UFC, de igual para igual. Estar no UFC é o sonho da vida dele. Acho que rapidamente ele vai estar em uma situação bastante privilegiada dentro do evento.

Minutos antes do esperado combate, os lutadores caminharam para o octógono de maneiras bem distintas. Enquanto Serginho aparentava timidez e andava de cabeça baixa, Sarafian exalou confiança e entrou empolgado. No entanto, já cercados pela grade, Serginho mudou o tom e provocou o adversário, chamando-o para a briga fazendo sinal com as mãos. Foi então que Dana White entrou no octógono e avisou que a luta seria de três rounds.

Fonte: GloboEsporte.com