De azul, Palmeiras abre série decisiva contra Inter

Para assegurar sua permanência na ponta da tabela, o time faz às 18h30 (de Brasília) deste sábado, no Palestra Itália, contra o Internacional

 Contra Grêmio, Atlético-MG, Botafogo e Coritiba, equipes que hoje não ameaçam sua liderança, o Palmeiras acumulou sua pior sequência no Campeonato Brasileiro.

Para assegurar sua permanência na ponta da tabela, o time faz às 18h30 (de Brasília) deste sábado, no Palestra Itália, contra o Internacional, o primeiro de dois jogos contra concorrentes diretos pelo primeiro lugar. E já começa apostando no passado. Na partida válida pela 21ª rodada, o Palmeira atuará de azul, cor de seu recém-lançado terceiro uniforme e que tem a ver com a seleção italiana, do país dos fundadores do clube.

O presidente Luiz Gonzaga Belluzzo exaltou a história palestrina para dar força à equipe também diante do São Paulo, atuais vice-líderes e adversários do próximo dia 30, no Morumbi. Antes do clássico, no entanto, os comandados de Muricy Ramalho encaram os gaúchos, que ocupam a quarta colocação e podem ficar na primeira posição. Apesar de estar a quatro pontos da liderança, o time colorado tem dois jogos a menos e, mesmo se empatar em São Paulo, segue com chances de ultrapassar os rivais deste fim de semana.

Por isso, é uma "final". "Pelas circunstâncias, vai ser o jogo do ano. Só podemos pensar em vencer. Somamos poucos pontos nas últimas rodadas e sabemos que uma vitória sobre o Inter nos colocaria novamente em uma boa condição. Temos que entrar em campo num ritmo alucinante. O Palestra precisa estar "incendiado", como se fosse uma decisão", pediu Diego Souza. A preocupação é não perder mais pontos para o Inter, que venceu por 2 a 0 no primeiro turno, no Beira-Rio. "Agora não tem mais volta.

Se perdermos do Inter, não tem mais como tirar pontos deles. Por isso neste segundo turno todo jogo é uma final, vai ser mais um jogo da vida para nós. É a chance de abrir três pontos de distância na liderança", lembrou o goleiro Bruno. A intenção dos donos da casa é evitar novas vaias e, diferentemente dos empates contra Grêmio e Botafogo, conseguir impor seu jogo. Para isso, porém, terá de lidar com novos desfalques. Na zaga, Mauricio Ramos está suspenso pelo terceiro amarelo.

Como Marcão também cumpre gancho por ter sido expulso na derrota por 1 a 0 para o Coritiba, Maurício, de 20 anos e que não joga desde 28 de fevereiro, atua ao lado de Danilo. O setor defensivo ainda terá outra importante ausência. Pierre, principal marcador do elenco, foi outro que recebeu o cartão vermelho no Paraná.

A solução deve ser a entrada de Edmilson, já recuperado de contratura muscular, provavelmente ao lado de Souza. A dúvida é se Sandro Silva completa o setor ou se Muricy opta por um atacante ao lado de Obina. As boas notícias são que Marcos, fora do último jogo por entorse no tornozelo, provavelmente volta na vaga de Bruno, e Diego Souza retorna ao time, no ataque ou no meio. Reforços valorizados em um confronto definido como "mini-decisão" pelo treinador, crente de que uma vitória diante dos gaúchos pode até garantir o título brasileiro futuramente.

"Vai ser uma pedreira, mas temos condições de jogar de igual para igual com qualquer um. Temos lutado e batalhado. No sábado, será um confronto direto, não vamos abaixar a cabeça. Sem dúvida, a gente vai dar a volta por cima. O que tinha que errar já erramos. Vamos fazer de tudo para não largar essas primeiras posições. Está nas nossas mãos", recomendou Diego Souza. Já derrota para o Corinthians no Beira-Rio, na quarta-feira, não estava na rota colorada. Segundo o vice de futebol Fernando Carvalho "teremos que cobrar de alguém essa derrota". Na lista de vítimas, a número 1 é o Palmeiras. Para o Inter, suplantar o Verdão vai além do que encurtar a diferença sobre o rival para um ponto, passando a ficar o time mais próximo da liderança e com possibilidades reais de assumi-la quando recuperar os confrontos atrasados.

Com dois jogos a menos em relação ao adversário deste sábado, os três pontos colorados servirão como injeção de ânimo e pode desestabilizar o rival na briga pelo título. Essa será só a primeiras das decisões que a equipe terá até o fim do campeonato caso queira gritar "é campeão", em dezembro. "É um grande time. É um grande jogo. É um jogo que se disputa Libertadores e, até mesmo, o título do Brasileiro.A gente espera repetir as boas atuações. Esse jogo tem um caráter ainda mais decisivo", opinou o meia Giuliano. Tite terá os retornos de Kléber na lateral esquerda e Taison no ataque.

Além dos desfalques que se tornaram habituais, como D"Alessandro e Magrão, o treinador não poderá contar com os zagueiros Índio, lesionado, e Bolívar, suspenso. Nessas condições, a zaga será formada por Danny Morais e Sorondo. A estratégia do Inter é trazer a "turma do amendoim" para o seu lado. Os colorados querem pressionar o Palmeiras a ponto de que os erros aumentem e deixe a torcida impaciente.

Fonte: Terra, www.terra.com.br