De luto, Timão vence Palmeiras por 1 a 0 e acalma a crise

De luto, Timão vence Palmeiras por 1 a 0 e acalma a crise

A última vitória palmeirense sobre o time do Parque São Jorge aconteceu no primeiro turno do Brasileirão

Vivendo um período mais do que conturbado após a eliminação na Pré-Libertadores para o Tolima, da Colômbia - com protestos violentos de torcedores durante os últimos treinos da equipe - o Corinthians buscou forças neste domingo para acabar com uma série de cinco vitórias seguidas do líder Palmeiras no Campeonato Paulista. Com um gol do lateral Alessandro aos 37min do segundo tempo, o time alvinegro derrotou o rival por 1 a 0 no clássico disputado no Pacaembu e ampliou um tabu para cima do clube do Palestra Itália.

A última vitória palmeirense sobre o time do Parque São Jorge aconteceu no primeiro turno do Campeonato Brasileiro de 2009, por 3 a 0, com três gols de Obina. Desde então, empate por 2 a 2 no returno, vitória alvinegra no Paulista de 2010, empate no primeiro turno do Brasileiro do mesmo ano e novo triunfo por 1 a 0, gol de Bruno César, no segundo turno.

Neste domingo, porém, Bruno César assistiu a toda a partida do banco de reservas. A revelação do Brasileiro do ano passado foi preterida pelo técnico Tite, que optou pelas entradas de Marcelo Oliveira, Willian e Morais durante o confronto. Ronaldo, Roberto Carlos e Dentinho não jogaram por conta de problemas físicos.

Já o Palmeiras, que dominou a primeira etapa mas parou em grande atuação do goleiro Júlio César, não conseguiu a mesma intensidade após o intervalo e sofreu o gol nos minutos finais. Nos acréscimos, a equipe quase conquistou o empate em lance incrível à queima-roupa dentro da área.

Com o resultado, o time de Luiz Felipe Scolari se mantém com 16 pontos ganhos, ainda na liderança do Paulista, um ponto à frente do Santos. O Corinthians, por sua vez, soma sua segunda vitória na competição, vai a nove pontos (com dois jogos a menos) e segura, por enquanto, o questionado Tite no cargo.

O jogo

Os jogadores do Corinthians pareciam evitar olhar para as arquibancadas do Pacaembu quando entraram em campo. No setor destinado aos palmeirenses, havia uma bandeira da Colômbia, em homenagem ao Tolima, e até um mosaico para ironizar a queda na Pré-Libertadores, com a inscrição: "ha ha ha". Entre os corintianos, alguns ainda estavam revoltados pela queda precoce no torneio continental.

A ordem do técnico Tite, à beira do gramado, era para o time tentar deixar os problemas fora do Pacaembu - por mais que os gritos da torcida do Palmeiras fizessem questão de lembrar o rival da crise. Com faixas pretas nos braços, em luto pela morte de William Morais (emprestado ao América-MG, o jovem jogador foi assassinado em Belo Horizonte), o time visitante formou uma roda em campo para também cobrar atenção exclusiva ao clássico.

Logo aos 2min, o Palmeiras mostrou que o Corinthians realmente precisava estar focado. O atacante Kleber ajeitou a bola para o meio-campista Tinga, que chutou forte. Um dos poucos atletas poupados da ira dos corintianos, o goleiro Júlio César fez bela defesa e pediu para a sua equipe reagir.

O meio de campo corintiano atendeu ao apelo. O volante Jucilei apareceu livre de marcação dentro da área do Palmeiras aos 5min, mas chutou em cima do goleiro Marcos, ovacionado por sua torcida por causa da intervenção. A partir de então, as duas equipes passaram a se alternar no ataque.

O Palmeiras foi mais incisivo em suas investidas. Aos 24min, por exemplo, Kleber desviou para trás uma cobrança de falta de Marcos Assunção e quase abriu o placar. A oportunidade do zagueiro Maurício Ramos, completando 100 jogos pelo clube neste final de semana, foi ainda melhor: ele ficou à frente do gol, sem goleiro, e inacreditavelmente bateu para fora.

A pressão do Palmeiras aumentou o nervosismo dos jogadores do Corinthians. O lateral direito Alessandro não se conteve e discutiu com Luan e Kleber, em meio a palavrões, porém não foi advertido com o cartão amarelo.

Nos minutos finais do primeiro tempo, o Palmeiras ficou ainda mais ofensivo. Kleber, aos 46min, obrigou o goleiro Júlio César a fazer uma defesa com os pés. O goleiro ainda espalmou uma cobrança de falta do sempre perigoso Marcos Assunção em seguida. Assim que o árbitro encerrou a etapa inicial, ele se ajoelhou no gramado e ergueu as mãos aos céus, agradecendo por não ter sido vazado.

O intervalo despertou os protestos dos torcedores do Corinthians, que haviam dado uma trégua ao time até então. Enquanto Tite e seus comandados reclamavam do árbitro, o público fazia ameaças e pedia a saída do presidente Andrés Sanchez. Quem deixou o campo no segundo tempo foi o lateral esquerdo Fábio Santos (mais uma vez, nulo no ataque e na defesa), substituído por Marcelo Oliveira.

Palmeiras e Corinthians diminuíram o ritmo no início da etapa final. Em seu 300º jogo pelo time que levou ao título da Libertadores em 1999, Luiz Felipe Scolari entrou em ação e colocou Patrik e Adriano nos lugares de Dinei e Tinga. Tite também não esperou muito para mexer em seu ataque, com o recém-contratado Willian na vaga do inoperante Edno.

O clássico ficou mais movimentado depois das alterações. Enquanto o Corinthians apostava nas jogadas de bola parada, o Palmeiras tentava chegar ao gol através da velocidade. Mas nenhum dos times criou uma grande chance para marcar.

Tite deu a sua última cartada com Morais no lugar de Ramírez - neste instante, o ex-titular Bruno César se irritou no banco de reservas e acenou negativamente com a cabeça. Coincidentemente, contudo, o Corinthians conseguiu abrir o marcador logo depois da mudança.

Aos 37min, Alessandro tabelou com Morais, invadiu a área do Palmeiras e concluiu na saída de Marcos. Nos acréscimos, Júlio César ainda operou um milagre dentro da área para sacramentar a vitória corintiana.

FICHA TÉCNICA

Palmeiras 0 x 1 Corinthians

Gol

Corinthians: Alessandro, aos 37min do 2º tempo

Palmeiras

Marcos; Cicinho, Maurício Ramos, Thiago Heleno e Rivaldo (Max Santos); Márcio Araújo e Marcos Assunção; Tinga (Adriano), Kleber e Luan; Dinei (Patrik). Técnico: Luiz Felipe Scolari

Corinthians

Júlio César; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos (Marcelo Oliveira); Ralf e Jucilei; Danilo, Ramírez (Morais) e Jorge Henrique; Edno (Willian). Técnico: Tite

Cartões amarelos

Palmeiras: Tinga, Patrik e Luan

Corinthians: Leandro Castán

Árbitro

Antonio Rogério Batista do Prado

Local

Estádio do Pacaembu, São Paulo (SP)

Com informações de Gazeta Esportiva

Fonte: Terra, www.terra.com.br