Brasil e Equador ficam no empate

O Brasil não costuma dar sorte quando joga no Equador

O Brasil sofreu com os avanços do Equador e com a altitude dos 2850m de Quito, palco do jogo deste domingo, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010, abriu o placar com um gol de Júlio Baptista, que tinha acabado de entrar em campo, mas cedeu no fim o empate por 1 a 1 aos donos da casa. Na partida, os brasileiros sofreram um "bombardeio" da equipe adversária e, não fossem as defesas do goleiro Júlio César e o gol do meia-atacante da Roma, certamente o time verde e amarelo conheceria sua segunda derrota.

O Brasil não costuma dar sorte quando joga no Equador. A última vitória verde e amarela em solo equatoriano havia sido durante a Copa América de 1983, quando Roberto Dinamite marcou o único gol do confronto diante dos donos da casa.

Durante a semana, os jogadores do Brasil garantiram que o assunto altitude seria esquecido no duelo. O time brasileiro, porém, se esqueceu de jogar futebol, já que pouco criou no ataque e ainda foi dominado pela ofensividade do Equador, autor de 33 chutes a gol (contra 10 dos visitantes) e dono de 58% da posse de bola na partida.

O time da casa, embalado pela euforia da torcida - que gritava "si, se puede" (algo como "sim, é possível") a cada chance desperdiçada pelos jogadores equatorianos -, partiu para cima do Brasil e criou boas chances para abrir o placar, mas errou os arremates e, quando acertou, viu o goleiro Júlio César, da Inter de Milão, brilhar.

Na melhor chance equatoriana da etapa inicial, nem Júlio César conseguiu parar o chute de Valencia, e sim o travessão defendido pelo arqueiro brasileiro. Aos 21min, o meio-campista do time da casa pegou uma sobra da entrada da área e chutou forte, mas não abriu o placar.

O segundo tempo seguiu da mesma forma, com o Brasil recuado no campo de defesa e o Equador atacando o time verde e amarelo. Mais chances foram criadas, Júlio César brilhou como na primeira etapa e o Brasil optou por se recuar.

Aos 25min, Dunga tirou Ronaldinho para colocar Júlio Baptista e o ex-são-paulino quase decidiu o confronto. No minuto seguinte, o jogador recebeu passe de Robinho na área e, em seu primeiro lance, chutou forte. A bola bateu na trave, nas costas de Cevallos e foi para a rede do Equador.

A vantagem do Brasil, porém, acabou aos 44min do segundo tempo, quando Mendez fez uma bonita jogada individual, passou por dois marcadores e cruzou rasteiro. Benítez deu um leve desvio e Júlio César espalmou para o meio, mas Noboa ficou com o rebote e completou.

Na próxima quarta-feira, o Brasil voltará a campo pelas Eliminatórias para enfrentar a seleção do Peru, às 22h10 (de Brasília), no Beira-Rio, em Porto Alegre. O Equador, por sua vez, jogará outra vez diante de sua torcida, contra o líder Paraguai, também nesta quarta, às 18h20.

Gols

Equador: Noboa, aos 44min do 2º tempo

Brasil: Júlio Baptista, aos 26min do 2º tempo

Polêmicas

- Declarações antes da partida do técnico do Equador, Sixto Vizuete, minimizando o poder do time comandado por Dunga.

- Ausência de Kaká, que não se recuperou a tempo de enfrentar o Equador e ficou no Brasil para tratar de uma lesão no tornozelo.

Deslizes da arbitragem

- Falta não marcada pelo árbitro do zagueiro brasileiro Lúcio, no primeiro tempo, da entrada da área.

Ponto Forte do Equador

Saída de bola, troca de passes no campo de ataque e arremates à distância

Ponto Forte do Brasil

Defesas do goleiro Júlio César e "estrela" de Júlio Baptista

Ponto Fraco do Equador

Falta de pontaria dos atacantes

Ponto Fraco do Brasil

Falta de criatividade do meio-campo e pouco poder ofensivo

Personagem do jogo

Júlio César

Destaque negativo do jogo

Contusão do lateral-direito Maicon, ainda no primeiro tempo, que pode tirá-lo da partida desta quarta-feira, contra o Peru

Comentários sobre o jogo

"Eles (equatorianos) tiveram um pouco mais de posse de bola que a gente", do meia Elano, sobre o domínio do adversário do Brasil no primeiro tempo do confronto.

Esquema Tático Equador

4-4-2

Cevallos; Reasco, Ivan Hurtado, Espinoza e Ayovi; Castillo, Mendez, Guerrón (Noboa) e Valencia; Benitez e Caicedo (Palacios). Técnico: Sixto Vizuete

Esquema Tático Brasil

4-4-2

Júlio César, Maicon (Daniel Alves), Luisão, Lúcio e Marcelo; Gilberto Silva, Elano (Josué), Felipe Melo e Ronaldinho (Júlio Baptista); Robinho e Luís Fabiano. Técnico: Dunga

Cartões Amarelos

Equador: Ayovi

Brasil: Daniel Alves, Marcelo, Gilberto Silva e Elano

Árbitro

Carlos Chandia (CHI)

Fonte: Terra, www.terra.com.br