Ex-time do goleiro Bruno, 100% tenta recomeçar e ainda ouve: "Assassinos"

Após prisão, jogadores da equipe patrocinada pelo goleiro são chamados de "assassinos". Amigos do ex-camisa 1 tentam recomeço em Minas

Criado há 18 anos, o 100% Futebol Clube teve uma fonte de inspiração para escolher as cores do seu uniforme: o verde representava a esperança; o branco, a paz. Apadrinhado pelo goleiro Bruno - chamado de ?paizão? pelos jogadores - e tendo Luiz Henrique Romão, o Macarrão, como presidente e goleiro, o time do bairro da Liberdade, em Ribeirão das Neves, Minas Gerais, sucumbiu desde a prisão da dupla, em julho de 2010, envolvida na morte de Eliza Samudio. A época de ?vacas gordas?, quando o ex-camisa 1 do Flamengo patrocinava a equipe, com direito a festas e regalias, ficou no passado. Chegou a hora de passar por apuros e ouvir provocações das torcidas adversárias, incluindo gritos de ?assassinos?, encarar debandada de atletas, falta de dinheiro e o rótulo de ?maldição de Eliza Samudio?.


Ex-time do goleiro Bruno, 100% tenta recomeçar e ainda ouve:

Acabou a paz. Restou o verde da esperança por dias melhores.

- Fomos chamados de time de assassinos. Antes do que aconteceu, éramos os mais requisitados para jogar a Copa Vagalume, campeonato amador mais disputado da região. Depois da prisão do Bruno e do Luiz Henrique, logo no jogo de estreia, levamos o primeiro gol, e o pessoal começou a gritar que era a maldição da Eliza Samudio, por isso o time estava desse jeito. O psicológico da galera foi lá embaixo, desmotivou. Depois, falaram que nosso uniforme era de presidiário, pois era listrado. Fomos à Liga de Ribeirão das Neves para regularizar algumas coisas e vimos a diferença. Maltrataram a gente, não aparecia arbitragem em jogo nosso. Diziam que éramos time de arruaça. Sujaram a nossa imagem. Então, montamos um elenco totalmente diferente ? afirmou Roberto da Silva, jogador, organizador e amigo de Macarrão, cria do bairro onde nasceu o 100%.

Time que já teve Bruno e Love agora luta pelo recomeço em campo de terra batida chamado de La Bambonera. Um dos fundadores da equipe, Ratinho abriu um salão (Fotos: Janir Júnior e arquivo)

Dos campos de terra batida, alguns jogadores foram parar no banco dos réus, casos de Elenilson Vitor da Silva (caseiro do sítio de Bruno em Esmeraldas, também na região metropolitana da capital mineira) e Wemerson Marques de Souza, conhecido como Coxinha, amigo e motorista do goleiro, além de diretor do 100% FC. A dupla aguarda julgamento em liberdade. Eles respondem pelo sequestro e cárcere privado de Bruninho, filho do jogador com Eliza Samudio. Os dois afirmam que desconheciam o plano para execução. Ambos abandonaram o time e só aparecem no bairro da Liberdade esporadicamente.

O 100% desmoronou, foi para o chão. Tínhamos jogadores de qualidade, e todos foram embora. Todo mundo no bairro queria ter uma camisa do 100%. Isso acabou"

Ratinho

Fabiano Moreira, o Ratinho, era tratado como o ?menino de ouro? por Bruno. Um dos fundadores e hoje presidente do 100% FC, ele teve que depor quando o assassinato veio à tona. Agiu como testemunha de defesa e não teve problemas com a Justiça. Dublê de atacante e lateral-esquerdo, ele lembra o baque no time apadrinhado pelo goleiro quando o jogador foi preso.

- O 100% desmoronou, foi para o chão. Tínhamos jogadores de qualidade, e todos foram embora. Todo mundo no bairro queria ter uma camisa do 100%. Isso acabou. Íamos ao shopping com a camisa e ficavam olhando para a gente. Tentamos recomeçar do zero. Mas sempre tinha a piadinha de que era o time do Bruno ? recordou Ratinho.

Macarrão: presidente, goleiro e o elo com Bruno

O time do 100% começou com peladas nas ruas do bairro Liberdade, onde nasceu Macarrão. No início, sobrevivia à base de ?vaquinhas? e premiações com Ki-Suco. Depois de campeonatos de futsal, começaram a chegar jogadores, e o time foi para o campo. O nome foi ideia de Maka e Ratinho.

- Já que somos unidos para caramba, uma família, vamos colocar o nome de 100% - sugeriu Macarrão, fazendo referência ao grupo de pagode 100% Amizade.

Ratinho lembra os primeiros momentos de sucesso do time e a vocação de Macarrão para ser goleiro, mesma posição que tornaria Bruno um ídolo do Flamengo:

- Começamos a disputar campeonatos, nossos jogos lotavam. O Luiz Henrique (Macarrão) sempre foi apaixonado por futebol. Era um grande goleiro, pegava pênalti, todo mundo conhece a fama dele. Batizamos o time e fizemos o primeiro uniforme do 100%, com emblema.

Começamos a jogar, ficamos conhecidos e fomos campeões por quatro anos seguidos.

O time começou na Terceira Divisão da liga amadora de Ribeirão das Neves, subiu para Segunda e, a partir de 2005, ganhou Bruno como padrinho. Ou ?paizão?, como é chamado até hoje.

- Macarrão disse: ?vou apresentar o Bruno?. E ele começou a nos ajudar ? recordou Ratinho.

Bruno, então, foi até o bairro da Liberdade para fazer sua estreia como atacante do 100%, formando dupla com Ratinho no campo de terra apelidado de La Bombonera. Titular absoluto do gol do Rubro-Negro, o goleiro amargou uma nova realidade. Mas simpatizou logo de cara.

- Ele (Bruno) veio participar de um jogo aqui e o Macarrão disse: ?Esse é meu time de coração, são meus amigos?. Bruno achou bacana e quis jogar. Mas foi para o banco. Ele era profissional lá (no Flamengo), aqui, não. A gente brincava. Ele ficou no banco, entrou na linha, meteu gol e disse: ?Gostei do time?. Fizemos uma diretoria, o presidente era o Macarrão e inscrevemos o time na Liga. Conseguimos. Aí começou o negócio de time do Bruno, paizão tá aí, famosão, joga no Flamengo ? lembrou Ratinho.

No 100%, Bruno era atacante e usava a camisa 18.

"Patrocínio" de Bruno: festas e futebol na favela depois da morte de Eliza

Bruno começou a ajudar com uniformes, mais de 50 bolas usadas pelo Flamengo na Libertadores, tonéis de Gatorade, chuteiras, remédios para recuperação de lesões, pagamento de viagens para o Rio de Janeiro e ?bichos?. E também com festas e churrascos que abriram o apetite dos que sonhavam se tornar jogadores de futebol.

Maltrataram a gente, não aparecia arbitragem em jogo nosso. Diziam que éramos time de arruaça. Sujaram a nossa imagem"

Roberto da Silva

- Sempre teve resenha, churrasco, com ou sem o Bruno. Lógico que com o Bruno a situação favoreceu mais. Nós tínhamos mais carne moída, depois era picanha (risos). Bruno dava força. Todo mundo queria comer a bola para conseguir um lugarzinho em algum time do interior. Chegou muito cara bom de bola, não sei se ganhavam algum dinheiro do Bruno ? disse Ratinho, que não recebia salários, apenas ?bichos?.

Em setembro de 2009, Bruno conseguiu um amistoso do 100% contra o Santa Cruz. Hospedou os jogadores e amigos no seu apartamento na Barra, reservou um quiosque na praia para os companheiros, levou o time a restaurantes badalados e, na véspera da partida, chegou a dar instruções:

- Nada de álcool.

O empate por 2 a 2, depois de o 100% estar perdendo por 2 a 0, deixou Bruno satisfeito.

No Rio, o goleiro acompanhava a evolução do 100% a distância. Comemorava as vitórias e participava das preleções dando palavras de incentivo pelo telefone.

- Antes de entrarmos em campo, passavam o rádio para ele, que dava duas, três palavras e sempre falava com a gente: ?Família é tudo?. Ele passava coisas positivas - destacou Roberto Silva.

A segunda viagem reservava mais momentos de euforia para os integrantes do 100%. Mas também de perigo e com um final infeliz que ninguém poderia prever. O jogo, dessa vez, aconteceu no bairro carioca de Santa Cruz. Ratinho lembra ter passado por uma favela na Zona Oeste do Rio com presença de traficantes armados. Vagner Love atuou no ataque ao lado de Bruno.

- Bruno alugou um ônibus. Passamos na casa dele. Ele ligou para o Vagner Love, deu parabéns e disse: ?Estou com meus meninos, vou levá-los na sua festa?. Chegamos na casa do Love. Era um sonho se tornando realidade. Abraçávamos o Macarrão. Tinha até palco do baile da Furacão 2000. No dia seguinte, fomos jogar, nesse lugar já foi mais complicado. Passamos nos becos e os caras com aqueles fuzis, andando de motona sem capacete, molecão de arma na cintura. Tomamos uma porretada e perdemos. Bruno bateu muita foto.

Na ocasião, o goleiro não escondeu sua alegria com a pelada, acompanhada por centenas de pessoas:

- Isso nos dá muita força. Não tem preço. Essas pessoas só nos conhecem pela televisão e faço de coração. Não custa nada. Acho que isso mostra o comportamento de um ídolo de verdade. Esse contato é fundamental para eles.

No depoimento dado em seu julgamento no início deste mês, Bruno contou que foi a três festas e participou de uma partida de futebol com o time 100% nos dias seguintes à morte de Eliza Samudio. O goleiro revelou que na noite do crime viajou para o Rio de Janeiro e que, no dia seguinte, foi a uma festa de Vagner Love e também a outro evento, em Angra dos Reis. Dois dias depois do assassinato, ele participou do jogo da equipe de Ribeirão das Neves e também de mais uma festa com os jogadores, em uma casa alugada.

A viagem para Angra relatada por Bruno também contou com a presença do 100% e aconteceu na casa de Fernanda Gomes de Castro. Ex-namorada do jogador, ela teve seu nome envolvido no caso Eliza Samudio, sendo acusada de participação no sequestro e cárcere privado da vítima e de Bruninho. Fernanda chegou a ficar quatro meses presa.

- Chegamos em Angra, na casa da Fernanda, parecia um sonho. O Bruno dizia: ?Pode ficar à vontade?. Fizemos passeio de lancha, curtimos muito. A família 100% parabenizou o Bruno, que tinha sido campeão brasileiro (no ano anterior), e agradecemos pela força que nos dava. Ele se emocionou muito e disse que ajudava os moleques a se divertir, brincar e rir. E completou: ?Faço não é por interesse, fui moleque e estive onde vocês estão. Ano que vem, o 100% não estará no Rio, não. Nós vamos para a Itália? ? recordou Ratinho.

À época, Bruno encaminhava uma possível negociação com Milan.

Assassinato vem à tona e bomba atinge 100%

Poucos dias depois do retorno do 100% do Rio para Belo Horizonte, o nome de Bruno foi envolvido no sumiço de Eliza Samudio. Posteriormente, o de Macarrão.

- Aí é a parte triste da história. Viemos embora e apareceu a notícia. Os fortes ficaram, os fracos foram embora, pois só queriam a época das vacas gordas do 100%. É como uma partida de futebol: tem que estar pronto para ganhar e perder. Eu pensei: não sei o que aconteceu com meus amigos, não posso julgar, só Deus. Independentemente da situação, vão ser meus amigos para o resto da vida ? recordou Ratinho.

Roberto Silva completa:

- Tomamos muito murro na cara.

Elenilson, ex-caseiro de Bruno, e Wemerson Marques de Souza, conhecido como Coxinha, deixaram o time.

O 100%, agora, luta por patrocínios que possam reerguer o time. Uma quantia que seja para pagar o ?bicho? dos jogos já ajuda. As negociações começaram.

Aos 29 anos, Ratinho lembra os momentos proporcionados por Bruno. Festas e mais festas no sítio em Esmeralda, apontado pela polícia como local do cárcere privado de Eliza.

O sonho de ser jogador profissional foi deixado de lado, mas Ratinho continua à frente do 100%, disputa jogos amistosos e tem um salão de corte de cabelos pintado com salmos evangélicos e paredes verde e branca, cores do time de coração. E da paz e esperança.

Vamos sempre ser uma família. Levantamos a cabeça, estamos nos reerguendo. Eles (Bruno e Macarrão) sempre vão estar na família 100%"

Ratinho

Apesar da condenação de Bruno (22 anos e três meses) e Macarrão (15 anos) pela participação na morte de Eliza Samudio, o amigo do goleiro diz:

- Vamos sempre ser uma família. Levantamos a cabeça, estamos nos reerguendo. Eles sempre vão estar na família 100%. Não sei o destino deles depois disso tudo, mas serão sempre meus amigões.

E, mesmo sem Bruno, a ?vaquinha? tem deixado a carne moída de lado e garantido o churrasco de qualidade do 100% depois das partidas.

- Diziam: ?Agora, acabou a mamata, né??. Mas o 100% é uma família. Churrasco para nós é tradição. Comemos picanha, sim.

Fonte: GloboEsporte