Com seis rodadas do fim do Brasileiro, Timão teme fantasma de 2010

Com seis rodadas do fim do Brasileiro, Timão teme fantasma de 2010

Liedson, um dos mais experientes do elenco, endossou o discurso de que faltou calma no primeiro tempo

Restam seis rodadas para o término do Campeonato Brasileiro e o Corinthians depende só de si para conquistar o pentacampeonato. A liderança voltou ao Parque São Jorge no último domingo, depois da sofrida vitória por 2 a 1 sobre o Avaí e do empate do Vasco com o São Paulo por 0 a 0.

Os corintianos lutam agora contra suas próprias fraquezas. Uma deles é o trauma de 2010, quando a equipe alvinegra deixou o título escapar na reta final devido a tropeços contra times da parte de baixo da tabela. A outra é, segundo análise de Tite, a imaturidade de parte do elenco.

O treinador usou o terma ?fantasminha? para se referir ao que ocorreu no ano passado (empates com os rebaixados Vitória e Goiás nas últimas rodadas, sob o seu comando).

?O fantasminha será até o final do campeonato. Temos de conviver com ele, dizer ?oi, tudo bem?. É o convívio do resultado, do enfretamento, do jogo. Ter maturidade de administrar isso?, comentou o técnico gaúcho.

Após a virada sobre o vice-lanterna Avaí, o Corinthians tem pela frente o laterna América-MG, além dos ameaçados Atlético-PR, Ceará e Atlético-MG. O duelo com o Figueirense (que sonha com uma vaga na Libertadores) e o clássico com o Palmeiras (em crise) encerram a participação alvinegra no certame.

Tite atribuiu o nervosismo apresentado pelo time no primeiro tempo contra o Avaí à ansiedade de alguns atletas, que buscam o primeiro grande título na carreira. O próprio treinador se insere neste cenário.

?Alguns jogadores têm uma sede danada pelo título, uma vontade de afirmação muito grande. É o técnico, que já ganhou Sul-Americana, Copa do Brasil, mas não tem um titulo do brasileiro. É o Julio Cesar, o Welder, o Castan, Ralf, Paulinho, Willian, outros jogadores com essa busca, e o emocional pesa?, opinou, citando os mais jovens, que não têm conquistas de peso no currículo.

Liedson, um dos mais experientes do elenco, endossou o discurso de que faltou calma no primeiro tempo.

"Começamos o jogos muito acelerados. Tem horas que você precisa cadenciar, não entrar no oba-oba da torcida. A gente estava querendo fazer as coisas muito rápido, errando bastantes passes de poucos metros?, analisou o camisa 9, autor do gol da vitória.

"Foi apenas um pequeno passo, faltam seis jogos ainda, a caminhada é longa, mas tudo indica que vai acabar com final feliz. Espero que a gente tenha tranquilidade e não sofra tanto quanto nós sofremos hoje [domingo], ter mais concentração, principalmente no início dos jogos, e conseguir bons resultados. A liderança sem dúvida nos deixa mais otimistas", completou o veterano de 33 anos.

Fonte: uol.com