Favela africana faz coro para ver Brasil jogar

Será a primeira oportunidade para a África do Sul mostrar que está pronta para a Copa do Mundo

Conhecida como ?cidade das flores?, Bloemfontein também poderia ser chamada de ?cidade partida?, título do livro de Zuenir Ventura sobre as desigualdades sociais no Rio de Janeiro. O local da estreia do Brasil na Copa das Confederações, nesta segunda-feira, contra o Egito, exibe pobreza, mas também há riqueza. E um forte esquema de segurança para proteger os mais abastados.

Após visitar a favela de Sejake, localizada ao redor do estádio que recebeu os treinos da seleção de Dunga, o GLOBOESPORTE.COM passou pelo bairro Waverley, considerado o reduto principal de advogados, médicos e políticos na cidade. Mansões e muros altos com cercas elétricas tomam conta do cenário. Em todas as casas, uma mesma placa: ?Resposta armada?.

O mercado de firmas de segurança está em expansão na África do Sul. Segundo levantamento recente, 4 milhões de armas são autorizadas no país e há mais mortes por tiros do que por acidentes de trânsito. Cerca de 150 arrombamentos são denunciados por mês. As empresas oferecem guardas armados e a garantia de atendimento imediato caso o alarme da casa seja disparado. Em Waverley, a maioria é branca. Mas também há negros.

- Há cinco ou seis anos eram raros os negros nesse bairro ? lembrou a sul-africana Izete, loira, residente em Waverley.

Izete estima que 50% da população de Bloemfontein é de classe média. O bairro ao redor do estádio Free State, que sediará a estreia do Brasil, é assim. Há pessoas (a maioria negra) pedindo esmolas pelas ruas, mas as casas são confortáveis, existem dois shoppings e várias ?guesthouses? (hospedagem estilo pousada). Pelo menos 30% seriam de pobres, como os meninos de Sejake que sonham ser Robinho. E apenas 20% de ricos.

Com o fim do apartheid, a política que separava oficialmente os brancos das outras etnias na África do Sul, em 1990, os negros passaram a ter acesso a bons empregos e salários. Atualmente, ocupam posição de destaque em várias empresas e no governo. Mas ainda é raro ver descendentes de europeus nas favelas.

Poucas ruas depois de Waverley, há um bairro de classe média baixa. Lembra um pouco partes da Zona Norte carioca. Casas antigas, famílias nas calçadas, crianças nas ruas. Não há placas de segurança. Ou melhor, segurança armada: ?Cuidado, resposta canina?, dizia uma delas, com a foto de um cachorro bravo.

A Copa das Confederações será a primeira oportunidade para a África do Sul mostrar que está pronta para a Copa do Mundo. A questão da segurança é uma das que mais preocupam a Fifa. Nos últimos dias, o policiamento foi reforçado perto do estádio Free State, local dos jogos em Bloemfontein. Os ingressos para a partida do Brasil variam de R$ 17,50 a R$ 180. Preços acessíveis para os ricos de Waverley e até para a criançada de Sejake. Mas a prioridade das famílias pobres é outra: sobreviver

Fonte: g1, www.g1.com.br