Fifa aprova o uso de bolas com chip: será testado no Mundial

Fifa aprova o uso de bolas com chip: será testado no Mundial

Reunião nesta quinta decreta que tecnologia poderá ser usada para acabar com lances duvidosos

A tecnologia, enfim, será implementada no futebol. Em reunião realizada nesta quinta-feira, na sede da Fifa, em Zurique, na Suíça, os membros da International Board aprovaram por unanimidade o uso do chip nas bolas para confirmação dos gols. O dispositivo emitirá um alerta instantâneo aos árbitros assim que a bola ultrapassar a linha do gol e será testado pela primeira vez em uma competição oficial no Mundial de Clubes da Fifa, que será realizado no Japão, em dezembro, com participação do Corinthians, campeão da Libertadores. Se aprovado, será usado na Copa das Confederações de 2013 e Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

A decisão do uso do chip em bolas não torna a ação obrigatória e as confederações nacionais estão livres para colocarem em prática ou não a nova regra. Durante o encontro em Zurique, outras decisões foram tomadas. Entre elas, a manutenção dos árbitros auxiliares atrás das traves e a aprovação do uso de véus em jogos de futebol feminino. Cada um dos estádios do Mundial, em Yokohama e Toyota, terá um dos sistemas das duas empresas aprovadas para os testes.

- No que se refere à Copa das Confederações e à Copa do Mundo, vamos assumir os custos e deixar os sistemas nos estádios do Brasil depois. Ou seja, já terão as tecnologias instaladas. Os custos na atualidade oscilam entre US$ 150 mil e US$ 250 mil por sistema instalado. Antigamente, uma TV de plasma custava ? 10 mil e hoje é possível achar por ? 500. Com o tempo o valor reduzirá. Mas repito, não é obrigatório - disse o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke.

As duas empresas têm a licença da Fifa para implementação da tecnologia por 12 meses. Se neste período a Board se convencer de que não funciona ou não deu certo, a decisão pode mudar. Assim como outras fabricantes - como as sete reprovadas - aprimorarem o projeto, podem receber a mesma licença.

A decisão muito tem a ver com a pressão dos ingleses pelo uso do dispositivo após o gol não assinalado de Frank Lampard nas oitavas de final da Copa do Mundo de 2010, na derrota por 4 a 1 diante da Alemanha. O lance foi o preponderante para que os testes da tecnologia recomeçassem e culminassem com o anúncio desta quinta. Ao todo, nove empresas participaram das provas, com duas delas sendo aprovadas. Cinco membros da International Board participaram da decisão, sendo quatro representantes do Reino Unido (Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte) e um da Fifa (que tem voto peso 4).

- O chip não toma a decisão pelo árbitro, ele ajuda o árbitro em um caso de ele não ver toda situação. É importante entender que o árbitro tem a decisão final - disse Stewart Regan, secretário-geral da Federação Escocesa de Futebol.

Principais motivadores da novidade, os ingleses têm uma relação peculiar com esse tipo de jogada: dúvida se a bola cruzou a linha do gol ou não. Inclusive, sendo protagonistas (desta vez como ?beneficiados?) da maior polêmica da história: quando Geoff Hurst marcou, aos 11 minutos da prorrogação, o terceiro gol na vitória por 4 x 2, também contra os alemães, na final da Copa do Mundo de 1966. Até hoje paira a dúvida se a bola cruzou ou não a linha em Wembley após tocar no travessão. A baliza, por sinal, está exposta no museu do estádio como um troféu para os inventores do futebol.

Mais recentemente, os ingleses também foram beneficiados com a não marcação de um gol da Ucrânia, em partida pela fase de grupos da Eurocopa. As câmeras de televisão mostraram que John Terry tirou já dentro do gol o chute de Konoplyanka na vitória por 1 a 0 que levou o English Team às oitavas.

Como se não bastassem os casos envolvendo a equipe nacional, duas partidas na última temporada também tiveram a mesma polêmica na terra da rainha: o QPR reclamou um gol não validado na derrota por 2 a 1 para o Bolton, na Premier League; o Liverpool viu o empate com o Chelsea na final da Copa da Inglaterra parar em defesa de Petr Cech em lance duvidoso, e os próprios ?Blues? tiveram validado um gol polêmico de Juan Mata na semifinal da mesma competição, diante do Tottenham.

Muitos jornalistas ingleses participaram da coletiva e questionaram sobre a possibilidade da implementação imediata na Premier League. Segundo a Fifa, todas as Federações estão livres para utilizarem a tecnologia, mas, pelo tempo necessário para instalação em todos os estádios da competição, a tendência é que isso só aconteça a partir do meio da temporada, no início de 2013.

A aprovação do uso da tecnologia no futebol agradou o presidente da Fifa, Joseph Blatter. Nos últimos meses, o dirigente vinha defendendo a idéia de que a bola com chip fosse usada já na Copa das Confederações, que será realizada em junho de 2013, no Brasil. Reticente à ideia do uso da tecnologia, o presidente da Uefa, o francês Michel Platini, não esteve no encontro em Zurique.

Em comunicado, a Fifa explicou como os árbitros devem proceder com a tecnologia. Veja abaixo.

O árbitro tem a obrigação de usar a tecnologia?

A International Football Association Board (IFAB) definiu o papel do árbitro, nas Leis do Jogo, afirmando que ele pode utilizar a tecnologia desde que esteja convencido de seu funcionamento, o que deve ser constatado por meio de testes apropriados a serem realizados antes da partida. Porém, o árbitro pode desconsiderar informações fornecidas para o seu relógio durante uma partida se tiver certeza que o relógio não está funcionando apropriadamente.

Como um árbitro pode averiguar o funcionamento da tecnologia?

O árbitro e seus auxiliares são obrigados a checar o funcionamento da tecnologia antes de sua utilização, por meio de testes específicos. Se o resultado dos testes não corresponder às expectativas do árbitro, ele poderá optar por não utilizar a tecnologia. A decisão deve ser tomada o mais tardar 60 minutos antes do pontapé inicial. O organizador da competição deve ser informado adequadamente após a partida.

Como o árbitro recebe as informações?

Se a bola cruzar a linha, a tecnologia na linha do gol enviará automaticamente, dentro de um segundo, as informações ao árbitro e seus auxiliares. A mensagem é então exibida no relógio do árbitro e de seus auxiliares.

A tecnologia também será utilizada em outra situações de jogo?

A IFAB declarou que a tecnologia na linha do gol só pode ser utilizada para determinar se um gol foi marcado e para exibir essa informação. A tecnologia na linha do gol aplica-se somente à linha do gol e serve exclusivamente para determinar se um gol foi marcado ou não.

Que é a regra da associação para a utilização da tecnologia na linha do gol?

É recomendado que os árbitros recebam o treinamento adequado sobre a tecnologia, de modo que saibam como funciona antes de a utilizarem pela primeira vez durante um jogo. Um processo automático de feedback também deve ser definido para que o organizador da competição receba, após a partida, informações sobre o desempenho da tecnologia.

Fonte: Globo Esporte