Fla deve, não nega, mas só paga R10 quando conseguir patrocínio

Vice de finanças conversa com Assis sobre atrasados do camisa 10, mas quitação não tem prazo definido

Primeiro, a notificação; depois, o acordo verbal para evitar desgaste. Agora, a espera pelo dinheiro ainda sem data certa para cair na conta. Na tarde desta sexta-feira, o vice-presidente de finanças do Flamengo, Michel Levy, conversou com Assis, irmão e empresário de Ronaldinho Gaúcho. Na pauta, a dívida do clube com o jogador, cerca de R$ 2,25 milhões ? isso sem contar o mês de março, que venceu na quarta-feira e tem previsão de ser quitado nos próximos dias. O dirigente rubro-negro garantiu a Assis que a quantia será depositada quando o clube conseguir um patrocinador, seja master ou para o ombro. Mas, caso isso demore a acontecer, uma nova solução terá que ser pensada.

- Tive uma conversa com o Assis. Está tudo sob controle. Existe a dívida? Existe. Assim que fecharmos um patrocínio será pago. Chegamos a um acordo, equacionamos verbalmente. Existe a conversa de que temos dificuldade. Lógico que se não acontecer (patrocinador), não é ?ad eternum? (para todo o sempre), mas, por enquanto, essa é a condição ? afirmou Michel Levy.

Assis chegou a notificar o clube com um documento sem remeter às questões judiciais. Ainda assim, existe uma divergência. No salário de Ronaldinho, R$ 750 mil são pagos como direitos de imagem.

Além de parte dos salários, um dos pontos cobrados por Assis foi justamente o 13º salário sobre os direitos de imagem. Mas, de acordo com artigo da Lei Pelé, direito de imagem é de natureza civil, e não trabalhista. Sendo assim, o Rubro-Negro não se vê obrigado a pagar o 13º de R$ 750 mil, mas não polemiza.

- Não entro em questão judicial. Não existe quebra de contrato, tudo foi conversado. Os R$ 2,25 milhões incluem esses R$ 750 mil ? completou Levy.

Meses sem patrocinador master

Um dos grandes complicadores para as finanças do clube é justamente a ausência do patrocinador master. O Flamengo, que esperava fechar acordo entre R$ 20 e R$ 25 milhões por ano, está entrando no quinto mês sem uma empresa disposta a pagar para estampar sua marca na camisa rubro-negra. O espaço do ombro também está à disposição.

O clube tinha praticamente tudo acertado com a Hyundai, que chegaria ao clube por intermédio da 9ine, empresa de Ronaldo Fenômeno. Mas, com o valor que a 9ine embolsaria com a negociação e outros honorários, sobrariam R$ 15 milhões para o clube, valor considerado insatisfatório.

Apesar das demoradas negociações, nos bastidores da Gávea a expectativa é de acerto com uma nova empresa em breve.


Fla deve, não nega, mas só paga R10 quando conseguir patrocínio

Fonte: GloboEsporte.com