Flamengo perde jogador para o Bota e critica agente

O reforço vai assinar contrato de cinco anos de duração e foi confirmado oficialmente.

A diretoria do Flamengo não recebeu bem a informação de que o zagueiro João Filipe, ex-Figueirense, vai jogar pelo Botafogo a partir de 2011. O jogador, de 22 anos, também era pretendido pelo Rubro-Negro, mas o rival venceu a concorrência com uma proposta superior. O reforço vai assinar contrato de cinco anos de duração e foi confirmado oficialmente.

Em nota publicada no site oficial, o departamento de futebol do Flamengo repudiou o desfecho da negociação e classificou o empresário do jogador, Eduardo Uram, como ?persona non grata no clube?.

"O Departamento de Futebol do Clube de Regatas do Flamengo esclarece que tinha um acordo verbal com o Sr. José Carlos Brunoro, representante do Grupo Sendas, para aquisição de um percentual dos direitos econômicos sobre os direitos federativos do atleta João Filipe.

Devido à informação de um acerto entre o atleta e outro clube, através de interferência direta de Eduardo Uram, o Flamengo entende que a postura adotada neste episódio torna o empresário persona non grata no clube."

Uram tomou conhecimento do texto e se defendeu. Disse que foram realizadas três reuniões com o departamento de futebol do Flamengo. Entretanto, segundo ele, o clube não alcançou as expectativas do atleta.

- A proposta que foi apresentada para o meu cliente, financeiramente, era a metade das de outros clubes. Em função disso, minha função era defender o interesse do meu cliente, que foi quem me contratou. Foi feito com lisura. Ontem (terça-feira), houve uma terceira reunião com o Luiz Veloso (diretor de futebol), Vanderlei (Luxemburgo, técnico do Fla) e com o Isaías (Tinoco, gerente de futebol). Eles sabiam dos parâmetros do contrato do João Filipe. Não era nada absurdo. Não valorizaram o contrato do jogador, sabiam que clubes pagavam um melhor contrato. Não tinha comissão, compra de diretos. A operação era apenas o contrato do jogador. Não poderia tomar qualquer decisão diferente. Numa transferência de futebol, você tem de ter um acordo completo entre todos na operação, inclusive o jogador. Não adianta um acordo verbal de uma das partes com o clube. O jogador não foi valorizado na sua pretensão, dentro dos contratos que conheço do Flamengo. É um jogador emergente. A proposta que ele recebeu foi abaixo do momento que atravessa ? disse, por telefone, ao GLOBOESPORTE.COM.

O empresário conta que entrou em contato com a presidente Patricia Amorim e não teme que a relação com o clube fique comprometida. Uram agencia vários jogadores do Flamengo. Entre eles, David, Léo Moura, Marcelo Lomba, Egídio e Rafael Galhardo.

- Quanto ao fato de ser persona non grata, tive o cuidado de ligar para presidente Patricia Amorim, que ocupa o maior cargo no Flamengo, e esclareci com todos os detalhes a minha tomada de decisão. Ela foi clara ao dizer que se isso acontecer seria posição exclusiva do departamento de futebol. Posso dizer que é uma instituição que respeito, tenho carinho e apreço e acho que meu relacionamento com a instituição não vale apenas um jogador. Vale muito mais que isso. Não me considero persona non grata. É doloroso. Às vezes, gostaria de dividir o jogador em dois e colocar metade para cada lado. Tomei uma decisão com clareza, transparência. Entendo a postura emocional dos envolvidos, são meus amigos. Quando a decisão não é a esperada, você magoa. Entendo que colocaram no momento de forte emoção. Minha consciência está tranquila.

Fonte: GloboEspote, www.globoesporte.com