Flu arranca virada contra Cruzeiro e sai da lanterna em pleno Mineirão

Fred fez dois gols e, por respeito, não externou a emoção que impediu seu ex-clube de ir ao G-4

Fred foi o algoz que não festejou ou tripudiou do derrotado na noite deste domingo. Mas os tricolores comemoraram como poucos a (improvável) virada do Fluminense por 3 a 2 sobre o Cruzeiro, no Mineirão. O jogo foi válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Revelado no América-MG, mas lançado ao estrelato na Toca da Raposa, o atacante tricolor fez dois gols e, por respeito, não externou a emoção que impediu seu ex-clube de chegar ao G-4. A frieza dele não encontrou ecos no Flu. Principalmente pelo contexto dramático da partida.

A vitória cruzeirense parecia certa. No primeiro tempo, abriu 2 a 0 - com direito a pênalti perdido - sobre o até então lanterna. Foi aí que entrou em cena a precisão de Cuca nas alterações. O técnico modificou a forma de o time jogar e deu certo. Em 25 minutos saíram os três gols que retiraram o time da última colocação.

O Fluminense pulou para 33 pontos, em 19º, e ultrapassou o Sport. A equipe continua a cinco pontos do Botafogo, primeiro clube fora da zona de rebaixamento.

Depois de praticamente comemorar a entrada no G-4, o Cruzeiro tem de lidar com a decepção. A equipe ?parou? no segundo tempo e fica estacionada nos 51 pontos, em sexto lugar e saiu do gramado do Mineirão muito vaiada pela torcida.

Na próxima rodada, a Raposa visita o desesperado Sport, no Recife, enquanto o Fluminense recebe o líder Palmeiras, no Maracanã. Antes a equipe viaja para o Chile para enfrentar o Universidad do Chile pelas quartas de final da Copa Sul-Americana.

Cruzeiro ?brinca? no primeiro tempo

O estádio lotado assistiu a um início de partida equilibrado. Guerrón foi à linha de fundo aos três minutos e bateu cruzado. Fernando Henrique espalmou.

Um tropeço em hora imprópria impediu o gol de Maicon, aos 9 minutos. O atacante recebeu lançamento de Conca, mas quando driblaria Fábio caiu sozinho. E em jogos decisivos os erros não são toleráveis. No lance seguinte, aos 13, Gilberto rolou para Jonathan chutar entre Fernando Henrique e a trave e abriu o placar.

Em vez de se amedrontar, o Fluminense partiu para contragolpear. Equi González encontrou Maicon na ponta esquerda. O atacante dominou e chutou rasteiro, mas Fábio fez brilhante defesa.

O carrasco da Libertadores de 2008 voltou a dar as caras contra o Flu, aos 25. Guerrón entrou na área e Diego deu um carrinho por trás. Pênalti assinalado pelo árbitro Sandro Meira Ricci. Na cobrança, Welington Paulista bateu para fora, à direita do gol.

Só que o atacante se redimiu da melhor forma possível. Aos 30, ele recebeu de Guerrón na área, deixou Gum sentado e tocou no canto direito: 2 a 0.

O terceiro só não saiu aos 34 porque Fernando Henrique espalmou na trave um chute de Fabrício. Desesperado, o Fluminense deixou espaços e Wellington Paulista perdeu outra chance, aos 46.

A reação na cabeça de Cuca e nos pés de Fred

A irritação de Cuca com a atuação da equipe refletiu-se no intervalo. Ele tirou Diguinho e Equi González para colocar Digão e Tartá. A mudança do 4-4-2 para o 3-5-2 surtiu efeito imediato. Bem melhor em campo, o Flu diminuiu aos nove. Gum recebeu na área e chutou cruzado. O empate não demorou.

Aos 13, após belo lançamento de Conca, Fred dominou, avançou e tocou na saída de Fábio. Gil ainda tentou tirar, mas a bola entrou. Formado no Cruzeiro, o atacante não comemorou o gol.

A reação forçou o Cruzeiro a aumentar o ritmo. Aos 18, Gilberto finalizou e Fernando Henrique espalmou. Quatro minutos depois foi a vez de Jonathan arriscar de longe e o camisa 1 do Flu pular para impedir o gol.

Mas o terceiro foi do Tricolor. Maicon fez linda jogada pela ponta direita, foi ao fundo e cruzou para trás. Fred bateu rasteiro e desempatou, aos 25. Novamente, esqueceu a felicidade pelo gol foi vencida pelo respeito ao Cruzeiro. No banco, Cuca se benzeu e abraçou os reservas.

A virada improvável desesperou os mineiros. E aí apareceu Fernando Henrique. Diego Renan bateu forte aos 34 e o goleiro foi no ângulo salvar. A bola rondou a área tricolor até o fim, mas o empate não saiu.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com