Flu e Grêmio ficam no 0 a 0 no Maracanã

Com o resultado, o Fluminense foi a nove pontos ganhos e está na sexta posição.

Embalados por vitórias na última rodada, Fluminense e Grêmio se enfrentaram neste domingo, no Maracanã, sonhando com três pontos para subir bem na tabela da Série A do Brasileirão. Mas o duelo tricolor, válido pela sexta rodada, acabou empatado, num 0 a 0 em que não faltou emoção do início ao fim.

Se no primeiro tempo o Grêmio foi melhor e perdeu três chances de gol nos primeiros dez minutos, coube ao Fluminense dominar a segunda etapa. E no fim da partida, as duas equipes tiveram oportunidade de marcar o gol da vitória, mas esbarraram nas más conclusões.

Com o resultado, o Fluminense foi a nove pontos ganhos e está na sexta posição. O Grêmio, com oito, é o sétimo colocado. Na sétima rodada, no próximo sábado, o time carioca vai a Florianópolis encarar o Avaí. O gaúcho, no mesmo dia, receberá no Olímpico o Goiás.

Confira a classificação da Série A do Brasileirão 2009

Três chances para o Grêmio

Depois de um período de treinos de quatro dias em Teresópolis, na Granja Comary - Parreira queria unir mais a equipe, mas, na última sexta-feira, Fred e Luiz Alberto discutiram e trocaram ofensas -, o Fluminense entrou em campo querendo logo se impor. E contava com o apoio da torcida, que não estendeu as faixas das organizadas em protesto à decisão da diretoria de não distribuir os ingressos.

Só que o time começou a abusar dos passes errados no meio-campo, além do mau posicionamento da zaga. O Grêmio, embalado pela vitória sobre o Náutico, entrou em campo de esquema novo - trocou o 3-5-2 pelo 4-4-2. E nos primeiros 10 minutos, com forte marcação e rápidos contra-ataques, desperdiçou três oportunidades claras de abrir o placar.

A primeira foi logo aos quatro minutos. Maxi López caiu pela direita, tirou Edcarlos da jogada e centrou rasteiro, na medida, para Tcheco explodir o travessão. No minuto seguinte, a defesa do Tricolor carioca fez a linha burra de impedimento. Souza lançou Alex Mineiro pela esquerda, que, livre, tocou para fora, torto.

O Fluminense, ainda tonto com a pressão do Tricolor gaúcho, tentava se organizar quando passou pelo terceiro sufoco aos oito minutos. Fábio Santos desceu pela esquerda e tocou na frente para Alex Mineiro. O atacante trombou com Edcarlos, tirando o zagueiro da jogada, e perdeu mais uma vez a oportunidade, batendo para fora.

Entra Diguinho

A torcida do Fluminense começou a vaiar, especialmente, Edcarlos, que estava mal, e a gritar o nome de Cássio, sacado para a volta de Luiz Alberto à zaga. Outro que não contava com a paciência da torcida era o sumido Thiago Neves, que aos 12 minutos centrou da esquerda para Fred cabecear em cima de Marcelo Grohe. Era, pelo menos, a primeira jogada objetiva da equipe, que tentava tocar a bola para furar o forte bloqueio do Grêmio, mas esbarrava nos constantes erros de passes - principalmente de Wellington Monteiro, Marquinho e Carlos Eduardo.

Não era o caso do Grêmio. Bem fechado e saindo na hora certa para o ataque, tinha no bom toque de bola de Tcheco, Souza, Maxi López e Alex Mineiro a maior virtude do meio-campo para a frente. Atrás, os volantes Adílson e Túlio eram os bons cães de guarda de Léo e Rafael Marques. Thiego, deslocado para a lateral direita - Ruy cumpriu suspensão -, limitava-se a defender.

O Flu até melhorava na briga pela bola no meio-campo, e Conca começava a aparecer, quando Carlos Eduardo sofreu entorse do tornozelo. Parreira lançou Diguinho, que, recuperado da tuberculose e do incidente em que sofreu agressão de torcedor nas Laranjeiras, reapareceu após inatividade desde fevereiro.

Jogo mais disputado

A partida ficou mais truncada. Aos 38 minutos, a torcida reclamou de pênalti de Rafael Marques em Conca pela direita, mas a falta, não marcada pelo árbitro, foi fora da área. Dois minutos depois, o lateral Diego fez sua única boa jogada de ataque ao centrar na medida para Thiago Neves cabecear com perigo para fora. E foi aí o momento de maior vibração dos torcedores do Flu - além dos gols marcados pelo Coritiba contra o Flamengo, bastante comemorados no Maracanã após o anúncio do locutor.

O primeiro tempo terminou como começou. O Grêmio forçou pela esquerda, com Fábio Santos, que centrou para a área. A bola passou entre as pernas de Luiz Alberto e também por Alex Mineiro, mas João Paulo tocou para escanteio aos 44.

- Não adianta o Grêmio pressionar e perder as oportunidades - resumiu Souza.

- Depois que acertamos a marcação atrás, o time melhorou - disse o zagueiro do Flu Luiz Alberto.

Flu melhora

Os dois jogadores tinham razão. E se no intervalo a torcida do Flu matava a saudade do zagueiro Thiago Silva, presente ao Maracanã, no início do segundo tempo, aos 40 segundos, Maxi López mostrou que o Grêmio queria vir com tudo novamente ao limpar Edcarlos e bater no canto direito de Ricardo Berna - o goleiro fez boa defesa.

Mais organizado, o Fluminense deu o troco aos sete minutos, quando Thiago Neves, pela esquerda, matou no peito e cruzou com força para a área. Rodrigo Grohe saiu bem e fez boa defesa.

O lance parece ter acordado mais o time. Além de a entrada de Diguinho ter melhorado a combatividade e o toque de bola, Conca aparecia mais no jogo. Aos 16 minutos, os dois treinadores mexeram: Parreira pôs Leandro Amaral no lugar de Marquinho, e Paulo Autuori trocou Alex Mineiro por Douglas Costa.

Emoção

As duas equipes buscavam o ataque, mas esbarravam nos fortes blioqueios defensivos - a essa altura, a zaga tricolor já estava compacta, e Diguinho ganhou até coro da torcida ao roubar bola de carrinho na lateral direita.

Perdendo terreno, Paulo Autuori trocou novamente o ataque, ao lançar Herrera no lugar do já cansado Maxi López. Mas, aos 38 minutos, o treinador perdeu um jogador: Douglas Costa, que já tinha cartão amarelo, fez falta em João Paulo e foi expulso. O Grêmio ficou tenso. Herrera entrou forte em Luiz Alberto e ganhou cartão amarelo. Parreira botou Maicon no lugar de Diogo. Aos 42, Thiago Neves perdeu gol feito ao bater fraco, após centro da esquerda.

O jogo ficou dramático. Aos 46, Souza, o melhor do Grêmio, mandou para fora o que poderia ser o gol da vitória. No minuto seguinte, Leandro Amaral recebeu de Thiago Neves e também mandou para fora a chance dos três pontos. O resultado acabou justo pela superioridade das equipes em cada etapa, mas o torcedor merecia ao menos ter visto gols.

Fonte: GloboEspote, www.globoesporte.com