Jogador é banido da seleção após suposto gesto nazista em campo

Jogador é banido da seleção após suposto gesto nazista em campo

Instituição lembra que Fifa prevê pena máxima de expulsão do esporte

Uma polêmica envolveu a vitória do AEK Atenas sobre o Veria, por 2 a 1, pela 26ª rodada do Campeonato Grego. Após fazer o segundo gol do seu time, o meia Giorgos Katidis comemorou com um gesto aparentemente de saudação nazista, o que revoltou parte da própria torcida, fez seu clube pedir desculpa e levou a federação de futebol do país a bani-lo para sempre da seleção nacional.

Após a repercussão imediata do caso, o jogador de 20 anos publicou em sua conta no Twitter que não sabia o significado do que estava fazendo: "Não sou racista de jeito algum. Abomino o fascismo. Não faria o gesto se soubesse que significa alguma coisa. Eu sei das consequências e não farei mais isso". Katidis disse que sua intenção era homenagear o colega de equipe Michalis Pavlis, que está lesionado e, segundo ele, assistia à partida no estádio.

A Federação Grega de Futebol (HFF, na sigla da língua local) emitiu nota oficial em que ?condena inequívoca e categoricamente? os gestos de Katidis, e cede o seu apoio para que os órgãos que julgam este tipo de caso também apliquem punição com o máximo rigor. O comunicado ainda lembra que, segundo instruções da Fifa, o jogador pode até ser banido do esporte.

Apesar de lamentar o episódio, a HFF lembra que a atitude não foi totalmente inesperada, uma vez que existem manifestações nazistas na Grécia fora do futebol, e se disse atenta para coibir esse tipo de prática em campos e arquibancadas. No entanto, lembrou que o caso pode e deve ser tratado como crime e investigado pela polícia local.

Katidis já defendeu a seleção grega nas categorias sub-17, sub-19 e sub21, mas nunca tinha sido chamado para a principal.

O AEK está no meio da classificação do Campeonato Grego, em décimo lugar, com 29 pontos.

Confira a nota da Federação Grega na íntegra:

Em reunião extraordinária neste domingo, 17 de março, 2013, a Secretaria Executiva da Federação Grega de Futebol decidiu, em resposta à saudação nazista George Katidis no jogo AEK x Veria e após análise de todos os dados, por unanimidade, o seguinte:

A energia do jogador para saudar os espectadores como nazista é brutal e afeta profundamente todas as vítimas das atrocidades nazistas, ferindo o caráter pacífico e profundamente humano do futebol. A Federação condena de forma inequívoca e categoricamente a atitude.

No âmbito dos seus poderes, decidiu pela exclusão de George Katidis da seleção. A Federação Grega de Futebol previu fenômenos análogos e já incluem a proibição desse tipo de ação nos contratos que os jogadores assinam com as equipes.

A HFF está certa também que os órgãos disciplinares competentes devem intervir de forma decisiva e impor as sanções previstas no Código Disciplinar para o crime. Entre as penas mais pesadas ​​no futebol, a Fifa instituiu para tal casos o banimento total do atleta.

Finalmente, a Federação Grega de Futebol tomará todas as medidas necessárias para preservar a natureza pacífica do futebol, e para promover os valores da solidariedade, da cooperação e do respeito que professa.

Fonte: GloboEsporte