Adriano teria dado motocicleta de R$ 35 mil para mãe de traficante

Adriano teria dado motocicleta de R$ 35 mil para mãe de traficante

O jogador comprou uma motocicleta que foi registrada em nome da mãe de um traficante

As motocicletas voltaram a perseguir Adriano. Dois anos depois de ser fotografado sem capacete na garupa de uma moto - e pouco mais de quatro meses depois de ter perdido jogos por causa de uma bolha supostamente causada por uma queimadura no cano de descarga de outra - o Imperador agora sofre com novas informações moto-motoras. O jornal "O Dia" publicou nesta terça-feira uma reportagem que revela as controversas relações do jogador com duas motocicletas que estiveram em seu nome.

Segundo a reportagem, o jogador teria comprado em julho de 2008 uma moto no valor de R$ 35 mil que foi registrada no nome de Marlene Pereira de Souza. Marlene é a mãe de Paulo Rogério de Souza Paz, o ?Mica?, acusado de ser chefe do tráfico dos morros da Fé, Chatuba, Caracol e Sereno, na Penha, onde Adriano nasceu e passou a infância. A compra foi feita por um homem chamado Marcos, que seria um ex-amigo do jogador, com um cartão de crédito no nome de Adriano Leite Ribeiro.

Com 64 anos de idade, D. Marlene nunca tirou carteira de habilitação. Mica tem dez anotações em sua ficha criminal e sete mandados de prisão, sendo três deles por homicídio. A moto Hornet 600, preta, foi emplacada junto com um outro modelo de cor vermelha, pela qual Adriano pagou R$ 37 mil, e ficou em nome do jogador, na época, quando defendia o São Paulo.

Ambas não pertencem mais aos seus primeiros proprietários. Foi na Chatuba, na semana passada, que aconteceu a confusão entre Adriano e sua noiva, Joana Machado - que acabou tirando o Imperador de duas partidas do Flamengo.

Moto vermelha também causou problemas

A moto vermelha comprada juntamente com a preta também causou transtornos ao atacante do Flamengo. Em setembro de 2009, poucos meses depois de voltar para o Brasil e acertar com o clube rubro-negro, Adriano registrou a perda do veículo na Delegacia de Roubos e Furtos. Segundo a denúncia, Adriano ?emprestou a moto placa KXB-1788 para o seu colega Marcos?, o mesmo que efetuou a sua compra. Ainda segundo o registro, o Imperador ?teve de viajar para a Europa na finalidade de cumprir compromissos profissionais e, ao retornar, após várias tentativas de reaver sua moto, que está em poder de Marcos, o mesmo disse que não iria devolver a citada moto?. Adriano não forneceu na denúncia o nome completo do acusado, seu ex-amigo Marcos.

No entanto, quando fez o registro, o veículo já constava como roubado, situação em que se encontra até o momento. Segundo um outro registro na 20ª DP de Vila Isabel, ela foi roubada no dia 2 de julho e, durante o assalto realizado à mão armada, o novo dono do veículo, que teria comprado a moto meses antes, sobreviveu aos disparos de dois homens.

Em outras vezes, Adriano já teve problemas com motos. Em outubro de 2006, quando foi liberado pelo Internazionale para vir ao Brasil com o intuito de realizar um trabalho para recuperar a forma física, o Imperador foi flagrado pela reportagem do GLOBOESPORTE.COM passeando na garupa de uma moto pilotada por um amigo, sem usar o capacete obrigatório, na Linha Amarela, em uma das vias mais movimentadas do Rio.

No fim do ano passado, na semana que antecedeu a partida contra o Corinthians, na campanha do título do Brasileirão, Adriano teve que desfalcar o time rubro-negro por causa de uma queimadura no pé esquerdo. Na época, foi especulado em vários veículos de imprensa que o ferimento poderia ter sido causado pelo escapamento de uma motocicleta. O Imperador alegou que tinha se queimado na lâmpada de um jardim em sua casa. Adriano ficou fora do jogo, válido pela penúltima rodada da competição, mas retornou na partida final, no sacrifício. O ferimento ainda atrapalhou a sua pré-temporada neste ano.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com