MPF denuncia jogadores do Timão e do Flu por contrabando

Conforme o MPF, com a denúncia aceita, os dois só podem deixar o País após se reportarem à Justiça.

Os jogadores de futebol Emerson Sheik, do Corinthians, e Diguinho, do Fluminense, foram denunciados na última sexta-feira pelo Ministério Público Federal (MPF) por contrabando e lavagem de dinheiro. De acordo com o MPF no Rio, os jogadores importaram ilegalmente um veículo que foi apreendido durante a Operação Black Ops, da Polícia Federal (PF), em outubro.

Conforme o MPF, com a denúncia aceita, os dois só podem deixar o País após se reportarem à Justiça. Os jogadores teriam comprado uma BMW X6 branca trazida dos Estados Unidos por uma organização criminosa transnacional formada por integrantes da máfia israelense.

Segundo a denúncia, Emerson Sheik e Diguinho criaram uma cadeia artificial de "compra e venda que distancia o destinatário do automóvel da importação ilegal", evidenciando a lavagem de dinheiro. Conforme o MPF, Sheik importou o veículo através da empresa pertencente à quadrilha, e o revendeu para Diguinho pela quantia de R$ 315 mil - R$ 115 mil a mais do que o indicado na nota fiscal do automóvel. Ainda segundo o órgão, os dois jogadores tinham ciência do esquema criminoso e deram versões diferentes do fato em depoimento.

A operação Black Ops foi realizada em 14 estados e no Distrito Federal para desarticular a quadrilha transnacional. Durante a ação, artistas e atletas tiveram diversos carros de luxo apreendidos sob suspeita de importação ilegal - a entrada de veículos usados no Brasil é proibida.

Segundo a PF, as atividades ilegais do grupo israelense incluíam, ainda, a exploração de máquinas caça-níquel, contrabando, comércio ilegal de pedras preciosas e outros crimes. De acordo com a PF, os membros da máfia israelense integram uma grande organização conhecida como "Abergil Family" que está envolvida em esquemas ilícitos em diversos países, como agiotagem, prostituição, jogo ilegal e tráfico de drogas.



Fonte: Terra