Muricy responde crítica de Ganso: Quando voltar, terá de jogar bem

Muricy responde crítica de Ganso: Quando voltar, terá de jogar bem

Irritado com algumas perguntas, treinador diz que São Paulo se comportou bem, poderia ter vencido e voltou a dizer que ninguém tem cadeira cativa no t

Cara de poucos amigos, irritado, irônico em alguns momentos. Esse foi o comportamento do técnico Muricy Ramalho, do São Paulo, após empate por 2 a 2 com o Coritiba. Frustrado com o resultado e com críticas do meia Paulo Henrique Ganso, o treinador concedeu uma entrevista coletiva tensa. O meia não gostou de ter sido barrado no duelo diante dos paranaenses e criticou o esquema tático adotado pelo treinador:

- Com quatro atacantes e ninguém para criar, fica difícil - afirmou o jogador.

O treinador não partiu para o confronto, mas pressionou o jogador: quando voltar a ser titular, terá de jogar bem.

- Vivemos em uma democracia, e essa foi a opinião dele. Foi uma opinião tática. E aí é uma coisa que cabe ao técnico. Muitas vezes, ele é o titular do time, joga na ligação. Ele tem de fazer essa armação mesmo. Aliás, quando eu o colocar novamente, ele terá que jogar bem - ressaltou o treinador.

Acompanhe abaixo os melhores momentos da coletiva do técnico tricolor.

COMPORTAMENTO DO TIME

- As duas formações se comportaram bem. Tivemos posse de bola e foi o jogo que mais criamos. Tivemos volume nos dois jogos, mas sofremos novamente um gol de bola parada. O time foi aguerrido, lutou até o final. Não estou decepcionado, não. Fiquei insatisfeito com o pouco que mostramos contra o Cruzeiro. O que mostramos hoje me dá a esperança de ter um bom time daqui para frente.

SAÍDA DO GANSO

- Não analiso jogador individualmente. Sabemos que ele é bom jogador. Hoje entrou bem, apareceu bastante. Ele sabe o que eu espero dele. Não saiu do time por castigo. Saiu porque o técnico achou que tinha de sair. Com certeza, ele precisa participar um pouco mais. Vivemos em uma liberdade, em uma democracia e essa foi a opinião dele. Foi uma opinião tática e aí é uma coisa que cabe ao técnico. Muitas vezes, ele é o titular do time, joga na ligação. Ele tem de fazer essa armação mesmo. Aliás, quando eu o colocar novamente, ele terá que jogar bem - ressaltou o treinador.

MUDAR O TIME É NORMAL

- É só no Brasil que existe isso. Temos de aprender que um jogo é diferente do outro. O Real Madrid faz isso, às vezes joga com dois enfiados, às vezes joga com sobra. Custamos a analisar isso aqui. É obrigação do técnico. Aqui não tem Pato, não tem Ganso. Tem um grupo. Não jogam 11. Tenho 30 para escolher.

FORMAÇÃO CONTRA O CRB

- Vamos pensar no que fazer para quarta-feira. Não teremos a viagem, que atrapalhou muito no jogo da ida. Vamos olhar com carinho, posso mudar duas ou três peças para dar mais força ao time. Hoje fomos bem, tivemos 64% de posse de bola. No final do jogo, a infelicidade atrapalhou naquele lance do Luis Fabiano (acertou a trave), mas acho que o time jogou muito bem.

DEFICIÊNCIA NA BOLA AÉREA

- Não podemos tomar esse tipo de gol (segundo do Coritiba, marcado por Chico, de cabeça). Estávamos muito orientados em relação a isso. O rapaz teve felicidade de bater bem na bola, mas não podemos tomar esse gol.

SAI INSATISFEITO DO PACAEMBU?

- Se aquela bola do Luis Fabiano tivesse entrado aos 45 minutos do segundo tempo, estaria respondendo outro tipo de pergunta. É preciso ressaltar que hoje foi muito melhor do que contra o Cruzeiro.

Fonte: G1