Não tenho nada para provar, diz Anderson Silva sobre Revanche

Não tenho nada para provar, diz Anderson Silva sobre Revanche

A poucos dias de sua revanche contra Chris Weidman, em 28 de dezembro em Las Vegas, o Spider estava com suas tradicionais respostas curtas e preferiu

Mesmo quando era dono do cinturão dos pesos médios por mais de seis anos, Anderson Silva nunca foi muito afeito a entrevistas antes de suas lutas, ainda mais quando as perguntas são feitas em inglês. Mas ele participou de um papo com jornalistas na última terça-feira e este blogueiro que vos fala tentou apertar o ex-campeão dos médios.

A poucos dias de sua revanche contra Chris Weidman, em 28 de dezembro em Las Vegas, o Spider estava com suas tradicionais respostas curtas e preferiu não atacar as provocações do norte-americano. Perguntei o motivo de ele ter essa postura mais calma se comparado com Chael Sonnen que, de maneira diferente, também o provocou muito.

?Nós temos dois ouvidos, um nariz e uma boca. Você pode falar o que quiser, mas como tenho dois ouvidos, prefiro ouvir?, disse o brasileiro. ?Não tenho que responder nada cada um tem seu jeito de ser, cada um tem sua maneira de lidar com as coisas. Acho interessante e importante ele ter essa cabeça também.?

Também perguntei sobre a convocação que fez para sua equipe em outubro, quando chamou todos para estarem no Rio de Janeiro para o início de sua preparação. Ele identificou que precisava mudar seus treinos após os erros cometidos na derrota em julho e, por isso, cobrou completo comprometimento de quem quisesse ficar no time.

?Mexi em algumas coisas, é o que se faz em uma preparação, quando se comete os erros que eu cometi?, ponderou. ?Não tem muita diferença para segunda luta, apenas tenho mais experiência, nada é fácil para um lutador do UFC. Não tenho nada para provar para ninguém, estou bastante motivado. A última luta já é passado, estou pensando na próxima e tudo vai ser diferente. Quando você está treinado e bem de cabeça, tudo acaba bem.?

Anderson Silva ainda comentou a parada na carreira anunciada pelo canadense Georges St-Pierre, que abriu mão do cinturão dos meio-médios. ?Cada um tem seu tempo, sua hora, seu momento. Temos de respeitar o que GSP decidiu, até porque ele fez história nesse esporte e cada um sabe quando parar. Todos nós temos problemas pessoais.?

Fonte: UOL