No local onde perdeu primeira Copa, Argentina tenta vaga na próxima

Em 1930, ‘hermanos’ foram derrotados pelo Uruguai na final do Mundial justamente no estádio Centenário

Mesma cidade, mesmo estádio, mesmo adversário, nova possibilidade de dor para os argentinos. Quase 80 anos depois de sua primeira decepção em uma Copa do Mundo, a Argentina vai novamente ao estádio Centenário, em Montevidéu, para tentar evitar o mico histórico de não se classificar para o Mundial do ano que vem, na África do Sul.

Se o resultado for o mesmo, é considerável a chance de Messi, Tévez, Mascherano e toda a turma de Maradona verem a Copa pela televisão em 2010. Foi em 30 de julho de 1930. Às 8h, uma multidão começou a tomar conta do recém-erguido estádio na esperança de ver o Uruguai campeão.

Ao meio-dia, duas horas antes de a bola rolar, 93 mil pessoas já estavam enlatadas no local, à espera da partida. A celeste saiu na frente. Com 12 minutos, Dorado deu o primeiro susto na Argentina. Mas os “hermanos” reagiram e viraram ainda na etapa inicial, com gols de Peucelle e Stábile, artilheiro da Copa. No segundo tempo, os uruguaios comprovaram a força que já haviam mostrado nas Olimpíadas e viraram para 4 a 2. Cea, Iriarte e Castro marcaram os gols.

E a Argentina teve que voltar para casa sem a taça. Passadas quase oito décadas, o Centenário é um estádio histórico, de arrepiar, mas completamente defasado – respira o passado e esquece o presente. Por dentro e especialmente por fora, ele mostra que parou no tempo.

Se há cadeiras para proporcionar maior conforto ao público, também estão por ali velhas grades enferrujadas enjaulando os torcedores e fossos gigantescos para impedir eventuais invasões. Mas o tempo também traz suas vantagens ao Centenário. Elas estão no Museu do Futebol, uma homenagem à história do esporte, e nas placas colocadas nas principais entradas do estádio. Cada uma lembra uma importante conquista do Uruguai. Uma delas é feita para os argentinos não lerem: faz referência justamente à Copa de 30. Mas vale uma ressalva: naquele mesmo Mundial, a Argentina venceu México (6 a 3), Chile (3 a 1) e Estados Unidos (6 a 1) no local.

Fonte: GloboEsporte