Noitadas abrem caminho para Ronaldo

Ganha destaque as polêmicas em que se envolveu desde sua chegada

Ronaldo ainda não fez nenhum jogo pelo Corinthians, mas já mostrou potencial para se tornar um dos principais ídolos da história do clube. Não por ser o maior artilheiro da história das Copas do Mundo e ter conquistado duas delas, muito menos pelo seu rendimento nos treinamentos. O que na verdade o credencia para o sucesso no Timão são as polêmicas em que se envolveu desde sua chegada. É isso mesmo!

Por mais de 98 anos de existência, o clube do Parque São Jorge colecionou ídolos com características distintas dentro de campo. Exímios batedores de falta, artilheiros incontestáveis, marcadores implacáveis... Todos eles, no entanto, têm algo em comum: são protagonistas de casos polêmicos, seja no futebol ou fora dele. E independentemente do que tenha acontecido, eles têm o carinho da Fiel.

Sócrates, Casagrande, Neto, Viola, Ronaldo (goleiro), Marcelinho Carioca, Vampeta, Rincón, Edílson e Tevez. Esses são alguns exemplos de ídolos do Timão que, como o Fenômeno, já deram manchetes apimentadas. Sem exceção, todos eles ajudaram a construir a trajetória de glórias do Timão e conquistaram títulos importantes com a camisa alvinegra. Alguns seguem em atividade, como Viola, Marcelinho e Tevez.

Perto de completar três meses no Corinthians, Ronaldo já viveu dois casos que repercutiram negativamente. O primeiro em janeiro, quando foi fotografado na saída de casa noturna de São Paulo durante a madrugada (fotos dele com uma mulher quase em seu colo também foram veiculadas) e na última semana, em Presidente Prudente, ao ser multado por chegar atrasado na concentração após noitada.

As polêmicas envolvendo os principais ídolos do Timão são variadas. Idealizadores da Democracia Corintiana, nos anos 80, Sócrates e Casagrande, por exemplo, eram assumidamente fãs da vida noturna. Neto, por sua vez, sempre disse que não era atleta, mas sim ?boleiro?. Viola, Ronaldo (goleiro) e Vampeta ficaram bastante conhecidos por não terem papas nas línguas. Falavam sempre o que pensavam.

Já Marcelinho Carioca, adorado pelos corintianos e odiado pelos rivais, coleciona desafetos, como o técnico Vanderlei Luxemburgo e o meia Ricardinho. Em sua última passagem pelo Timão, em 2006, o Pé de Anjo trocou agressões com o argentino Mascherano durante treinamento. Contemporâneo ao eterno camisa 7, Edílson é marcado até hoje pelas embaixadinhas que fez durante final contra o Palmeiras.

Ídolo mais recente da torcida alvinegra, o argentino Tevez ficou pouco mais de um ano no Corinthians, mas foi o suficiente para ele marcar seu nome com um título brasileiro e algumas polêmicas. Por duas vezes, o atacante brigou em treinamento. Trocou socos com o zagueiro Marquinhos e também com Carlos Alberto.

Estrela máxima do atual elenco corintiano, o atacante Ronaldo já tem um dos requisitos para ser ídolo do Timão. Resta saber se ele igualará outros no campo.

Fonte: Globo Esporte