Palmeiras empata com o São Caetano e garante a volta à 1ª divisão do Brasileiro

Palmeiras empata com o São Caetano e garante a volta à 1ª divisão do Brasileiro

A tranquilidade vivida pelos palmeirenses em todo o torneio desapareceu neste sábado

Era questão de tempo, praticamente uma contagem regressiva para os palmeirenses acabarem com a angústia de ver o time na Série B. Sem adversários à altura, o Verdão passeou pela Segundona com uma campanha sólida e de raros sustos. Tão tão fácil que, há seis rodadas do fim, o time precisava de um simples empate para voltar à elite. E foi assim. Em um jogo com arbitragem polêmica e grande atuação de um goleiro formado no arquirrival Corinthians, o Palmeiras empatou sem gols com o São Caetano, no Pacaembu, e se garantiu na elite em 2014.

A tranquilidade vivida pelos palmeirenses em todo o torneio desapareceu neste sábado. O Verdão se mostrou ansioso para resolver a partida e foi ao desespero com o árbitro no fim do primeiro tempo. Wilson Luiz Seneme marcou pênalti após dividida entre Alan Kardec e Rafael Santos na área. No entanto, mudou de ideia ao chegar à linha de fundo e ouvir do assistente Carlos Augusto Nogueira Júnior que o goleiro acertou a bola.

O goleiro do Azulão, aliás, foi o grande responsável pela comemoração do Palmeiras não acontecer com uma vitória. O jogador, formado nas categorias de base do Corinthians, fez grandes defesas, sobretudo no segundo tempo, e ajudou o São Caetano e continuar vivo em sua luta para fugir do rebaixamento.

Com as arquibancadas lotadas, a festa do acesso começou muito antes da partida. Ídolos do passado, como Ademir da Guia, Evair, Edmundo e Marcos, entregaram a camisa amarela para os jogadores atuais. O terceiro uniforme, lançado e usado pela equipe neste sábado, é uma homenagem ao time do Palmeiras que representou a seleção brasileira em um amistoso contra o Uruguai, em 1965.

O alvo agora é a conquista de um bicampeonato que a torcida jamais sonhou em ter. Ele também está próximo de acontecer. O Verdão tem 71 pontos, 12 de vantagem para o Chapecoense, segundo colocado. Na próxima rodada, o time paulista enfrenta o Paraná, sábado que vem, às 16h20m, no estádio Durival de Britto, em Curitiba.

O São Paulo ainda tem chances remotas de escapar do rebaixamento para a Série C. O Azulão soma 31 pontos e vai precisar de uma sequência de vitórias para escapar. No próximo sábado, pega o Sport, às 17h20m, no Recife.

O desejo de resolver rapidamente a partida e dar início à comemoração atrapalhou o Palmeiras no primeiro tempo. Era como se os 90 minutos de jogo passassem assim que o time marcasse o primeiro gol. Não marcou, e o nervosismo aumentou a cada chance desperdiçada, a cada bola mal dominada na área. Quando o alívio parecia certo, foi a vez da arbitragem tumultuar o jogo.

Wesley e Valdivia, os dois mais talentosos da equipe, chamaram a responsabilidade de furar o bloqueio rival. Com boa movimentação e passes precisos, levaram o Verdão ao ataque. Vinícius, logo aos seis minutos, criou a primeira grande oportunidade. Rafael Santos, goleiro formado na base do Corinthians e destaque do Azulão na partida, espalmou.

Do outro lado do campo, a defesa palmeirense não economizou nos sustos. Principalmente com André Luiz, pelo lado direito. Primeiro, o veterano defensor quase fez contra com um desvio que Fernando Prass tirou com a perna direita. Depois, foi facilmente driblado por Cassiano Bodini na área. O goleiro salvou novamente.

O Palmeiras não demorou a recuperar o controle do jogo. Após confusão na área, Henrique perdeu grande chance ao driblar um marcador na área e chutar por cima. Em seguida, começaram os problemas com a arbitragem. Vinícius se jogou ao disputar um lance com um rival. Valdivia ficou com a bola sem marcação, mas esperou o árbitro Wilson Seneme dar o pênalti e acabou sendo desarmado.

Aos 39, o lance mais polêmico. Alan Kardec recebeu passe do Mago na área, tentou driblar Rafael Santos e caiu. Seneme marcou pênalti, mas, ao se aproximar da linha de fundo, ouviu do assistente Carlos Augusto Nogueira Júnior que o goleiro havia tocado na bola. Imediatamente, o pênalti foi cancelado, revoltando os palmeirenses.

Ex-corintiano segura o Verdão

O Palmeiras voltou do intervalo ainda mais ofensivo. A movimentação na frente abriu a defesa do São Caetano e permitiu que o Verdão sufocasse. Rafael Santos, porém, estava disposto a estragar a festa. Ele espalmou um chute forte de Ananias e, em seguida, mesmo se atrapalhando, jogou para fora um desvio de Alan Kardec na pequena área. Pouco depois, foi a vez de André Luiz parar em nova defesa do goleiro.

Gilson Kleina apostou em mais velocidade para manter o Palmeiras em cima com a entrada de Serginho no lugar de Vinícius. A troca manteve o Verdão no controle da partida, mas a defesa se abriu e passou a levar sustos. Éder e Giovane, em chutes perigosos, obrigaram Fernando Prass a fazer ótimas defesas e evitar a desvantagem.

Kleina ainda tentou novamente ao colocar Ronny em substituição a Ananias, mas, com o passar do tempo, o Palmeiras se mostrava bastante satisfeito com a igualdade. O time continuou atacando, tentando encontrar espaços na defesa adversária, porém, diminuiu consideravelmente o ritmo ofensivo. Nas arquibancadas, a torcida se mostrava angustiada, à espera de um gol para sacramentar a vaga.

No fim da partida, o Verdão ainda arriscou. Serginho soltou a bomba de fora da área. De novo, Rafael Santos defendeu e impediu a explosão dos torcedores no Pacaembu. Nada que durasse por muito tempo. Minutos depois, o apito final trouxe o alívio esperado pelos mais de 30 mil presentes e uma tímida comemoração. Trouxe o Palmeiras de volta para casa.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com