Na Vila, Santos e Palmeiras empatam por 1 a 1

Neymar se movimentou muito e, mesmo bem marcado, criou chances para o Santos

Em partida muito disputada na Vila Belmiro, o Palmeiras apostou em uma forte marcação no meio de campo e segurou o empate por 1 a 1 diante do Santos, neste sábado, pelo Campeonato Brasileiro. Kleber abriu o placar para os visitantes no primeiro tempo, mas Alan Patrick igualou após o intervalo. Depois, os comandados de Luiz Felipe Scolari se defenderam bem e contiveram a pressão santista até o fim.

O clássico manteve um tabu a favor dos palmeirenses que já dura quatro anos: a última derrota do time para o rival alvinegro em Brasileiros aconteceu em setembro de 2006. Desde então, foram oito jogos, com quatro vitórias alviverdes e quatro empates.

Com o resultado, os dois times seguiram muito próximos na tabela, ambos com 39 pontos. Para o Palmeiras, a zona de classificação à Copa Libertadores está a oito pontos; para o Santos, já garantido no torneio continental no ano que vem, a primeira colocação segue distante, com o Fluminense 13 pontos à frente.

O time alvinegro começou a partida melhor, trocando passes rapidamente e pressionando os palmeirenses no campo de defesa. Logo no primeiro minuto, houve tabela envolvente entre Léo, Marcel e Neymar pela esquerda do ataque, mas a zaga alviverde afastou para escanteio. Aos 7min, nova subida de Léo: o lateral recebeu com liberdade e chutou cruzado, com perigo, para fora.

Aos poucos, o Palmeiras foi encaixando a marcação no meio de campo, com uma linha formada por Márcio Araújo, Edinho, Marcos Assunção e Rivaldo. O Santos passou a encontrar dificuldades para achar espaços e tocar a bola. Aos 9min, os visitantes assustaram pela primeira vez em chute de Valdivia, que errou o alvo.

Os santistas mantinham a posse de bola, mas sofriam com a forte marcação. Até Valdivia voltava para ajudar, dificultando as subidas de Arouca e Roberto Brum. Aos 12min, Neymar ganhou no corpo de Marcos Assunção pela direita e cruzou na boca do gol, mas Marcel não alcançou.

Marquinhos sentiu lesão e foi sacado aos 16min para a entrada do garoto Alan Patrick, que melhorou a movimentação do meio de campo. Porém, o Palmeiras abriu o placar três minutos depois, em jogada de sua dupla de frente: Valdivia controlou bola na área, protegeu bem e ajeitou para Kleber, que pegou um chute forte de esquerda e balançou as redes do goleiro Rafael.

A equipe de Felipão manteve a postura recuada após o gol e continuou com a marcação agressiva no meio de campo. Sem espaços para entrar na área, o Santos tentou arriscar de longe: aos 26min, Alan Patrick chutou e obrigou Deola a fazer boa defesa.

Atrás no placar, os anfitriões foram para cima até o fim do primeiro tempo, mas deixaram espaços para o contragolpe. Valdivia fez bem seu trabalho de segurar a bola e o Palmeiras teve outra chance de marcar aos 45min, em chute forte de Vítor que parou no travessão de Rafael.

O técnico Marcelo Martelotte voltou com uma alteração para a segunda etapa: Zé Eduardo entrou no lugar de Pará para jogar no ataque, deslocando Danilo para a lateral direita. O Santos continuou pressionando e Neymar passou a se movimentar mais, caindo muitas vezes pelo lado direito, confundindo a marcação e levando perigo.

A resistência da defesa palmeirense finalmente foi vencida aos 7min, após linda jogada individual de Alan Patrick. O meia avançou pela esquerda, driblou dois marcadores e chutou mal; porém, o zagueiro Danilo esticou o pé e desviou a bola do caminho de Deola, deixando tudo igual no placar.

A virada da equipe da casa quase veio aos 17min, quando Neymar levantou bola na área em cobrança de falta e Edu Dracena desviou por cima do travessão. Com 20min, Marcos Assunção teve grande chance em cobrança de falta frontal ao gol santista; a batida passou perto da trave, mas foi para fora.

O ritmo da partida diminuiu após os 25min, com as duas equipes aparentando cansaço. O Palmeiras recuou de vez, mas os donos da casa seguiam com dificuldades para furar a marcação, e as chances de gol rarearam. Neymar assustou a torcida ao ficar caído por alguns minutos no meio do gramado, sentindo dores no pé, mas se recuperou e seguiu no jogo.

O Santos conseguiu chegar de novo aos 38min, aproveitando uma rara subida ao ataque do time alviverde para ameaçar no contragolpe. Neymar deu belo drible na entrada da área e bateu colocado de pé esquerdo, mas Deola segurou firme, na última chance clara do clássico.

Fonte: Terra, www.terra.com.br