Palmeiras vence e amplia a liderança

na próxima rodada, o Sport enfrenta o Fluminense, no Maracanã, e o Palmeiras joga contra o Grêmio

Precisou o Sport perder o volante Hamilton, expulso, para o Palmeiras fugir da pasmaceira que tornava o jogo deste sábado, na Ilha do Retiro, muito chato. O jogo se arrastava para um empate sem gols e sem graça, quando o Verdão, com a vantagem de ter um jogador mais, conseguiu o seu gol. Ainda assim, dependeu da forcinha do lateral-esquerdo Bruno Telles, do Leão, que mandou a bola para rede ao tentar cortar cruzamento de Obina (assista no vídeo ao lado). Com o 1 a 0, a equipe do Palestra Itália dispara na liderança do Brasileirão, com 34 pontos, seis a mais que o Atlético-MG, que joganeste domingo contra o Coritiba. Nunca na história dos pontos corridos um time havia chegado à 16ª rodada com tantos pontos. Já o Sport segue na zona de rebaixamento, em 17º lugar, com 13. Dependendo dos resultados deste domingo, o Leão pode descer ainda mais.

Na próxima rodada, o Sport enfrenta o Fluminense, no Maracanã, e o Palmeiras joga contra o Grêmio, no Palestra Itália. Os dois jogos serão quinta-feira, às 21h (horário de Brasília).

Verdão aperta mais, mas placar fica zerado

Os dois times entraram em campo com formações idênticas: três zagueiros, seis jogadores no meio e apenas um atacante. No Verdão, Cleiton Xavier e Diego Souza tinham a missão de encostar em Obina. No Leão, Fabiano e Luciano Henrique tentavam não deixar Ciro tão isolado. No início, o Palmeiras combinou melhor os passes, teve mais a bola e mostrou-se mais entrosado com essa formação alternativa. Cleiton Xavier, bem mais adiantado do que nos tempos de Vanderlei Luxemburgo, aparecia bem, com bastante mobilidade.

Com cinco minutos, o Verdão já havia criado duas boas chances: aos 3, após ótimo cruzamento de Armero, Pierre apareceu sozinho na área, mas mostrou porque é volante e não atacante: ele pareceu se assustar com a grande chance e mandou a bola por cima da baliza, com um chute torto. Em seguida, Cleiton recebeu na entrada da área, balançou à frente do marcador, e chutou rasteiro. A bola passou à direita.

O Sport tinha dificuldades para sair jogando. Desperdiçava passes no meio e, com isso, atraía o Palmeiras. Diferentemente do que costuma acontecer na Ilha do Retiro, o Leão não marcou a saída de bola para pressionar o adversário. Ficou acuado explorando contra-ataques. Tanto que só apareceu com perigo pela primeira vez aos 21, quando Fabiano surgiu livre no meio da zaga palmeirense e errou o alvo da cabeçada. Mandou por cima.

A partir dos 30 minutos, os times diminuíram o ritmo. Optaram por trocar passes de lado e só levaram algum perigo em jogadas de escanteio: Mauricio Ramos, aos 40, obrigou Magrão a fazer boa defesa, numa cabeçada. Aos 43, foi César, também de cabeça, após tiro canto, quem fez Marcos trabalhar.

Com um a mais, Verdão garante vitória

O segundo tempo começou na mesma toada: muito zagueiro e volante em campo e nenhuma jogada de perigo. Só marcação, divididas e chutões. O Palmeiras tentava colocar a bola no chão, mas o Sport desarmava bem. O problema é que o time pernambucano não sabia o que fazer com a bola.

O panorama mudou aos 17, quando Hamilton atropelou Diego Souza com um carrinho bastante perigoso e acabou expulso. A saída do volante abriu espaço para o Verdão criar jogadas e o resultado disso veio logo aos 24. Obina recebeu pela esquerda e cruzou rasteiro na direção de Cleiton Xavier. O lateral Bruno Telles tentou cortar, mas acabou empurrando para a rede. Com uma baita força do rival, o líder saía na frente.

Após o gol, o Palmeiras apenas controlou o jogo, buscando o ataque de vem em quando. Dava até para ampliar: aos 43, Cleiton Xavier recebeu sozinho dentro da área, ajeitou, mas mandou por cima. O Sport não tinha força, nem jogadores, para levar perigo ao time visitante e o jogo ficou nisso.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com