Paralimpíada celebra união e consagra capacidade do Brasil

Encerramento dos Jogos Paralímpicos põe fim em série de eventos

Uma noite para celebrar a capacidade! A capacidade de unirforças. A capacidade de respeitar as diferenças. A capacidade do Brasil derealizar tudo que se propõe. Coube aos atletas paralímpicos consagrar um cicloque teve início há quase uma década - lá em 2007, com os Jogos Pan e Parapan-Americanos-, passou por Copa das Confederações, Copa do Mundo, Olimpíada e acabou emgrande estilo com a Paralimpíada. Mais emblemático impossível. Logo eles, tãocolocados à prova diante dos percalços da vida, e que mostram que, apesar dasdesconfianças, tudo é possível. Tal qual o Brasil. Muitos questionaram,duvidaram, previram o pior. Mas a festa de encerramento da noite deste domingono Maracanã serviu para lavar a alma e deixar até o mais pessimista dosbrasileiros de sorriso escancarado com a sensação do dever cumprido.

No mesmo padrão das outras cerimônias que marcaram a Rio2016, o encerramento não contou com luxo ou extravagâncias. Por outro lado,sobrou empolgação e animação. A diversidade musical brasileira, que foi do rockpesado de Andreas Kisser até toda alegria de Ivete Sangalo, ditou literalmenteo ritmo do público que lotou o estádio. Em seu discurso, o presidente do Comitê Organizador dos Jogos, Carlos Arthur Nuzman, se dirigiu aos iranianos e lamentou a morte do ciclista Bahman Golbarnezhad, na tarde de sábado. Em seguida, foi a vez de Sir Philip Craven, presidente do IPC, pedir um minuto de silêncio.

Como não podia deixar de ser, o eventofoi marcado também pela inclusão social. Reproduzido no gigantesco telão colocado no palco, o GoogleTradutor fez o papel de apresentador do espetáculo, que contou a todo instantecom a união de artistas com e sem deficiência. O Maracanã se tornou um grande salãode festas para celebrar as realizações de um país que não escondeu suas muitascarências, mas foi capaz de lidar com elas.

Image title

Image title

Fonte: Com informações do Globoesporte.com