Por transferências ilegais, Fifa proíbe Barcelona fazer contratos até 2015

Clube catalão é punido por "graves infrações relacionadas a transferências de jovens jogadores"

A crise do Barcelona fora dos gramados parece não ter fim nesta temporada. A Comissão Disciplinar da Fifa anunciou, nesta quarta-feira, que o clube catalão está proibido de realizar contratações nas duas próximas janelas de mercado - uma punição por "infrações relacionadas a transferências e inscrições de jogadores menores de 18 anos estrangeiros", entre 2009 e 2013.


Por transferências ilegais, Fifa proíbe Barça de contratar por uma temporada

Por transferências ilegais, Fifa proíbe Barça de contratar por uma temporada

Desta forma, o Barça não poder realizar transações tanto nacionais quanto internacionais até a janela do verão europeu de 2015 e ainda terá de pagar uma multa de 450 mil francos suíços (R$ 1,1 milhão). Além disso, o clube catalão será obrigado a regularizar a situação legal de todos os menores envolvidos em até 90 dias.

A investigação, segundo comunicado da Fifa, já durava um ano e envolvia, também, a Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF), que foi punida com multa de 500 mil francos suíços (R$ 1,3 milhões). As duas entidades teriam violado regras do Estatuto de Transferência de Jogadores, que afirma que atletas só podem ser envolvidos em transferências internacionais após completarem 18 anos, exceto em casos especiais avaliados pela Fifa.

- No que diz respeito ao caso em questão, o FC Barcelona foi flagrado em violação do artigo 19 do Regulamento no caso de 10 jogadores menores e outras infrações simultâneas no contexto de outros jogadores - diz o comunicado.

O Barcelona tem a política de busca de jovens talentos em outros países há alguns anos. Além de buscar estrangeiros muito novos para compor sua categoria de base - como é o caso de Messi -, o clube tenta assegurar o passe de promessas assim que possível, como fez com o croata Alen Halilovic, de 17 anos, na atual temporada.

A grave sanção promete deixar o ambiente político no clube ainda mais conturbado, uma vez que, nesta temporada, o presidente Sandro Rosell renunciou ao cargo após a polêmica sobre os valores da transferência de Neymar. O clube já se preparava para buscar reforços para posições carentes do elenco, como o gol e a zaga.

Fonte: GloboEsporte