Portuguesa vence e tira o Botafogo do G-4

A julgar pelas primeiras etapas, até que tudo dava certo, mas o final não foi nada feliz

O Botafogo entrou em campo com a miss?o de derrotar a Portuguesa e secar o Cruzeiro, que enfrentava o Figueirense em Florian?polis, para subir na tabela. A julgar pelas primeiras etapas, at? que tudo dava certo, mas o final n?o foi nada feliz. Derrota por 3 a 1 no Canind?, em partida v?lida pela 26? rodada do Brasileir?o, e triunfo da Raposa no Orlando Scarpelli, 4 a 3.

Edno, duas vezes, e Fellype Gabriel marcaram os gols da Portuguesa, que ultrapassou Ipatinga e Fluminense e deixou a lanterna. Agora ? 18?, com 25 pontos. Wellington Paulista descontou para o Alvinegro, que foi superado pelo S?o Paulo e est? fora do G-4, em quinto, com 42 pontos.

Fog?o sai na frente

Por causa da situa??o delicada na tabela, a Portuguesa come?ou a partida de forma cautelosa, procurando se fechar na defesa. O Botafogo tentou se impor tomando a iniciativa do ataque. No entanto, a equipe tocava a bola se muita objetividade, e com isso n?o criava muitos problemas para o advers?rio.

Com o passar dos minutos, a Portuguesa foi se soltando, j? que o Botafogo pouco amea?ava. Assim, a Lusa foi apostando nos contra-ataques como a forma de surpreender o Botafogo. A equipe criou uma boa chance aos 19 minutos, quando, depois de uma jogada de lateral, Edno recebeu lan?amento e ficou frente a frente com Castillo. Mas Edson fez o desarme no momento da conclus?o.

O Botafogo at? que encontrava espa?os para trabalhar, principalmente pelas laterais do campo. Mas o time pecava na hora de concluir, n?o conseguindo ter a organiza??o suficiente para chegar em boas condi?es. Apenas numa jogada isolada o Alvinegro criou perigo real pela primeira vez aos 29 minutos. Depois de uma cobran?a de escanteio, a zaga da Portuguesa rebateu, e a bola sobrou para Carlos Alberto, que mandou a bomba de fora da ?rea. Andr? Lu?s defendeu, e Edson ficou com o rebote, mas o ?rbitro assinalou impedimento do zagueiro.

Esse lance aconteceu poucos minutos depois de um choque entre Patr?cio e Jorge Henrique. O atacante levou a pior na pancada e cortou o superc?lio, precisando de atendimento e voltando ao campo depois de o m?dico fazer um curativo no local.

A Portuguesa se animou e continuou pressionando o Botafogo, e chegou muito perto do gol aos 33 minutos. Rai arriscou de fora da ?rea, e a bola raspou no travess?o de Castillo antes de ir para fora. Nesse momento a partida estava aberta, com as duas equipes buscando o ataque, mas ao mesmo tempo pegada. Eram muitos os lances r?spidos e as reclama?es de falta por parte das duas equipes.

E foi o Botafogo quem abriu o placar, aos 42 minutos. Triguinho cruzou pelo lado esquerdo e encontrou Carlos Alberto na ?rea. Ele ajeitou conscientemente de cabe?a para Wellington Paulista, que subiu e, tamb?m de cabe?a, empurrou para o gol, fazendo 1 a 0. Del?rio do bom n?mero de torcedores alvinegros no Canind?, que viram de perto a comemora??o curiosa do atacante, que, ao lado de Carlos Alberto e Edson, simulou estar dirigindo um carro.

O time carioca poderia ter ampliado pouco antes do intervalo, depois que T?lio arrancou e ficou frente a frente com Andr? Lu?s, mas deu um toque a mais na bola se enrolou na hora de concluir.

Mudan?a no intervalo e brilho de Edno

O t?cnico Estevam Soares decidiu fazer durante o intervalo duas mudan?as que deixaram a Portuguesa. Com o meia Fellype Gabriel e o atacante Vaguinho em campo, o time da casa assustou logo aos seis minutos, quando Fellype Gabriel acertou um belo chute, mas Castillo saltou no canto direito para fazer uma bela defesa.

E no momento em que a torcida do Botafogo comemorava a virada do Figueirense em cima do Cruzeiro, a Portuguesa chegou ao empate, aos nove minutos. Ap?s cruzamento, Castillo espalmou para o meio da ?rea, e a bola sobrou limpa para Fellype Gabriel, que empurrou para o fundo da rede e fez 1 a 1. No lance, o goleiro se chocou com Edno e precisou ser substitu?do por Renan.

O gol incendiou a Portuguesa, que partiu para cima do Botafogo. O time alvinegro se mostrava nervoso e desorganizado, principalmente na defesa, permitindo que a equipe da casa chegasse com facilidade e levasse perigo, principalmente nas jogadas a?reas.

A insist?ncia da Lusa foi premiada aos 30 minutos. Apenas alguns segundos depois de o sistema de som do Canind? anunciar o placar de Cruzeiro 4 x 3 Figueirense, o Botafogo sofreu mais um golpe. Edno recebeu lan?amento e chutou forte, no canto esquerdo de Renan, fazendo o segundo. O lance gerou uma discuss?o entre Renato Silva e Thiaguinho, e logo em seguida o t?cnico Ney Franco substituiu o lateral por Alessandro.

O mesmo Edno, que j? havia sido o her?i da vit?ria por 1 a 0 no Engenh?o, no primeiro turno, recebeu lindo lan?amento de Patr?cio, aos 38, avan?ou sem marca??o, driblou Renan e decretou a vit?ria, que encerrou um jejum de seis partidas da Lusa e p?s fim a s?rie de quatro vit?rias consecutivas fora de casa do Glorioso.

Fonte: Globo Esporte