Preso em outro estado 2º envolvido na morte de torcedor por vaso no Arruda

O suspeito Luiz Cabral de Araújo Neto foi encontrado na cidade de Monte das Gamaleiras, no Rio Grande do Norte


Preso em outro estado 2º envolvido na morte de torcedor por vaso no Arruda

Após prender o primeiro suspeito de participar da morte do torcedor Paulo Ricardo Gomes da Silva, atingido por um vaso sanitário ao deixar o Arruda na partida entre Santa Cruz e Paraná, a polícia deteve mais um acusado de ter participado do crime. O suspeito Luiz Cabral de Araújo Neto foi encontrado na cidade de Monte das Gamaleiras, no Rio Grande do Norte, e chegou esta manhã à sede do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP).

A prisão de Cabral foi efetuada por volta das 7h da manhã desta quinta-feira, num hospital na cidade de Monte das Gamleiras. Ele estava no local pegando alguns remédios controlados que faz uso. Assim que efetuaram a prisão, os policiais foram com o suspeito até a sua casa, na cidade de Passa e Fica, também no interior do Rio Grande do Norte, e encontraram vários materiais da principal e de outras torcidas organizadas do Santa Cruz.

De acordo com policiais que participaram da prisão, ele confessou ser responsável por jogar um dos vasos que matou o torcedor. Ainda segundo Luiz Cabral de Araújo Neto, a outra privada foi arremessada pela pessoa que ainda está foragida. Everton Felipe Santiago de Santana, que foi preso na última segunda-feira, teria ajudado a retirar os vasos e ajudado a levar até a arquibancada. A história foi confirmada no seu depoimento, que durou cerca de três horas.

A polícia chegou ao novo suspeito depois do depoimento de Everton Felipe, o primeiro a ser preso. Ele identificou o rapaz e informou onde a família dele morava. A mãe de Luiz Cabral foi encontrada na última terça-feira e informou o endereço onde o filho morava e trabalhava.

Os policiais ainda procuram pelo terceiro envolvido no crime, que já foi identificado como Waldir Pessoa Firmo Junior. Eles devem responder por homicídio qualificado, que prevê uma pena de 12 a 30 anos. A delegada responsável pelo caso, Glêide Ângelo, ainda não se pronunciou oficialmente sobre as prisões.

Advogado de Cabral revela intenção do crime

Ao fim do depoimento de Luiz Cabral de Araújo Neto, o seu advogado, Carlos Alberto Rodrigues Lima, deixou a sede do DHPP e revelou para todos o que se passou na cabeça do seu cliente para ter jogado uma privada num grupo de torcedores rivais. Segundo ele, uma possível briga em uma partida entre Santa Cruz e Sport teria sido o início de tudo.

- Ele confessou o delito e disse que foi levado a fazer isso por uma crise com a Torcida Jovem do Sport, mais precisamente com o presidente dela, com quem teve uma briga neste ano. Ele queria se vingar, achou que teria visto o Marinho - presidente da organizada rubro-negra - no jogo e se deixou levar pela oportunidade. A intenção dele era de matar apenas o presidente.

O advogado revelou ainda que a briga com o presidente da organizada do Sport e, mais do que isso, o assassinato do torcedor, já começa a render a Luiz Cabral novas consequências.

- Temo pela vida dele. Ele já está sendo ameaçado de morte por pessoas que estão no presídio e que estão revoltadas com esse caso.

Carlos Alberto Rodrigues Lima chegou à sede do DHPP antes até da chegada de Luiz Cabral, mas não acompanhou o depoimento do seu cliente. Segundo ele, foi uma estratégia adotada pela defesa.

Entenda o caso

Na última sexta-feira, Paulo Ricardo Gomes faleceu depois da partida entre Santa Cruz e Paraná, pela Série B do Campeonato Brasileiro. Quando passava próximo ao portão 6 do Arruda, destinado à torcida visitante, ele foi atingido por um vaso sanitário jogado da parte superior da arquibancada. Além dele, outras três pessoas foram feridas, mas estão fora de perigo.

Integrante da maior torcida uniformizada do Sport, ele saiu de casa com uma missão: tirar fotos da uniformizada do Paraná - uma prática comum entre torcidas aliadas em diferentes estados. Na câmera encontrada pelos bombeiros dentro da bolsa da vítima, havia vários registros do jogo.

Por conta do ocorrido, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) interditou preventivamente o estádio do Arruda, obrigando o Santa Cruz a atuar nas duas próximas partidas nos Aflitos e com os portões fechados.

Tentando atenuar a pena, o Tricolor colaborou com as investigações e disponibilizou as imagens das 16 câmeras internas do estádio para a polícia. Ação que fez o coronel Flávio Bione, diretor de segurança do Santa Cruz, ser ameaçado de morte.

Mas foi através do Disque-Denúncia que a polícia chegou ao primeiro envolvido. Everton Felipe foi preso na última segunda-feira na frente de uma escola onde trabalhava, no bairro de Ouro Preto, Olinda. Integrante da maior organizada do Santa Cruz, ele responde a processo na Justiça por porte de arma e já havia se envolvido em uma briga generalizada, no dia 6 de fevereiro, quando a equipe coral enfrentou o CRB, no estádio Rei Pelé, em Maceió, em 2013, pela Copa do Nordeste. A confusão fez o clube ser punido por três jogos de suspensão.

Fonte: GloboEsporte