Referência no Palmeiras, Pierre diz que largou a bebida para salvar a carreira

Volante lembra da época em que chegava a virar noites na balada e ia direto para os treinos, onde tomava caldo de cana para curar as ressacas

Quem conhece o volante Pierre atualmente, destaca sempre o profissionalismo e diz que o jogador do Palmeiras, aos 27 anos, é exemplo para quem está começando hoje no futebol. Mas nem sempre foi assim. O próprio jogador reconheceu que, no início da carreira, abusou da bebida, sumia de casa durante dois dias seguidos e cansou de ir para os treinamentos após varar a noite nas baladas.

- Rapaz, o que eu já aprontei não foi brincadeira. Eu me deslumbrei quando cheguei ao Ituano (em 2001). Antes de vir para cá, eu trabalhava numa banca do jogo do bicho em Itororó (BA). Tinha bigodinho ainda e ganhava R$ 15 por dia. De repente, vim para São Paulo para jogar no Ituano e com um salário razoável. Caí na balada. Bebia muito, muito mesmo - contou o jogador. A mulher, Moema, foi firme e, mesmo nos momentos mais difíceis, ficou ao lado do jogador. Ela conta que chegou a pensar em abandonar tudo.

"O que eu já aprontei não foi brincadeira. Bebia muito..." - Ele saía de casa na sexta e dizia que iria concentrar e que só voltaria na segunda. Eu cansei de levar caldo de cana para curar a ressaca dele porque ela estava com muita dor e precisava treinar. Felizmente, ele percebeu que isso não era vida e resolveu mudar - contou a mulher, que está junto com Pierre há dez anos. Pierre começou a mudar quando ainda estava no Ituano. Por influência de outros jogadores do clube, passou a frequentar a igreja e não parou mais. Ele mesmo concorda que exagerou e deixa claro que, se não tivesse mudado sua postura, sua carreira já teria acabado.

- Estava indo para um caminho sem fim. Se tivesse continuado, certamente não estaria no Palmeiras hoje. Não bebo há cinco anos e o importante é que agora eu posso dar conselhos a muitos jogadores. A vida que eu levei não vale à pena, não recomendo a ninguém - ressaltou. Com a guinada que deu na carreira, Pierre cresceu, chegou ao Palmeiras e hoje é ídolo da torcida. Ele, no entanto, diz que ainda não merece esse status. - Eu ainda acho que preciso ganhar alguns títulos para ser ídolo. É por isso que fico mais anguistiado quando estou do lado de fora.

O momento do time é maravilhoso e sei que vamos brigar pelo Campeonato Brasileiro até o final. Queria estará lá para ajudar. Mas sem dúvida, ter tanto carinho da torcida é muito especial - concluiu o guerreiro palmeirense.

Fonte: Globo Esporte