Revista questiona "geração perdida de jogadores do Brasil que poderia ter vencido a Copa 2014"

Revista questiona "geração perdida de jogadores do Brasil que poderia ter vencido a Copa 2014"

Conceituada publicação britânica “FourFourTwo” procura explicar ausência de seis jogadores

A conceituada revista britânica ?FourFourTwo? publicou uma matéria questionando onde estão os jogadores que deveriam ter liderado a Seleção no último Mundial. Chamando de ?geração perdida do Brasil que poderia ter vencido a Copa do Mundo?, a publicação destaca, em especial, seis nomes que deixaram de ajudar a equipe de Felipão na competição: Alexandre Pato, Ronaldinho Gaúcho, Adriano, Leandro Damião, Kaká e Paulo Henrique Ganso.

Sem citar o nome de Robinho, outro que despontou como craque e não esteve na Copa, a matéria da revista, assinada pelo jornalista Mauricio Savarese, explica para os seus leitores onde estão esses jogadores atualmente e citam os substitutos deles na Copa do Mundo. Mas lembra que alguns deles podem estar na Rússia em 2018.

A revista lembra que Pato, por exemplo, tem sido reserva no São Paulo, como na partida contra o Bahia pela Copa do Brasil, enquanto o camisa 9 do Brasil na Copa foi Fred. Perto de lá, nas palavras da revista, Ronaldinho está chateado no Atlético-MG e foi apenas coadjuvante da equipe na final da Recopa contra o Lanús, destacando que o número 11 da Seleção foi Oscar.

Quando fala de Adriano, a ?FourFourTwo? lembra da decadência do Imperador, diz que ele deixou o Atlético-PR após quatro partidas apagadas, cita a venda de sua mansão na Barra da Tijuca e diz que ele seria o suposto dono da 7 no lugar de Hulk. A revista diz ainda que Damião está sendo criticado no Santos, enfrenta os problemas físicos, mas seria ele o nome esperado para a vaga de Jô.

A revista ainda lembra que Paulinho usou a camisa 8 na Seleção, ao citar Kaká, e questiona também a fase de Ganso, após as expectativas criadas em torno de seu início no Santos ao lado de Neymar. Diz que, após duas graves lesões no joelho, o jovem meia ainda gera dúvidas e, apesar de seus toques refinados na bola, ele ainda precisa ?participar mais coletivamente? antes de jogar em alto nível na Europa ou na Seleção.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com