São Paulo entrega camisa 8 para o ex-rival Paulo Henrique Ganso; contrato é de 5 anos

São Paulo entrega camisa 8 para o ex-rival Paulo Henrique Ganso; contrato é de 5 anos

Após longa negociação, reviravoltas e concorrência do Grêmio, jogador bate o pé e Santos aceita receber R$ 23,9 milhões para vender o meia.

Ganso é do São Paulo pelos próximos cinco anos. Foram 32 dias de novela desde que a primeira proposta foi oficializada pelo meia. Uma novela com reviravoltas, romances, separações, brigas e final feliz para o Tricolor e o jogador, que sempre torceu pelo sucesso da negociação. No começo da madrugada desta sexta-feira, enfim, o clube acertou a contratação junto ao Santos, que vai receber R$ 23,9 milhões, um pouco mais do que os 45% dos direitos econômicos que possuía.

O meia foi à Vila Belmiro e assinou a rescisão e o novo contrato, pouco antes da 1h desta sexta. Cerca de dez minutos depois o nome e a foto dele já não constavam mais no site oficial do Santos, na relação do elenco principal.

Os dois clubes, porém, só confirmaram a notícia em suas respectivas páginas na internet por volta das 2h20. A nota oficial do Santos é extensa - tem 13 tópicos explicando a negociação, sendo o principal problema a pendência judicial com a DIS

- Conquistei e construí minha história aqui. Tenho a consciência de que fiz meu melhor. Saio com a sensação de dever cumprido ? disse Ganso, às 2h40, ao deixar a Vila Belmiro.

- Todo o esforço valeu a pena ? emendou Adalberto Baptista, diretor de futebol do São Paulo, ao lado do meia.

Na nova divisão, o Tricolor, que desembolsou R$ 16,4 milhões, terá 32% dos direitos de Ganso, enquanto o DIS, que injetou R$ 7,5 milhões para viabilizar a transferência, amplia sua porcentagem sobre o atleta de 55% para 68%.

No futuro, se o São Paulo vender o jogador por um valor superior, o clube da Baixada ainda terá direito a 5% do lucro obtido pelo rival. Na quarta, pela manhã, o Santos aceitou a nova proposta, mas avisou que não liberaria Ganso enquanto as pendências jurídicas com a DIS não fossem resolvidas. Ocorreram novas reuniões, inclusive com a participação do jogador, que faltou três dias seguidos a sessões de fisioterapia no CT Rei Pelé e exigiu uma definição das partes. À noite, na Vila Belmiro, o martelo foi batido. Antes, porém, Ganso já havia posado para fotos e gravado um depoimento para a equipe do site oficial do Morumbi.

- O que mais pesou foi o histórico do clube, com sua história de grandeza, conquistas e ídolos. Muitas pessoas conversaram comigo, como o Pita (ex-jogador que trocou o Santos pelo Tricolor em 1984), que mostrou um pouco mais da importância do São Paulo no futebol mundial - disse Ganso.

- Em determinado momento da negociação, fiquei preocupado, de tão cansativa que ela estava, mas nunca desisti. Foi tudo feito de forma consciente e da maneira correta e hoje posso dizer que estou muito feliz por acertar com o São Paulo. Durante todo esse tempo tive proposta do Santos, do Grêmio e do Flamengo, que são todos grandes clubes, mas o São Paulo foi o que mais mexeu com meu sentimento. O clube me deixou com muita vontade de jogar e representar bem essa camisa, retribuindo também todo o carinho que venho recebendo dos torcedores. Estou muito feliz. Uma alegria muito grande. É um sentimento único poder representar esse grande clube de nosso país - emendou o meia.

O primeiro acordo verbal entre as partes foi fechado na noite da última sexta-feira, quando São Paulo e DIS se reuniram, acertaram uma composição financeira e informaram ao Santos que pagariam o valor exigido. Nesse mesmo dia, à tarde, Paulo Henrique conversou com o presidente Juvenal Juvêncio por telefone e reiterou seu desejo de atuar no Morumbi. Porém, na última segunda, para surpresa de todos e desespero de Ganso, o Comitê de Gestão que administra o Santos mudou de ideia e disse ter recusado a oferta, despertando uma série de versões conflitantes sobre o motivo de o acordo de sexta não ter sido formalizado.

Peixe afirmou que o documento não atendia aos interesses do clube. O grande problema foi o desejo de que o DIS aceitasse retirar as pendências judiciais que tem com o Santos, relativas às vendas do volante Wesley e do atacante André para Werder Bremen e Dínamo de Kiev, respectivamente, em 2010. A exigência revoltou os investidores, que recentemente ganharam na Justiça o direito de penhora de 20% das receitas do clube. No acerto, ficou decidido que, em vez de dinheiro, o Santos passaria a ter o CT Meninos da Vila penhorado.

Outro fator divergente era a forma de pagamento. O Santos gostaria de receber à vista, mas o São Paulo se propôs a pagar R$ 12 milhões imediatamente e os R$ 11,8 milhões restantes até o fim de janeiro de 2013 - isso, claro, já incluindo aí o montante que seria bancado pela DIS, já que o investimento total do Tricolor seria mesmo de R$ 16,4 milhões..

Na terça-feira, houve o segundo acerto. Juvenal e Adalberto Baptista, diretor de futebol do São Paulo, se encontraram com Luis Alvaro pela manhã e resolveram as pendências entre eles. O Tricolor topou os termos exigidos e enviou a proposta com pagamento à vista.

Meia jogou ao lado do Tricolor paulista

A vontade de Ganso foi determinante. Primeiro ele demonstrou a Laor toda sua irritação pela recusa da oferta. Depois, em contato com Vanderlei Luxemburgo, reafirmou que queria jogar no São Paulo, o que provocou a desistência do Grêmio de contratá-lo. O desejo de Laor era ver Ganso na equipe gaúcha, para que ele não atuasse num rival estadual, mas esbarrou na resistência do atleta e do DIS.

É que Delcir Sonda, presidente do grupo, é parceiro e torcedor do Internacional, e não admite ver seus clientes no Olímpico. Por isso, o DIS abriu mão de sua parte na transferência (55% do valor), ajudou o São Paulo financeiramente e acabou ampliando sua porcentagem sobre Ganso. O contrato terá duração de cinco anos.

Os capítulos da novela Ganso

No dia 21 de agosto, o clube do Morumbi ofereceu R$ 23 milhões, mas para adquirir os 100% do atleta. Seriam R$ 10,7 milhões ao Santos e o restante para a DIS. A oferta seguinte superou os R$ 28 milhões (R$ 12,6 mi para o Peixe), mas Laor emitiu uma nota, afirmando que só negociaria o jogador pelo valor integral da multa: R$ 53 milhões.

Na última quarta-feira, pela primeira vez, o presidente santista abaixou a guarda e admitiu receber só os 45% que lhe cabiam. Foi então que o Grêmio surgiu com força e sinalizou a Laor que estava disposto a pagar.

Mas Ganso deixou claro aos envolvidos sua preferência desde o início. Tanto que afirmou publicamente que ?seria um prazer jogar no São Paulo", e por diversas vezes pediu a Adalberto Baptista que fechasse a contratação, além de ter recusado todas as ofertas de aumento salarial feitas pelo Santos, o que irritou Luis Alvaro. Ele vê no Tricolor a melhor alternativa para recuperar seu futebol e voltar a ser convocado por Mano Menezes. O meia teve o aval do médico da seleção brasileira, José Luiz Runco, que foi consultado pelo Tricolor e informou que ele não tem nenhum problema crônico. O fisioterapeuta do São Paulo é Luiz Rosan, que trabalha também na Seleção e conhece bem o jogador.

A novela teve diversos personagens coadjuvantes. Primeiro foi Ney Franco, que, animado com a possibilidade de ter o meia, admitiu, ainda no dia 21 de agosto, já ter desenhado um campinho com Ganso em seu time. A frase irritou o colega Muricy Ramalho, que sempre pediu publicamente a permanência do jogador. Ney se viu obrigado a pedir desculpas.

Na última quinta-feira, o diretor de futebol do Grêmio, Paulo Pelaipe, afirmou que havia chegado a um "denominador comum" com todas as partes da negociação e que a contratação de Ganso era uma tendência. A torcida se empolgou, em vão.

A relação entre São Paulo e Santos chegou a ficar estremecida durante a negociação. No dia 30 de agosto, pessoas ligadas ao clube da Baixada espalharam a informação de que o rival havia desistido da contratação de Ganso. Como resposta, o Tricolor enviou uma nova oferta e o jogador se irritou com a suposta mentira dos alvinegros. Em seguida, Laor reclamou aliciamento e ameaçou denunciar o São Paulo na Fifa. Adalberto respondeu com panos quentes. Agora, com a contratação definida, os dirigentes também voltaram às boas.

No São Paulo, Ganso usará a camisa 8, que pertence a Fabrício. O volante teve uma lesão séria no joelho e só voltará a jogar em 2013. Com cinco jogos disputados (o limite são seis), ele poderá ser inscrito no Campeonato Brasileiro até sexta-feira. Na Sul-Americana, Ganso vai entrar no lugar de algum dos 25 relacionados antes da próxima fase.

Fonte: GloboEsporte