São Paulo vence o Cruzeiro por 2 a 0

As equipes voltam a se enfrentar na próxima quarta-feira, às 21h50m, no Morumbi.

A história não se repetiu no Mineirão. No primeiro round da luta pela vaga nas semifinais da Taça Libertadores da América, o São Paulo deu o troco pela derrota sofrida no Mineirão em 2009, e bateu o Cruzeiro por 2 a 0, em Belo Horizonte, na noite desta quarta-feira. Com o estreante Fernandão mostrando perfeito entrosamento com a nova equipe, Dagoberto e Hernanes balançaram as redes mineiras e puseram o Tricolor Paulista em vantagem na disputa.

As equipes voltam a se enfrentar na próxima quarta-feira, às 21h50m, no Morumbi. Para fazer como na edição passada da competição e eliminar os são-paulinios, a Raposa precisa de uma vitória por três gols de diferença. Caso vença por 2 a 0, a decisão vai para os pênaltis.

Jogadores comemoram, Cruzeiro x São PauloDagoberto, Marlos, Fernandão e Hernanes comemoram no Mineirão (Foto: AFP)

Em jogo nervoso, são-paulinos abrem o placar

O nervosismo mandou no início de jogo. Por parte do Cruzeiro, muitas faltas, enquanto os são-paulinos exageravam nos passes errados. Os visitantes levaram o primeiro susto em cobrança de escanteio, aos nove minutos do primeiro tempo. Henrique subiu mais que Richarlyson e cabeceou forte para o gol. Rogério Ceni fez bela defesa, em cima da linha, mas a arbitragem invalidou o lance porque Kleber, em posição irregular, participou do lance, atrapalhando a visão do goleiro e tentando desviar a bola.

Os cruzeirenses mantiveram a pressão. Aos 13, Diego Renan fez o passe para Kleber, que invadiu a área pela esquerda, driblou dois zagueiros e chutou rasteiro com força, mas Ceni defendeu mais uma.

Os tricolores investiam tudo nos contra-ataques, sempre buscando o estreante Fernandão no ataque. Aos 21, Marlos fez o passe para o novo camisa 15 do Morumbi, na entrada da área cruzeirense. De costas para a meta, Fernandão passou de primeira para Dagoberto, que foi à linha de fundo, pela esquerda, e tentou o cruzamento rasteiro, mas Thiago Heleno se antecipou e afastou o perigo.

Foi como um ensaio para o que estava por vir. Aos 24, Marlos tabelou com Fernandão, que fez belo passe pelo alto e devolveu para o meia nas costas da zaga. No cruzamento, Dagoberto ganhou a disputa com os defensores e desviou para as redes.

Os jogadores da Raposa tiveram trabalho para se reorganizar. Aos 31, Kleber recebeu belo passe de Fabrício, dentro da área, se livrou de dois marcadores e tentou um toque sutil para o gol, mas Rogério Ceni apareceu e cortou com um soco. Os anfitriões voltaram a levar perigo aos 40, quando Thiago Ribeiro subiu mais que a zaga paulista, em cruzamento de Jonathan, mas cabeceou para fora.

Arbitragem erra, e são-paulinos contam com a sorte

As equipes voltaram dos vestiários sem alterações, mas enquanto o Cruzeiro demonstrava disposição renovada para correr atrás do prejuízo, o São Paulo cresceu em confiança com o gol, e buscou seu espaço em campo. Mas, assim como na etapa inicial, a Raposa teve a primeira boa chance. Aos quatro, Thiago Ribeiro recebeu na área, pela esquerda, ajeitou e chutou no canto direito de Rogério Ceni, que fez mais uma participação importante, e espalmou para escanteio.

Com os são-paulinos se aventurando mais na tentativa de criar jogadas de ataque, o técnico Adilson Batista decidiu explorar a maior exposição dos rivais e trocou o lateral-esquerdo Diego Renan pelo atacante Guerrón, aos 10 ? deslocando o convocado Gilberto para a ala. O goleiro Fábio foi obrigado a mostrar serviço aos 14, quando se antecipou a Marlos, que invadia a área em velocidade pelo meio, e ficou com a bola. Em seguida, aos 18, Adilson fez mais uma alteração, que rendeu protestos de parte da torcida celeste: Fábio Santos no lugar de Fabrício.

Mas o sistema defensivo mineiro não conseguia lidar com a troca de passes veloz dos são-paulinos. Aos 20, Fernandão recebeu na entrada da área, pela direita, e, com um passe de calcanhar, tirou dois marcadores e deixou Hernanes sozinho, de frente para o gol. O camisa 10 escolheu o canto esquerdo de Fábio para fazer o segundo dos visitantes. Rogério Ceni voltou a mostrar serviço, aos 24, em chute colocado de Kleber, de dentro da área.

A seguir, dois equívocos. Aos 26, Fernandão, em posição regular, recebeu passe entre os zagueiros cruzeirenses, invadiu a área e foi ao chão, na disputa de bola com o goleiro Fábio. Mas a arbitragem falhou e paralisou o lance, indicando impedimento. O erro foi contra a Raposa, aos 30. Thiago Ribeiro recebeu na meia-lua e chutou forte para o fundo das redes, mas o assistente levantou a bandeira e o árbitro anulou o que seria o primeiro gol celeste.

Com o São Paulo visivelmente cansado, os cruzeirenses apostaram em Roger, na vaga de Gilberto. Ricardo Gomes respondeu substituindo Júnior César por Jorge Wagner e Fernandão por Washington. Aos 38, foi a sorte quem reforçou a zaga tricolor, no chute de Roger que bateu nas duas traves antes de ser afastada pela defesa.

Fonte: Globo Esporte, www.globoesporte.com