Tavares, alvo de polêmica com judô: "Estão acabando comigo"

Na última quarta-feira, o lutador catarinense do UFC postou um comentário irônico.

Não há como medir o poder das redes sociais, só se sabe que é gigante. Tão grande que uma declaração publicada no Twitter rodou o Brasil inteiro e transformou a vida de Thiago Tavares. Na última quarta-feira, o lutador catarinense do UFC postou um comentário irônico pouco depois de Thiago Camilo terminar em quinto lugar no judô: "Incrível como o Brasil está "bem" nas Olimpíadas. Já viram o quadro de medalhas? Só o MMA brasileiro para honrar o país". Tavares virou rapidamente alvo de programas de televisão, sites e, principalmente, os internautas. Foi o suficiente para abalar a cabeça de Thiago, que até então vinha se preparando bem para lutar no UFC 151, em 1º de setembro. Ao lembrar o episódio, mostrou-se abatido e se emocionou bastante ao relatar ofensas à sua família. Ele afirmou que não conseguiu passar o que queria dizer no comentário. Segundo ele, a ideia era criticar a falta de investimento nos esportes olímpicos no país.


Tavares, alvo de polêmica com judô:

- Eu me expressei mal no que queria dizer, e as pessoas me interpretaram pior ainda. A minha intenção em hipótese alguma era ofender qualquer atleta brasileiro, até porque sei o que eles passam. Eu já lutei de graça no começo da minha carreira. Os meus pais são comerciantes, têm uma floricultura. Tudo o que eles conseguiram foi com muito suor, e as pessoas vêm me chamar de "playboy"? Sei o que passam os atletas, com pouco incentivo. O que quis dizer é que, infelizmente, o Brasil está com pouco resultado nessas Olimpíadas. As pessoas querem torcer para os atletas na época de Olimpíadas, aí dão incentivo e apoio (financeiro), mas isso é de quatro em quatro anos. No resto ninguém quer saber do atleta, para que ele consiga manter o nível de treinamento. Torcer por ele todo mundo quer depois. E foi exatamente isso que eu estava dizendo, só que me expressei mal. Não falei de nenhum esporte específico, nada de judô, como disseram. Por sinal, comecei no judô e depois fui para o jiu-jítsu e para o boxe. Eu fiz uma reivindicação ali, estou do lado dos atletas. Meu "comentário infeliz" estava querendo dizer exatamente isso. Nos países da Europa e nos Estados Unidos os atletas têm total apoio desde o colégio e na universidade - disse.

Tavares contou que várias pessoas têm mandado e-mails ofensivos a ele e à família por meio de seu site pessoal. Ao lembrar disso, chorou bastante. Ele disse ter perdido o sono por causa da situação, mas acredita que a carreira não será prejudicada por conta disso, mesmo que possa vir a perder patrocinadores:

- Sinceramente, pensando na minha carreira, não prejudica, porque só tenho que fazer meu trabalho no UFC. Os comentários que foram feitos na TV e nos sites, da maneira como foram feitos, simplesmente estão acabando com a minha vida. Passei a noite em claro, não consegui dormir (começa a chorar). Chorei o dia todo hoje (quinta), não consegui treinar. Então, os problemas que eu tiver por perda de patrocínio são o de menos. O circo que armaram em volta de um comentário está acabando com minha vida. Sempre me consideraram um representante de Florianópolis, do Brasil, e agora sou tachado de marginal. Tenho 22 anos de treino, me dedicando ao esporte e levantando a bandeira do Brasil mais alto. A minha mãe trabalha 12 horas por dia, e as pesoas ficam mandando e-mail para o meu site para xingá-la (chora bastante). Quiseram interpretar de um modo diferente para acabar com a minha vida.

O lutador se disse arrependido da declaração e lembrou o fato de ter levado a bandeira do Brasil ao octógono do UFC após a vitória sobre Sam Stout, em janeiro, para justificar seu patriotismo:

- Eu me arrependo da maneira como escrevi. Não consegui expressar o que eu queria, que era estar do lado dos atletas. Eles não têm ferramentas para poder representar o Brasil. É como se fossem para uma guerra com faquinha e canivete, enquanto americanos e europeus têm toda uma estrutura olímpica por trás deles. O que falaram de mim não condiz com a realidade. Só entro com música nacional nas minhas lutas. Fui comparado a um criminoso. Eu sou um atleta muito patriota! Na minha última luta chorei beijando a bandeira do Brasil, as pessoas podem ver o vídeo. Foi um comentário infeliz...

Aos 27 anos, Thiago Tavares tem 17 vitórias, quatro derrotas e um empate na carreira (7-4-1 no Ultimate). Contra o americano Dennis Hallman, no UFC 151, em Las Vegas, tentará o terceiro triunfo consecutivo. Ele chegou a tropeçar nas palavras ao falar sobre o próximo desafio, mas logo mudou o tom e ganhou confiança:

- Se eu conseguir treinar... Isso só Deus vai saber responder. No dia 1º de setembro, no UFC 151, vou dar o meu melhor lá em cima e estarei disposto a trazer mais uma vitória para o meu país e levantar a bandeira. Quando entro no octógono estou disposto a qualquer coisa. Vou representar todo mundo que eu amo. Se Deus quiser vou decepcionar essas pessoas que ofenderam tanto a mim quanto à minha família.

Por fim, o catarinense deixou uma mensagem aos que ficaram chateados:

- Quero pedir desculpas a todos os atletas que estão competindo pelo país em todas as modalidades, porque me expressei mal. Estou defendendo a mesma bandeira que eles, a do incentivo ao esporte. Peço desculpas também a todos os familiares deles. Da maneira que me puseram como criminoso, não merecia isso por tudo o que fiz e venho tentando fazer pelo esporte. Não mereço ser tachado como tal. Tenho um instituto social com quase 300 crianças, não merecia ouvir o que disseram. Liguei para familiares meus, e eles choravam por causa do que falaram sobre mim. Então, peço desculpas a todos.

Fonte: sporttv.com