Técnico do Fla pede paciência à torcida

Depois do título de 2009, clube vive nova realidade com política de baixo investimento

A cada rodada do Brasileirão, o atual campeão fica mais distante da luta pelo título. E o discurso no Flamengo, seja da diretoria, seja do treinador, assina embaixo desta tendência de coadjuvante na tabela. Após 12 rodadas, a equipe está na oitava posição a nove pontos do líder Fluminense.

O diretor-executivo Zico confirmou em entrevistas recentes que a política momentânea é de reestruturação e por isso o investimento na equipe será modesto. A torcida, por enquanto, não assimilou a nova realidade e pouco comparece aos estádios.

Se a defesa faz boa campanha nessa fase pós-Copa e sofreu apenas dois gols em cinco jogos, o ataque vai no caminho inverso e marcou só três vezes no mesmo período. No momento, o Flamengo atua com Val Baiano, que o próprio Rogério admite a má forma física, e Borja. No banco há somente o jovem Diego Maurício como opção. Nesta semana, Leandro Amaral será apresentado. O atacante, de 32 anos, recupera-se de uma grave infecção no joelho direito.

- Ele não pode ser tratado como solução. É um jogador que está parado há um ano e vai nos ajudar no que for possível ? disse Zico.

Diante do quadro, Rogério Lourenço mantém o discurso de compreensão. Ele chegou a sugerir alguns nomes, como Souza e Kleber Pereira, mas não passou disso. A janela de transferências internacionais fecha no dia 19 de agosto e as opções no mercado, agora, são bem escassas. Panorama nada positivo.

- O Zico já deu diversas declarações que não vai contratar de qualquer forma e que a torcida precisa apoiar esse grupo. E concordo com ele. O Flamengo será reconstruído. Entendo que perder três ídolos como Vagner Love, Bruno e Adriano da noite para o dia não é fácil, mas o trabalho está sendo feito buscando o melhor para o Flamengo. Torcedor quer que as coisas aconteçam da noite para o dia, mas não vemos desta forma ? disse o treinador, após o empate por 0 a 0 com o Vasco.

Rogério diz entender a angústia da torcida, mas garante que as privações do período garantirão um futuro diferente ao Flamengo.

- Toda equipe grande quer ter os melhores jogadores do mercado. Mas compactuo com o modelo de passar um período de dificuldade. Não existe construção sem destruição. Para construir um Flamengo novo e vencedor temos que passar por algumas coisas.

Fonte: Globo Esporte