Vasco faz nove em jogo de despedida de Edmundo

Vasco faz nove em jogo de despedida de Edmundo

O agora oficialmente ex-jogador - já não atuava desde 2008 - se emocionou com a recepção

Havia mais gente no Estádio de São Januário nesta quarta-feira para um jogo amistoso do que uma semana atrás para partida decisiva da Copa Libertadores, a prioridade do Vasco na temporada. O justo motivo: a despedida de Edmundo. O agora oficialmente ex-jogador - já não atuava desde 2008 - se emocionou com a recepção, especialmente quando saiu de campo pela última vez, aos 38min do segundo tempo.

"O mais legal de tudo é esse carinho da torcida. Para mim é um presente. Faço 41 anos na próxima segunda-feira e, de todos os presentes que pedi a Deus, a presença dessa massa aqui é o melhor", disse o ex-atleta depois de marcar dois gols no Barcelona de Guayaquil (Equador). "Daria tudo que conquistei na minha carreira por essa torcida. O dinheiro não tem importância nenhuma perto disso aqui."

Mais de 13 mil ingressos foram vendidos antecipadamente e o jogo festivo contra o adversário da final da Libertadores de 1998 - partida em que Edmundo não pôde atuar porque havia se transferido para a Fiorentina, virou uma grande festa. Apesar da chuva, os vascaínos lotaram São Januário.

Viram uma grande queima de fogos, vídeos com lances marcantes da carreira do jogador no telão, e ouviram um discurso afetuoso do presidente Roberto Dinamite, que antes era desafeto do ídolo - os dois acabaram rebaixados com o clube para a Série B do Campeonato Brasileiro em 2008 - mas fez as pazes e organizou a partida para dar uma despedida mais à altura da importância de Edmundo do que aquele jogo do rebaixamento.

"Você merece toda esta festa, Edmundo. Você nos fez muito feliz aqui em São Januário", afirmou o mandatário vascaíno. O antigo desafeto agradeceu. "O Roberto é um ser humano sensacional. Só tenho que agradecer pela oportunidade. Isso aqui é bom demais, não tenho nem o que dizer. Só posso deixar o meu obrigado. Não imaginava que ainda pudesse jogar bem e fazer gols", emocionou-se Edmundo pouco antes de jogar a camisa do Vasco para a torcida.

Até o juiz Marcelo de Lima Henrique entrou na festa. Porque o primeiro gol de Edmundo na partida ocorreu numa cobrança de pênalti. Detalhe: a falta que originou o lance, em Thiago Feltri, foi visivelmente fora da área.

Aos 38min do segundo tempo, terminou oficialmente a carreira do Animal, apelido eternizado por Osmar Santos. Foi quando ele saiu de campo substituído, às lágrimas, sob aplausos e gritos de "Ah, é Edmundo!".

"Não imaginava que três anos e meio depois do meu último jogo, teria tanta gente aqui só para vir me ver. O pessoal que está aqui é povão, nem sempre tem dinheiro para o ingresso. Hoje, no dia 28 de março, sou o homem mais feliz do mundo", falou. "Precisava encerrar em paz com todo mundo. Em 2008 meu último jogo foi terrível. Sou torcedor fanático do Vasco e precisava dessa lembrança positiva."

Fonte: Terra