1 anos depois: Herói lamenta não ter evitado as 12 mortes dentro de escola de Realengo

1 anos depois: Herói lamenta não ter evitado as 12 mortes dentro de escola de Realengo

Para o sargento Márcio Alves, sua intervenção não passou de uma obrigação

Pode soar exagerado que uma tragédia tão dolorida pudesse se tornar ainda pior, mas a ação rápida de algumas pessoas evitou que um homem disposto a matar e morrer sem nenhuma causa justificável fizesse ainda mais vítimas.

Uma delas é o sargento da PM Márcio Alves, que, alertado sobre o que estava acontecendo na escola Tasso da Silveira, partiu para lá e conseguiu abater, a tiros, o assassino Wellington de Menezes, que se matou em seguida com um tiro na cabeça.

Para o sargento Márcio Alves, sua intervenção não passou de uma obrigação. ?Cumpri apenas o meu dever?, ressalta. O PM do BPVR (Batalhão de Polícia Rodoviária) estava trabalhando no trânsito, a cerca de 300 metros da escola. O dia a dia de Alves não é pontuado por tiroteios ou perseguições a criminosos. Mas naquele dia, o PM teve que utilizar seu conhecimento e seu instinto para conter o homem que chocou o País.

?Isso nunca vai se apagado, não tem como sair da memória. Outro dia fui à escola, e me veio à cabeça todo o caminho que fiz?, conta o policial, pai de duas crianças.

Ele, no entanto, lamenta até hoje não ter tido a possibilidade de evitar as 12 mortes. ?Queria ter chegado a tempo e ter salvado mais vidas. Ter conseguido parar o atirador não diminuiu a tristeza das famílias que perderam seus entes queridos?, conta.

O sargento Alves foi avisado da barbárie que acontecia no colégio pelo aluno Alan Silva. Mesmo baleado, o menino, que tinha 12 anos na época, conseguiu correr e ir buscar ajuda. ?Ele é um verdadeiro herói, por ter sobrevivido e tido força para sair e buscar ajuda?, observa o PM. O sargento Alves foi condecorado pelo ato, e promovido pelo governador Sérgio Cabral.

Fonte: Terra