105 agências bancárias estão paradas em todo o Piauí

Enquanto isso, filas se formam nas agências bancárias

No segundo dia de greve dos bancários, já foi possível contabilizar 105 agências paradas em todo o Piauí, segundo o Sindicato dos Bancários do Estado. O movimento grevista que começou na última terça-feira,06, não tem previsão para terminar. Até o momento, nenhuma nova proposta foi apresentada à categoria.

Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários do Piauí, Arimatéa Passos, o número de agências com atividades paralisadas é motivo para comemorar, principalmente pela união entre os trabalhadores. “O fortalecimento da greve no Piauí é bastante perceptível neste segundo dia de greve, mas estamos trabalhando juntos para tentar fazer com que a mobilização se fortaleça cada vez mais”, destaca o presidente do sindicato, que percorreu as agências da capital para mobilizar a categoria.

Ao mesmo tempo em que a greve vem ganhando adesão por parte dos funcionários no Estado, a população tem sentido os efeitos da paralisação. Um deles é ter de enfrentar longas filas para acessar os caixas eletrônicos, além de não conseguir abrir contas e nem realizar demais transições bancárias.

Image title

A cliente Antônia Rabelo, só no turno da manhã desta quarta-feira, (07), por conta de longas filas, teve de se deslocar para duas agências bancárias na capital e só obteve sucesso na terceira que visitou. “Após muita luta e enfrentar uma enorme fila consegui. Mas a minha preocupação é, e depois? Quando precisarmos sacar e não ter mais dinheiro nos caixas?”, questiona a cliente.

As propostas salariais da categoria é que o salário inicial, que atualmente é R$ 2.200, chegue a R$ 3.292 mais o vale alimentação no valor de 1.500 reais, o que representa um aumento de 16 %. No entanto, a única proposta dada à categoria foi o aumento de 5,5% mais R$ 2.500 de abono, valor bem abaixo do exigido pelos trabalhadores.


Fonte: Pollyana Carvalho e Márcia Gabriele